Abertas as inscrições para o 5º Festival de Sanfoneiros

 

O Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca), entidade vinculada à Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), abriu as inscrições para o 5º Festival de Sanfoneiros. Os artistas interessados em participar devem acessar o edital do festival, disponível no portal www.uefs.br, seção Notícias, ou solicitar cópia no Cuca.

A inscrição pode ser feita de forma presencial até 30 de março, de segunda a sexta-feira, das 8 às 11h30 e das 14 às 17h30. Quem preferir pode utilizar os correios, enviando a inscrição até 23 de março para o endereço: Rua Conselheiro Franco nº 66, Centro, Feira de Santana – Bahia, CEP 44002-128.

O espetáculo com os finalistas será realizado em 25 de maio no Auditório Central da Uefs, campus universitário.

Outras informações através do telefone (75) 3221-9766.

Reserva de pauta no Cuca prioriza atividades culturais

 

Para os interessados em apresentar espetáculos, shows, palestras, saraus no teatro do Centro Universitário de Cultura e Arte (CUCA), estão abertas desde o dia 02 até 30 de janeiro, as reservas de pauta exclusivamente para eventos culturais, contemplando todas as áreas, para o primeiro semestre de 2012.

As reservas podem ser feitas na Diretoria do CUCA com a entrega de um Ofício de solicitação contendo a natureza do evento, o dia e o horário que estão sendo requisitados, o nome do responsável com contato telefônico e demais necessidades. A Direção estará funcionando das 08 às 12 horas e das 14 às 17 horas para recebimento do referido documento. Informamos ainda que o parecer acerca do agendamento será apresentado na primeira semana de fevereiro e terá como critério a ordem de solicitação.

 

Estação verão SESC 2012

 

Com o intuito de irradiar saúde e alegria na estação do sol nos meses de janeiro, fevereiro e março, inclusive no período do carnaval, o SESC está desenvolvendo domingos de lazer e diversão com shows musicais dos mais variados ritmos, sendo 02 (dois) a cada domingo, valorizando sempre os artistas da terra.  E, durante a semana, de terça a sexta feira (de 03/01 a 03/02/12) a piscina está aberta para o lazer do associado e seus convidados.

No próximo dia 08/01/12, a partir das 09:00 horas, o Estação Verão SESC 2012 inicia a sua temporada de festas com todo o swingue do grupo Pop Afro, e o arrocha de Mazinho Venturini, além de apresentação de Dança Afro e Hip hop.

Também acontecerá durante todo o verão o programa SESC Saúde no Verão e SESC Meio Ambiente no Verão, com Aferição de Pressão, exposição monitorada, mostra de Vídeos e Oficinas de Brinquedos Recicláveis ofertadas pelo SESC e com o apoio do Departamento de Educação Ambiental da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e da Secretaria Municipal de Saúde.

Exposição de presépios no museu Casa do Sertão

O Museu Casa do Sertão, localizado no campus da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), realiza, durante o mês de dezembro, exposição de presépios composta por 99 esculturas do acervo próprio. Feitas em madeira, papel machê ou barro (mono e policromado), as peças retratam a sensibilidade de artesãos como o santeiro Domingos Paixão, Dona. Fia, Crispina dos Santos e Marilene Brito, e ilustram um dos mais populares temas da liturgia católica, o Natal.

O público pode visitar a exposição das 8 às 11h30 e das 14 às 17h30. Visitas em grupo podem ser agendadas através do telefone (71) 3161-8099 ou ainda pelo e-mail
museucasadosertao@gmail.com.

Representações iconográficas do nascimento do Menino Jesus montados nas salas de visitas dos lares e/ou igrejas ainda hoje são elementos recorrentes do cenário sertanejo durante o período natalino. Diante dos presépios, as famílias e membros das comunidades, especialmente as rurais, expressam a devoção através de cantigas e rezas, associando sagrado e profano como nas Folias de Reis.

Identidade regional

Por todo o Nordeste é celebrado o nascimento do menino salvador, “reinventando o saber de velhas tradições, de forma viva e criativa, acompanhando a dinâmica da vida dos participantes, que reforçam nessas práticas sua identidade social”, conforme
salienta a diretora do Museu Casa do Sertão, Cristiana Barbosa.

Montados em muitos lugares, é notadamente no sertão baiano que os presépios ganham aspectos do cotidiano regional, com a incorporação de cenas locais e vegetação da caatinga, além de materiais como areia, búzios, pedras e brinquedos. Em algumas localidades é comum grupos de Folia de Reis que se apresentam desde as comemorações do advento até o dia 6 de janeiro, dia em que se comemora a adoração dos Reis Magos e realiza-se, após o desmonte do presépio, a queima da lapinha.

O culto ao Menino Jesus foi iniciado por São Francisco de Assis que montou o primeiro presépio em 1223. Essa tradição foi se desenvolvendo ao longo do tempo e se espalhou por todo o mundo cristão. Em decorrência da montagem de presépios em templos, praças e residências, iniciou-se ainda no século 16 a dramatização com canto e dança, a maioria composta por autores populares e anônimos, como a louvação ao
nascimento de Jesus.

Ascom/Uefs

Clube de Fotografia Gerson Bullos – Viagem Fotográfica a Rio de Contas

Um grupo formado pelos fotógrafos Antônio Vieira, J. Angelo Pinto, Claudia Freire, Marcio Medrado, Valcir Gobatto e seus familiares, realizou de 11 a 15 de novembro de 2011 uma viagem ao município de Rio de Contas – BA, com o objetivo de produzir um documentário fotográfico desta bela cidade da Chapada Diamantina.

Rio de Contas foi criada pela Provisão Régia de D. João V, datada de 02 de outubro de 1745 e afirmam alguns historiadores que ela foi a primeira cidade planejada do Brasil. O município preserva o traçado antigo, apresentando praças e ruas amplas, igrejas barrocas, monumentos públicos e religiosos em pedra e casarios em adobe. Rio de Contas está situado no Planalto da Serra das Almas, aproximadamente a 1.100 metros de altitude, na Chapada Diamantina Meridional, posição Centro-Oeste.

Atualmente a cidade de Rio de Contas é um importante polo de ecoturismo na Bahia e onde se experimenta a tranquilidade das pequenas e antigas cidades, com seus moradores sentados ao final das tardes em cadeiras nas calçadas, crianças brincando nas praças, encontro dos amigos nos dias de feira, tudo isto emoldurado por uma beleza arquitetônica muito bem preservada, lindas montanhas e uma natureza exuberante.

Os pontos mais altos do Estado da Bahia estão localizados em Rio de Contas. Pico Barbados, com 2.033 metros; Pico Itobira, com 1.970 metros; Pico Tromba, com 1.965 metros e Pico das Almas, com 1.958 metros de altitude. Uma região de flora muito rica, com suas lindas bromélias e orquídeas, lindas cachoeiras, muitos rios e um povo
amável e hospitaleiro.

Os fotógrafos associados ao Clube de Fotografia Gerson Bullos que participaram deste projeto, produziram um total de aproximadamente 7 mil imagens e planejam a publicação de uma revista denominada “Rio de Contas – O ponto alto da Bahia”, onde divulgarão belas fotos e um pouco da história local, no início do próximo

A Oficina de Criação Artística (OCA) realiza exposição no Amélio Amorim

A direção do CUCA informa que na próxima quinta-feira, dia 24 de novembro, acontecerá a abertura da Exposição 2011, promovida pela OCA – Oficina de Criação Artística – como resultado de suas oficinas, com apresentação de um catálogo, resultado da seleção das melhores obras elaboradas pelos seus alunos durante o segundo semestre deste ano.

A publicação da seleção denominada “Prêmio Catálogo” e que contou com a colaboração dos artistas Nanja, Márcio Junqueira e Silvio Portugal na seleção dos trabalhos, apresenta os alunos premiados e atribui menção honrosa àqueles que se destacaram. Além da publicação, será oferecida uma bolsa de estudos em qualquer das oficinas da OCA (Cerâmica, Fotografia, Produção em Vídeo, e Arte para Criança).

A exposição estará à disposição do público até o dia 15 de dezembro, no Foyer do Centro de Cultura Amélio Amorim.

 

Renata Pitombo lança livro no Cuca

 

Reflexões sobre moda, mídia e cultura.

 Quem diria. Nos idos de 1913 jornais baianos já dedicavam colunas com informações sobre moda. Essa constatação foi possível graças à pesquisa da jornalista Renata Pitombo e pode ser conferida no livro A Sagração da Aparência: o jornalismo de moda na Bahia, com lançamento agendado para as 19h30 do dia 19 de de outubro, no Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca). O livro contém 227 páginas e traz o selo da Editora da Universidade Federal da Bahia (Edufba). Além dessa verificação histórica, a pesquisa revela ainda as transformações provocadas pelo tema moda no jornalismo, “como a mudança no modo de receber a notícia, que além de informar precisa seduzir, bem como uma nova cultura da feminilidade”, ressalta a autora. Segundo ela, a publicação destaca dois aspectos relacionados à moda: a teoria e a prática jornalística.

Inicialmente, a obra recupera a discussão conceitual sobre o fenômeno da moda, estabelecendo algumas considerações sobre as relações entre a indumentária e a comunicação. Num segundo momento, desenvolve pesquisa sobre as matérias jornalísticas, a fim de perceber como se dá a apropriação da moda pelos meios de comunicação. Toma como referência os registros dos jornais A Tarde e Tribuna da Bahia, entre as décadas de 1970 e 1990.

 A noite de lançamento contará com recital do grupo Mínima Música, composto por Monclar Valverde (voz, sax, violão, piano e composições) e Tiago Medeiros (baixo, violão, piano e composições). Com esta formação, o grupo privilegia o trabalho autoral, sem deixar de lado clássicos da música instrumental e Bossa Nova. Com outra formação, o grupo já se apresentou no teatro do Cuca em novembro de 2010, mostrando suas próprias versões de consagrados Standards do Jazz americano.

Renata Pitombo é jornalista e doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas (UFBA). Cursou pós-doutorado em Sociologia no Centro de Estudos sobre o Atual e o Cotidiano, da Université René Descartes (Paris V- Sorbonne), em 2011. Coordenou o curso de Graduação em Comunicação e Produção de Moda da Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC) Salvador, entre 2003 e 2006. Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), coordena o grupo de pesquisa Corpo e Cultura (CNPq) e é autora de Os Sentidos da Moda (Annablume, 2005).

 

RESENHA

 A SAGRAÇÃO DA APARÊNCIA: o jornalismo de moda na Bahia

Renata Pitombo Cidreira

 O grande diferencial que se percebe no trabalho de Renata Pitombo Cidreira é o seu domínio sobre uma temática tão complexa, como a moda.

Jornalista, com mestrado e doutorado em Comunicação e Cultura Contemporâneas (UFBA), atualmente professora da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia e coordenadora do grupo de pesquisa Corpo e Cultura (CNPq), Renata foi a primeira estudiosa, em Salvador, a levar o discurso de moda para a academia. Autora de diversos trabalhos importantes, como Os Sentidos da Moda, publicado em 2005, ela tem como marca a meticulosidade nas suas investigações e a clareza com que constrói suas análises.

Na obra A Sagração da Aparência: o jornalismo de moda na Bahia (Salvador: EDUFBA, 2011),estas características mais uma vez se evidenciam, no momento em que, fundamentada em conceitos engendrados por teóricos clássicos e contemporâneos, a autora monta uma pesquisa cuidadosa, usando a imprensa escrita como fonte para nortear as suas hipóteses, estabelecendo uma particular e sensível conexão para enunciar que “moda é comunicação”.

O livro provoca uma série de reflexões no leitor, enquanto historia a moda na Bahia, através de um extenso levantamento, que teve como referência os jornais A Tarde e Tribuna da Bahia, entre as décadas de 1970 e 1990 – fase em que o mundo apresenta-se economicamente como um modelo puro da sociedade de consumo de massa e o desenvolvimento tecnológico consolidou o Prêt-à-Porter, confirmando o processo da democratização da moda do vestuário.

Em paralelo, a obra desmistifica a ideia de que “não existe jornalismo de moda na Bahia”, ao comprovar que, a moda está presente no jornalismo baiano, desde 1913, quando o Jornal A Tarde dedicou a este tema um espaço, em uma das suas quatro páginas.

Inclusive, através dos diversos textos jornalísticos arrolados, alguns transcritos nesta obra, é possível observar, durante o século XX, uma transformação na formatação das suas estruturas literárias e, curiosamente, constata-se que muitos informaram ao leitor além das tendências das estações que se seguiriam: comentavam sobre a importância da “aparência”, questionando sobre as “estruturas de pensamento vigentes na sociedade”.

Trata Renata, ainda, do surgimento da moda enquanto sistema e constata que a instalação desta dinâmica “só se efetiva porque os meios de comunicação se apropriam dos elementos característicos da moda e passam a reverenciar valores como sedução, novidade, renovação, prazer imediato, etc.” 

Além de oferecer uma leitura agradável, o livro traz uma grande contribuição no momento em que a autora faz análises interpretativas dos textos jornalísticos, confrontando-os às teorias inicialmente citadas, e abre espaços para novas discussões de “questões relativas, não só ao jornalismo de moda na Bahia, mas também à própria Moda, enquanto fenômeno cultural autônomo.”

Uma das poucas edições baianas que aborda questões outras no viés da moda, o livro A Sagração da Aparência: o jornalismo de moda na Bahia, além de uma referência para os pesquisadores das áreas de moda e de comunicação, é recomendado para todos aqueles que tenham interesse em uma boa leitura.

 

Márcia Couto Mello

Doutora em Arquitetura e Urbanismo (UFBA), professora e coordenadora do Curso de Especialização em Moda, Artes e Contemporaneidades (Universidade Salvador / UNIFACS).

 

Exposição no Museu de Arte Contemporânea Raimundo de Oliveira

No dia 29 de setembro, quinta-feira, às 20h, o Museu de Arte Contemporânea Raimundo de Oliveira promove a abertura da Exposição “Somos todos heroicos” com trabalhos de 20 artistas visuais do Recôncavo.

Os trabalhos foram realizados com a utilização de diversas técnicas: fotografia, desenho, pintura, escultura e gravura, compondo um painel representativo da arte que está sendo produzida nas cidades de Cachoeira, Muritiba e São Félix.

A mostra fica em pauta até 30 de outubro de 2011.

 

 

 

 

 

Múltiplos Olhares Femininos na 5ª Primavera dos Museus

Com a exposição “Mulheres  em diferentes caminhos: arte, ciência e cotidiano, presentes nos museus da Uefs”,  aberta na manhã de segunda-feira (19), teve início uma programação conjunta dos  três museus da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs). As atividades fazem parte do projeto dos museus da Uefs para a 5ª Primavera dos Museus, promovida pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) e inclui ainda palestras, ações educativas e oficina de pintura.

Na exposição e nas palestras, cada museu, de acordo com o tema, homenageia mulheres cujos trabalhos fazem parte de seu acervo: O Museu Regional destaca a arte de Nanja, artista feirense que pinta máscaras humanas e depois fotografa; o Observatório Antares, apresenta a contribuição da física e química Marie Curie, pioneira na descoberta do Raio X e primeira mulher a ganhar dois prêmios Nobels, e da astrônoma Henrieta Leavitti, que descobriu a distância entre as estrelas. O museu Casa do Sertão evidencia a arte cotidiana de duas artesãs feirenses, Cripina dos Santos, com sua arte de barro e  Marilene Brito com suas bonecas terapêuticas.

 

Joseane Macedo, museóloga da Casa do Sertão, explica que esta quinta edição da Primavera de Museus traz como tema “Mulheres, Museus e Memórias”, destacando a atuação do Ibram na área museal e a preocupação do instituto com temas atuais. “Este
evento é uma forma de integração dos três museus da Uefs, apresentando-os para a comunidade como um espaço de aprendizado, conhecimento e difusão da cultura regional”, acrescenta Macedo.

Para Cristiano Cardoso, museólogo do Museu Regional, o evento amplia o debate sobre temas que não estão circunscritos apenas ao acervo, mas também a toda comunidade. Lise Marcelino Souza, responsável pelo Museu do Observatório Antares, destaca o trabalho conjunto, integrado, dos três museus da Uefs, criando uma rede de colaboração, além de inserir esses museus nas ações realizadas pelo Ibram.

 

O evento prossegue até quinta-feira, 22, com palestras pela manhã e ações educativas à tarde, no auditório 3 , Módulo 4. A exposição segue até sexta-feira, 23, no Hall da Reitoria. Confirma a programação completa no portal UEFS

 Ascom/ Uefs

 

Arte e Cultura durante 15 horas seguidas

  Aberto do Cuca

 Evento que marca o 16º aniversário do Centro Universitário de Cultura e Arte, o Aberto do Cuca, este ano, está recheado de novidades. O Aberto acontece na próxima sexta-feira (16), oferecendo ao público 15 horas de arte e cultura.  A partir das 8h, na Praça da Matriz haverá o “Aberto de Repente”, com a dupla de repentistas Caboquinho e João Ramos, que se apresentam no Coreto. Logo depois, um grupo de palhaços de Cia Cuca de Teatro, acompanhado de fanfarra faz o percurso até entrada do Cuca, convidando o público para participar das atividades.

Este ano a grande novidade fica por conta do aproveitamento como palco de apresentações, da escadaria que dá acesso ao Museu Regional de Arte, dando maior visibilidade ao evento. No espaço, já denominado “Escadaria da Arte”, haverá execução de peças musicais ao piano, duo de violão e sax, dança tribal, apresentação do grupo Zé das Congas  e do Coral Scherzo.

No Teatro de Arena, durante manhã e tarde, se apresentam os mais diferentes grupos,  como o Quinteto de Violão e Sax,  Dança do Ventre,  grupo Os Nó Cego e integrantes das Academias  Prelúdio e Alegro, além de Filarmônica.

O evento também conta com exposições de artes plásticas e oficinas de teatro, pintura e dança, para aqueles que desejam não só apreciar, mas também participar das atividades. Esse é justamente o objetivo do Aberto, atrair o grande público para o Cuca, oferecendo arte e cultura gratuitamente, durante todo o dia.

O duo de violões, com os irmãos Horácio e Leonardo Barros Reis  encerram as atividades do Aberto, em apresentação no Teatro Universitário, a partir das 21h.   O duo oferece ao público um repertório variado, com arranjos e interpretações que irão empolgar os apreciadores da música instrumental.

Concertistas, compositores e arranjadores, os irmãos Barros Reis fizeram vários recitais e participaram de seminários com renomados violonistas como Henrique Pinto, Thomas Patterson, Sérgio Abreu e Marco Pereira.

Assessoria Cuca/Uefs

4ª Feira do Livro de Feira de Santana

 

 

A consolidação de uma política pública de fomento e valorização da leitura será uma das vertentes da 4ª Feira do Livro. O evento, promovido em parceria entre entidades de Feira de Santana e de Salvador, será realizado no período de 16 a 21 de agosto, na Praça do Fórum de Feira de Santana e terá como tema Memórias e Esquecimentos: Leitur@s.

A Feira tem como objetivo geral mobilizar a comunidade feirense e da região para a importância da leitura como elemento facilitador da compreensão do mundo e da participação de cada ser na construção coletiva da cidadania. Espera-se contribuir para articulação entre os diversos conhecimentos produzidos sobre leitura e formação do leitor.

Nascida do desejo de educadores em despertar os dirigentes de instâncias públicas, privadas e filantrópicas para a importância de implementar políticas públicas do livro e da leitura na sociedade, a Feira do Livro tem possibilitado o acesso de pessoas excluídas do universo da leitura e de atividades culturais.

O sonho de executar o evento se tornou realidade em 2008, graças à união de esforços da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), Arquidiocese de Feira de Santana, Secretaria da Educação do Estado (Direc-02), Secretaria Municipal de Educação, Serviço Social do Comércio de Feira de Santana (Sesc), Serviço Social da Indústria de Feira de Santana (Sesi), Serviço Social do Transporte / Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (Sest/- Senat) e Fundação Pedro Calmon.

Além da exposição e venda de livros, a Feira terá vasta programação que envolve lançamento de livros, contação de histórias e de causos, conversa com o escritor, mesas redondas e palestras, seminário, recitais, oficinas, teatro, música, exibição de filmes, biblioteca móvel e planetário (com participação do Observatório Antares).

A programação completa pode ser acessada no site. Outras informações pelo e-mail   e pelos telefones (75) 3161-8154 ou 3161-8254 e da Pró-Reitoria de Extensão da Uefs.

Ascom/Uefs

Cuca inscreve para Caminhada do Folclore até 5 de agosto

 

 

A Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), por meio do Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca) realizará em 21 de agosto, a XII Caminhada do Folclore, com o propósito de preservar, valorizar e divulgar as manifestações culturais do povo nordestino. Um grande desfile de grupos folclóricos mostra diferentes aspectos dos traços culturais de Feira de Santana e de outros municípios da Bahia.

As inscrições continuam abertas até o dia 5 de agosto, no Cuca, no horário comercial. Até agora estão inscritos grupos de Feira de Santana, e de outras cidades baianas, que vão apresentar puxada de rede, quadrilha, capoeira regional e de angola, literatura de cordel, bumba meu boi, samba de roda, afoxé, reisado, samba, caretas, entre outras manifestações.

Inserida no Guia de Bens Culturais do Brasil, a Caminhada do Folclore, único evento com esse perfil em toda a Bahia, vem  desencadeando um movimento de resgate e revitalização dos grupos locais, evitando a sua extinção. Marca também o encerramento das comemorações da Semana do Folclore. Já em 12ª edição, a Caminhada se firmou como evento de grande porte, reunindo durante o desfile, os grupos participantes, além de milhares de pessoas que se deslocam dos mais diferentes lugares para prestigiar o cortejo.

Celismara Gomes, diretora do Cuca, observa que ao longo desses 11 anos, “a caminhada vem passando por um processo de revitalização, trazendo para as ruas os grupos realmente comprometidos com a cultura de raiz”. A partir desse enfoque, o evento tem apresentado várias mudanças, alcançando repercussão fora dos limites de Feira de Santana.

A Caminhada conta com o apoio da TV Subaé, SESC e Prefeitura Municipal, através das diversas secretarias.

Assessoria Cuca/Uefs

Exposições no Cuca marcam o aniversário de Feira de Santana

 

Exposições no Cuca marcam o aniversário da cidade

Na semana festiva em comemoração ao aniversário da cidade, a Galeria de Arte Carlo Barbosa e o Museu Regional de Arte da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) brindam o público com as exposições “Sant’Anas de Osmundo”, do artista plástico Osmundo Teixeira e a coletiva “Sant’Ana – Imagens seculares e uma história com novos olhares”.

Com a curadoria da Galeria Prova do Artista, as duas mostras estão programadas para esta quinta-feira (7), às 19h, e permanecem em cartaz até 18 de agosto. A exposição de Osmundo, na Galeria Carlo Barbosa, no Cuca, apresenta 10 esculturas em tamanhos diversos, inspiradas na iconografia de Santana, abrangendo a vida da familiar da santa, como também a de Nossa Senhora e São Joaquim.

Já a exposição “Sant’Ana”, apoiada pela Paróquia do Santíssimo Sacramento Arquidiocese de São Salvador da Bahia, reúne no Museu Regional de Arte, cerca de 30 obras de artistas baianos contemporâneos, que através de diferentes linguagens buscaram novos
diálogos.

“Apoiar iniciativas que visam a recuperação da memória histórica e artística baiana, é um dever de toda instituição que valoriza a cultura”, afirma o artista plástico Cesar Romero. Por isso mesmo, acrescenta, “o Museu Regional de Arte e a galeria Carlo Barbosa abrem as portas para que o público tenha a oportunidade de apreciar as obras ali expostas”.

Participam da coletiva os artistas baianos Luiz Humberto de Carvalho, Washington Falcão, Juraci Dórea, Dom Gregório Paixão, Gil Mário, Eliana Kertz, Sergio Rabinovitz, Cesar Romero, Guache Marques, Lucia Biondi, Maria Adair, e muitos outros.

Socorro Pitombo / Assessoria Cuca/Uefs

Vem aí o Bando Anunciador da Festa de Santana

 

Vem aí o Bando Anunciador da Festa de Santana, padroeira da cidade. O evento que será realizado pelo Cuca pelo quinto ano consecutivo, está agendado para o dia 3 de julho, domingo, uma semana antes da data inicialmente prevista. Os interessados em participar do cortejo já podem começar a se organizar, providenciando a confecção das fantasias e adereços. A direção do Cuca espera contar com a participação dos grupos de bairros como Olhos D’Água, Queimadinha, Tomba e outros, que tradicionalmente participam do evento.

O desfile reúne mascarados, baianas com suas indumentárias típicas, cabeçorras, bloco dos sujos e um grande número de populares que percorrem as ruas centrais da cidade, ao som de zabumba e do espocar de foguetes e fogos de artifício, tendo como característica maior a irreverência, além de muita alegria e animação.

Antecedendo o Bando, o Cuca realiza, em 30 de junho, mesa redonda, reunindo jornalistas e pessoas da comunidade para falar de suas experiências e as características originais do festejo, além da escolha da rainha do Bando e exposição de fotografias. Essa é também a oportunidade de discutir sobre questões que envolvem a cidade, seus valores e identidade cultural.

Socorro Pitombo – Assessoria Cuca/Uefs