Exposição fotográfica em homenagem ao dia mundial da fotografia

 

 

“Feira de Santana – E o tempo levou!”

O Clube de Fotografia Gerson Bullos realiza no próximo dia 19 de agosto a Exposição Fotográfica “Feira de Santana – E o tempo levou!” em homenagem ao Dia Mundial da Fotografia. Esta exposição acontece na Praça João Pedreira em frente ao Mercado de Arte Popular, no centro da cidade, das 8:30 às 17 horas e tem como objetivo mostrar à comunidade a importância da fotografia como ferramenta de registro da memória e da história de um povo, além de despertar uma reflexão sobre o descaso para com a preservação dos nossos bens históricos materiais ao longo de décadas. A comparação das fotografias de uma mesma perspectiva, feitas ontem e hoje, dos locais, construções e monumentos que fizeram parte da história de Feira de Santana, demonstram de forma positiva ou negativa esta impactante mudança.

Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto de pesquisa dos Fotógrafos José Angelo Pinto, Claudia Freire, Maurício Acioli, Tomaz Coelho, Lula Mascarenhas, Marcio Medrado, Salete Bitencourt, Anderson Alves, Dilson Morais e Francisco Carlos e comprova a inegável importância da fotografia como instrumento de memória e conservação de dados e fatos históricos. Embora seja carregada de uma série de elementos que tiram dela o caráter de total veracidade, ela traz informações do passado, recente ou remoto, que de outra maneira poderiam não ser documentados. A conservação das fotografias torna-se, muitas vezes, a única forma de preservar fragmentos do passado. Assim, este projeto de fotodocumentarismo de denúncia cultural e social como instrumento de transformação na sociedade, é uma iniciativa dos fotógrafos associados ao Clube de Fotografia Gerson Bullos, visando conscientizar a população para uma maior reflexão do problema.

 

O governo federal cogita proibir fotografias em parques e unidades de conservação ambiental

 

Do Clube de Fotografia Gerson Bullos para conhecimento de toda a sociedade brasileira

Com tantos problemas a serem resolvidos no Brasil, o governo federal cogita  proibir fotografias em Parques e Unidades de Conservação Ambiental

O Digiforum recebeu solicitação do fotógrafo Luis Claudio Marigo, no sentido de divulgar amplamente ato em que o ICMBio, autarquia vinculada ao Ministério do Meio Ambiente, propõe estabelecer uma instrução normativa que vai restringir drasticamente a possibilidade de se fotografar em Parques e Unidades de Conservação Ambiental da União.

O artigo que ameaça a atividade dos fotógrafos e até a liberdade de imprensa é o seguinte:

Art. 4º – A atividade de captação de imagens associada a matérias jornalísticas sobre ocorrências ou fatos eventuais na região da Unidade de Conservação deverá ser objeto de autorização direta pela chefia da Unidade de Conservação.”

Ou seja, quando estivermos em um Parque Nacional, numa Unidade de Conservação, não poderemos simplesmente sacar nossas câmaras e fotografar. Se virmos um belo pássaro, uma bela paisagem, um desmatamento ou uma queimada, teremos de nos submeter a um procedimento burocrático para acionarmos o obturador e  sabe-se lá quando isso será desembaraçado.

Se não nos mobilizarmos e essa instrução normativa for aprovada, dificilmente teremos a satisfação de apreciarmos ou fazermos fotos como essa acima que o fotógrafo Marigo fez no Parque Nacional do Itatiaia – Agulhas Negras.

Abaixo transcrição do e-mail encaminhado pelo Luis Claudio Marigo ao Digiforum:

“Prezados colegas fotógrafos,

Estamos num momento importantíssimo para resolver o impasse que o ICMBio provocou com a exigência de autorização para fotografar nas unidades de conservação federais e sua tentativa de controlar nossas fotografias. Por favor, leiam essa mensagem com atenção, respondam à consulta pública que o ICMBio está fazendo através de seu site institucional.

Participem!

Divulguem através de suas redes sociais, através de foto-clubes, através do WIKIAVES, através de qualquer meio. Quanto mais fotógrafos participarem e responderem à consulta pública, maiores serão nossas chances de o ICMBio refazer favoravelmente essa instrução normativa.

Escrevi um documento sobre essa questão e a AFNatura ­ Associação de Fotógrafos de Natureza publicou-o em seu website .

Por favor, leiam-no. Ele contém reflexões importantes para se pensar sobre essa questão e responder à consulta pública.

No dia 1º deste mês, o ICMBio ­ Instituto Chico Mendes para a conservação da Biodiversidade, colocou sua minuta da instrução normativa para regulamentar o “uso de imagens de unidades de conservação federais” em consulta pública e essa instrução normativa é uma loucura. Atenta até contra a liberdade de imprensa, o direito autoral, e sei lá mais o que!

 Vejam o artigo que ameaça a liberdade de imprensa:

Art. 4š A atividade de captação de imagens associada a matérias jornalísticas sobre ocorrências ou fatos eventuais na região da Unidade de Conservação deverá ser objeto de autorização direta pela chefia da Unidade de Conservação.”

Já pensaram? Um fotógrafo ter que pedir autorização para fotografar, durante uma matéria? E se o gestor não der a autorização, ou demorar para dá-la?

Um abraço,

LC Marigo”

 

Nanja e suas máscaras

 

 

A criatividade e a sensibilidade são soberanas para a artista plástica Nanja Brasileiro; pinceladas cromáticas e formas inusitadas adquirem novas nuances para o prazer dos olhos e do espírito.

 

Nanja considera o seu trabalho “um estado de alma”, como “uma forma de ver o mundo” e, talvez por essa razão, nesse trabalho ela tenha trocado as telas pelo corpo. A face humana e a textura da pele tornaram-se matéria-prima. Rostos pintados, suaves, deformados, ou simplesmente angelicais, transformam-se em máscaras humanas impregnadas de novos matizes e de novas expressões; elas chocam ou enternecem, amedrontam ou surpreendem.

 

A pintura – tão velha quanto o mundo – e a fotografia, uma arte moderna, representam maneiras de ver e sentir o universo. As máscaras humanas criadas por Nanja e capturadas pelo olhar mágico de Leo Brasileiro são obras de arte em sua mais pura essência, por conceberem o inusitado, pela carga emotiva que deflagram, por eternizarem o efêmero.

 

 

 

Angola em foco

 

Recebi da minha amiga Tania Scofield, que no momento reside em  Angola, a foto que publico abaixo; a imagem, segundo Tania, é bem representativa desse país e de seu povo. O flagrante é de Lobito, uma cidade portuária que fica ao sul de Luanda. Uma cidade bonita, limpa, urbanizada, bem diferente de Luanda (cujo caos não deixa de ser interessante!).

A foto foi realizada em um período de seca, o chamado “Cacimbo” (são quatro meses sem chuva e paraticamente sem sol) e como se pode perceber o cenário é meio monocromático, o que contraste com o colorido das roupas das mulheres africanas. Para a fotógrafa, tudo é muito diferente e bonito.

 

Muito obrigada pela colaboração, Amiga!

José Angelo Leite Pinto – Poesia em imagens

José Angelo Leite Pinto, natural de Feira de Santana, Bahia. Tem formação acadêmica superior e atuou, por muitos anos, como professor de ciências e biologia; é membro de várias entidades nacionais na área das ciências biológicas.

Ainda garoto, com uns 10 anos de idade, começou a utilizar uma câmera Rolleiflex do seu pai, que sempre gostou de fotografar, apesar de ser daqueles que, às vezes, até o dedo ficava registrado nas fotos, embora sempre tivesse sua câmera por perto. Isto lhe despertou uma curiosidade e vontade cada vez maior de fotografar.

Interessou-se por variadas técnicas de fotografia através de livros e revistas, e sempre se exercitando nesta câmera Rolleiflex, ganhou de presente de aniversário uma câmera Yashica-D de filme 120mm, passando a fazer experiências fotográficas com fundos, luzes, variações de diafragma, velocidade, etc.

Ainda garoto, fez um curso de revelação em câmera escura preto & branco, montou um pequeno laboratório e adaptou um projetor de slides para ser o ampliador, já que um ampliador profissional custava muito caro. Sua mãe Profª. Bernadete Pinto, disponibilizou um pequeno quarto nos fundos da casa onde moravam, para que montasse seu laboratório fotográfico e, no meio dos tanques de revelador, fixador, varais, etc. começou a exercitar incansavelmente a arte da fotografia.

Já na universidade no final da década de 70, fez um curso de extensão em Microfotografia, produzindo fotografias e slides para os laboratórios de biologia, zoologia, botânica e geociências. Exercitou como mergulhador, filmagem em formato Super-8 e fotografia submarina, utilizando equipamentos Minolta, quando participava de viagens de estudo para coleta de exemplares para os laboratórios da universidade. Também trabalhou durante anos no Observatório Astronômico Antares, onde atuou na área de fotografia astronômica através de câmeras analógica Pentax 35mm e digital CCD acopladas aos telescópios.


Conhecedor de aplicativos (softwares) de tratamento e manipulação de imagens, com o advento das câmeras digitais, passou a trabalhar com equipamentos digitais Nikon e Sony, com os quais fotografa para ilustrações de livros, catálogos, outdoors, cartazes, folders, web sites, etc.

Participa periodicamente de concursos e exposições de fotografia a nível nacional e internacional, exerceu o cargo de Diretor Secretário do Sindicato dos Fotógrafos Profissionais de Feira de Santana e atualmente é Presidente do Clube de Fotografia Gerson Bullos, filiado à Confederação Brasileira de Fotografia.


Em 2006 participou do Concurso Fotográfico da Revista Trade em Miami, Florida; em 2007 da XV Bienal de Arte Fotográfica Brasileira em Cores; em 2008 da Mostra de Fotografia “Panorama 2008″ do Museu de Arte Contemporânea Raimundo de Oliveira em Feira de Santana; em novembro de 2008 representou o Brasil, junto com mais dois fotógrafos de Feira de Santana na 39ª Exposition Internationale D’Art Photographique e do 6º Salon d’Auteurs sur Invitation na França, além de algumas exposições virtuais em Lisboa e Budapest.

Se considera um fotógrafo amador em constante evolução e amante da fotografia.


“Fotografar é fazer poesia através de uma imagem.
O poema não é feito de letras, mas das cores que ficam no papel”

Observação: Postado originalmente no blog “Leni David – De tudo um pouco” , em 16/09/2009 às 14:29h

 

Exposição de Silvério Guedes

 

Local: Galeria da ACBEU

Título: Paisagem Fragmentada (FOTOGRAFIAS)

Data: Abertura: 03.12.2010 das 19:00 às 22:00h.

Visitação: de 04 a 18.12.2010 (segunda a sexta) das 14 às 20h, sábado das 16 às 20h  (entrada franca).

Curadoria : Dilson Midlej

O artista é natural da cidade de Barbacena, Minas Gerais, radicado na Bahia desde 1984. Já expôs na Galeria Carlo Barbosa do Centro Universitário de Cultura e Arte da Universidade Estadual de Feira de Santana (2009).

Participou também da IX Bienal do Reconcavo (2008), da exposição coletiva de inauguração do Museu de Arte Contemporânea de Feira de Santana (1996), do XI Salão Regional de Artes Plásticas da Bahia, realizado no Centro de Cultura Amélio Amorin , em Feira de Santana (1995).

As cores, formas e detalhes das embarcações estacionadas nas praias do Porto da Barra, Ribeira e Rio Vermelho, em Salvador, chamaram a atenção do artista e foram o ponto de partida para a realização do seu trabalho.

Com um olhar muito particular, Silvério captou suas imagens, as quais denominou “Paisagem Fragmentada” numa metáfora ao fenômeno geográfico de fragmentação da paisagem provocada pela ação humana.

 

Texto do curador Dilson Midlej

“As ondas de cores das pinturas dos barcos das imagens de Silvério que compõe a série “Paisagem Fragmentada”, com suas camadas de tintas carcomidas pelo sal e enrugadas pelos mares dos anos, formam um conjunto que celebra a brisa do mar e a luz solar. Pode-se mesmo dizer que o conjunto denota a preocupação do fotógrafo na busca de uma possível perfectibilidade da paisagem, ou melhor, da postura do artista frente a natureza.

Perfectibilidade, entenda-se na acepção de se aperfeiçoar, conforme notou Rousseau, não o de se tornar perfeito. Assim, somente o imperfeito é perfectível, mas só o é contanto que possa mudar, e se mudar. A perfectibilidade seria, então, uma evolução, mas histórica e cultural, em vez de natural.

Não é, portanto, a natureza externa (paisagem natural) que move o fotógrafo, mas a perfectibilidade de enxergar, o aperfeiçoar da visibilidade das estruturas de cores, volume e texturas, pois a paisagem ideal, nas imagens de Silvério, não é aquela que se oferece completa e sim a forjada pela navegação do olhar, por lentes, filtros e objetivas que remam a sensibilidade e apontam novas rotas e ancoradouros.

O resultado é o encontro do olhar navegador do fotógrafo com a sua paisagem interior, olhar esse que resgata suas paisagens internas e deixa aflorar os sentidos submergidos da beleza das coisas simples e resulta em composições às quais se valem de uma geometria sensível como recurso expressivo. Olhar movido pela crença de que mais do que contemplar paisagens, é preciso navegá-las e descobri-las ao mesmo tempo que as reconstrói.”

Dilson Midlej é Mestre em Artes Visuais (UFBA) e Professor de História da Arte da Universidade Federal do Recôncavo

Justino Marinho

Clube de fotografia Gerson Bullos realiza exposição

   

Como parte das comemorações do 3º aniversário do Clube de Fotografia Gerson Bullos, no dia 19 de agosto, dedicado mundialmente à Fotografia, foi aberta a Exposição Fotográfica “Bando Anunciador – Um Resgate Cultural” nas dependências do Boulevard Shopping. A exposição composta por sessenta fotografias retrata momentos de beleza, alegria e descontração captados durante o desfile do Bando Anunciador 2010, ocorrido no mês de julho passado pelos fotógrafos Antônio Vieira, Angelo Pinto, Claudia Freire, Lula Mascarenhas, Tomaz Coelho, Salete Bitencourt, Francisco Carlos e Dilson Morais.

O Bando Anunciador da Festa de Sant’Ana surgiu como uma manifestação popular no início do século XX, com o objetivo de divulgar a Festa da Padroeira de Feira de Santana, num período onde não existiam os meios de comunicação, tornando-se o grande marco para o início das comemorações da Festa de Sant’Ana.

O Bando Anunciador que as atuais gerações passam a conhecer, envolvia a juventude da época, que ganhava as ruas rumo à Igreja da Matriz,  reunindo mascarados, baianas com suas roupas típicas, cabeçorras e um grande número de populares que percorriam as poucas ruas centrais da cidade ao som de zabumbas e do espocar de foguetes e fogos de artifício, tendo como característica maior a irreverência, além de muita alegria e animação. A exposição ficará aberta ao público até o dia 29 de agosto.

A arte de Graça Ramos e poemas de Damário Dacruz

A artista plástica Graça Ramos no Pouso da Palavra, em Cachoeira, pintando o retrato do seu amigo Damário Dacruz.

A foto é de George Lima e foi gentilmente disponibilizada pelo mesmo para ilustrar o post em homenagem ao saudoso Poeta.

Todo risco

A possibilidade de arriscar
É que nos faz homens
Vôo perfeito
no espaço que criamos
Ninguém decide
sobre os passos que evitamos
Certeza
de que não somos pássaros
e que voamos
Tristeza
de que não vamos
por medo dos caminhos.

Anzol

Angustiado olhar
do peixe capturado.
Angustiado olhar
do peixe
na mesa do mercado.
O amor, às vezes,
tem esse olhar
de quem vacila prisioneiro
quando tudo é mar.

Outros jardins  

Borboletas
são flores
que decidiram
ganhar o mundo.

 

 Insistência

Os amores impossíveis
sabem dos seu destinos.
Os amores impossíveis
insistem como beija-flores
na busca incessante
do néctar invisível.
Os amores impossíveis
estão sempre fora da rota
mas acreditam que chegarão

Caixa – preta

Sou um homem.
Portanto,
mais que palavra.

Não pronuncio
o sentimento
apenas como palavra.

O que foi dito
ao entardecer
não se confirma
na madrugada.
O que foi visto
no sonho
não se confronta
com a realidade.

Sou um homem.
Portanto,
uma surpresa.
tristeza
de que não vamos
por medo do caminho.

In Segredo das Pipas, Salvador: EPP/ BANCO CAPITAL, 2003.

 

Grande Finale

 Avise aos amigos

que preparo o último verso.

A vida

dura menos que um poema

e no alvorecer mais próximo

saio de cena.”

                    (Último poema de Damário Dacruz) 

 

 

A magia do olhar de Leo Brasileiro

Foto: Leo Brasileiro

Leonardo Aleixo Brasileiro Borges nasceu em 13 de setembro de 1977. Um nome forte, imponente e solene. Mas, apesar da sua carga sonora, ele se traduz num diminutivo: Leo.  Assim todos conhecem o jovem que observa o mundo, sem pressa.

Foto: Leo Brasileiro

Analisar o trabalho de Leo Brasileiro é uma tarefa que exige tempo e reflexão, pois o que ele capta com a sua máquina é pura poesia. A força e a beleza das imagens contidas nos flagrantes que registra, não carecem de palavras para defini-las. Os olhos são capazes de traduzi-las em qualquer idioma.

 Foto: Leo Brasileiro

Graduado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), Leo Brasileiro cursou urbanismo, paisagismo e jardinagem na Universidade Politécnica de Valência, na Espanha. Embora suas atividades estejam voltadas para a arquitetura, ele não se afasta de outras paixões da sua vida: a fotografia, a música e o design. Foi um dos sócios fundadores da Vogal Design e sua mais significativa atuação como músico aconteceu entre 2005 e 2008, período em que ajudou a fundar e atuou como baixista da banda Tagua.

Baiacu – Barcos

Segundo seu pai, o poeta e artista plástico Antônio Brasileiro, quando menino Leo era entusiasta, gostava de experimentações, de desenhar histórias em quadrinhos e não sentia nem um pouco de piedade pelos três porquinhos, quando fugiam do lobo mau. Depois de adulto, alguém que não se preocupa muito com o tempo que gasta na realização de um trabalho; o importante para ele é o resultado. Para a mãe, a artista plástica Nanja, Leo é um jovem sensível, observador, mas obstinado e decidido.

Foto: Leo Brasileiro

Foto: Leo Brasileiro

Num tom brincalhão Leo Brasileiro admite que “ser filho de peixe, equivale a lutar para não morrer afogado”, o que contradiz o ditado popular. A admiração que sente pelos pais é notória, embora não seja efusivo. Mas essa afirmação talvez possa justificar o seu perfeccionismo, face aos exemplos que tem em casa. Reservado, gosta de música, da natureza, escolheu a arquitetura como profissão e fez da arte o seu hobby.