Quando a boca cala, o corpo fala…

 

E muitas vezes :

O resfriado pega quando o corpo não chora.
A dor de garganta aumenta quando não é possível comunicar as aflições.
O estômago arde quando as raivas não conseguem sair.
O diabetes se instala  quando a solidão dói.
O corpo engorda quando a insatisfação aperta.
A dor de cabeça enlouquece quando as dúvidas  aumentam.
O coração desiste quando o sentido da vida parece terminar.
A alergia aparece quando o perfeccionismo fica intolerável.
As unhas quebram quando as defesas ficam ameaçadas.
O peito aperta quando o orgulho escraviza.
A pressão sobe quando o medo aprisiona.
As neuroses paralisam quando a “criança interna” tiraniza.
A febre esquenta quando as defesas detonam as fronteiras da imunidade.
                              

Mas, cuidado! Escolha o que falar, com quem, onde, quando e como!
Crianças é que contam tudo, para todos, a qualquer hora, de qualquer forma. Passar relatório é ingenuidade.
Escolha alguém com quem possa organizar as idéias, harmonizar as sensações e recuperar a alegria.
Todos precisam de um ouvinte interessado.
E lembre, depende principalmente do nosso esforço pessoal fazer acontecer as mudanças na vida.

(Autoria desconhecida)

Colaboração enviada por  Pitta; muito obrigada, amigo!

 

O Pasquim disponibilizado para consulta no Museu Casa do Sertão

 

O Museu Casa do Sertão da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) disponibilizou para consulta pública a coleção do jornal O Pasquim. As edições foram doadas pelo professor e funcionário da Uefs, Elias Domingues Neves, e pelo escritor, cordelista e professor aposentado Franklin Maxado, com números que compreendem 26 de junho de 1969 a 11 de novembro de 1991 – período em que foi editado.

O Pasquim marcou época ao ser reconhecido pelo papel de oposição ao regime militar. Em plena ditadura, foi um instrumento de combate à censura, utilizando o humor como tônica de seus textos.

No início, o jornal possuía um perfil mais comportamental, abordando assuntos como sexo, drogas, feminismo e divórcio. À medida que a repressão aumentava, se tornou mais politizado, passando a ser porta-voz da indignação social brasileira.

O periódico era semanal e tinha como colaboradores jovens intelectuais da zona sul carioca, entre eles, Paulo Francis,  Tarso de Castro, Jaguar, Ziraldo, Millôr Fernandes, Henfil, Ivan Lessa, Ferreira Gullar, Sergio Cabral e Flávio Rangel.

De uma tiragem inicial de 20 mil exemplares, chegou a superar a marca de mais de 200 mil em meados dos anos 1970, se tornando um dos maiores fenômenos do mercado editorial brasileiro.

Para informações sobre o Museu Casa do Sertão, através do telefone (75)3224-8099.

Vivian Leite – Ascom/Uefs

 

Aberto do Cuca proporciona 15 horas de diversão e arte

 

 Muita diversão, arte e cultura. Foi assim que a Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), através do Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca), realizou o Aberto do Cuca deste ano. A Cia Cuca de Teatro, juntamente com pessoas da comunidade, realizou um cortejo teatral, que saiu da praça da Matriz em direção ao Cuca.  Cantando músicas e fazendo brincadeiras, os integrantes vestidos de palhaço, convidavam as pessoas para participar do Aberto com 15 horas de atividades, das 8 às 23 horas.

“A iniciativa deu certo,” afirma Jacy Queiroz, que coordena as oficinas teatrais. Segundo ela, esta foi a maneira mais alegre e divertida de conclamar público para o evento, que marca os 15 anos do Cuca. “A atividade atraiu grande número de pessoas, que acompanharam o cortejo até o  seu destino final”,comemorou.

Com uma intervenção urbana, o Grupo Gema, coordenado pela artista plástica Maristela Ribeiro, inaugurou a Alameda Georgina Erismann, em homenagem à musicista e poeta feirense e ao aniversário da cidade. Trata-se de uma rua imaginária que começa na porta de entrada do Cuca e se estende até a sinaleira, no encontro entre a Rua Conselheiro Franco e a praça da Bandeira. O artista plástico Juracy Dórea descerrou a placa inaugural, ao som do Hino à Feira executado por professores do Seminário de Música e integrantes do Coral da Uefs.

O grupo Gema é formado por artistas, estudantes e pesquisadores, com a proposta de refletir, através da arte, sobre as convergências artísticas na cidade e na vida contemporânea, de modo investigativo e experimental, explica Maristela Ribeiro.

O Aberto 2010 conta com uma vasta programação, incluindo música, dança, teatro, artes visuais, cultura popular, literatura e ciência. As atividades acontecem simultaneamente no Cuca, CDL e praça  da Matriz.

No Museu Regional de Arte, a exposição de esculturas reúne os artistas Jorge Galeano, Jaquisson Batista, Pithon, Sonia Pedreira, Juraci Dórea, Ronaldo Lima e Nailson Chaves, que mostra esculturas em ferro. Um trabalho interessante e, como define Chaves, inspirado a partir da exposição de pintura “Brinquedos Semânticos”, explorando signos nacionais.

Destaque para a oficina de lutheria (construção de violões), com o professor Gilberto Guimarães. Ele fez explanação sobre o instrumento, mostrando as partes que o compõem e a evolução da engenharia de construção. Gilberto vive na cidade de Teixeira de Freitas, no extremo sul da Bahia e é considerado um dos 50 profissionais dessa área no mundo inteiro, pelo GFA (Guitar Fundation of America).

O luthier  desenvolveu a sua própria técnica de construção e, por isso mesmo, é considerado um pesquisador. Ele conta que desde criança trabalhou em serraria, pois o pai era marceneiro e acabou se apaixonando por violino. “No  começo me dediquei à construção desse instrumento, utilizando madeiras européias. Depois, passei a me interessar também por violão, utilizando 80% de madeira brasileira, como o jacarandá”. O seu trabalho é direcionado para guitarras clássicas.

Socorro Pitombo – Assessoria Cuca/Uefs.

O Brasil no Le Monde

 

Cartas de Paris

                                                                   Carolina Nogueira

Quem visita Paris esta semana vai certamente se surpreender ao esbarrar com a bandeira brasileira literalmente a cada esquina.

O jornal Le Monde está fazendo a maior propaganda do seu número especial sobre o Brasil – que estampa o lisonjeiro título de “o gigante se impõe”.

Mas desde a capa depreende-se que a revista vai além dos clichês óbvios. Ao lado do Corcovado, carnaval e futebol, a ilustração inspirada na bandeira brasileira faz referências à indústria aeronáutica, petróleo, energia nuclear, bio-combustíveis, jogos olímpicos. (Só não entendi muito bem a referência ao trigo ao invés da soja, mas tudo bem.)

Ao invés de uma entrevista com o presidente Lula como carro-chefe – o que o jornal provavelmente conseguiria, se quisesse – a publicação escolheu retratá-lo por meio de um abecedário com uma seleção de frases colhidas de seus discursos.

Algo inspirado no livro do Ali Kamel, desconfio. Editada com uma bela foto do presidente posando de estadista, o abecedário revela uma opção editorial honesta em relação à figura de Lula – sem oba-oba nem desdém.

Em seguida, a seção entitulada “25 anos de democracia” me surpreendeu, ao propor um enfoque que eu sinceramente não me lembro de ter visto na própria imprensa brasileira. Nós fizemos este balanço?

Este que o Monde propõe começa colocando em perspectiva o indiscutível papel de liderança do Brasil no mundo (“quem pode imaginar, hoje, resolver os problemas do mundo sem o Brasil?”, pergunta Sarkozy), temperado pelas “derrapadas” diplomáticas dos discursos de Lula.

Em seguida, ressalta a parceria militar estratégica com a França e avalia as ambições nucleares “preocupantes” do país. E adiciona um balanço melancólico das alianças regionais latino-americanas.

No balanço político, além dos perfis dos presidenciáveis e de alguns artigos mais ou menos bobos sobre a biografia de Lula e o passado da ditadura militar, uma entrevista com o ex-embaixador francês no Brasil, Alain Rouquié, revela um conhecimento de causa surpreendente – e uma falta de condescendência tipicamente francesa que, longe de ofender, oferece valioso material para nossa auto-análise.

A frase que serve de título para a entrevista, “os deputados brasileiros são eleitos na base do serviço prestado”, resume a ópera: clientelismo e um arcabouço legal engessado, que não ajuda as coisas a mudarem.

Sobre economia, a revista analisa os riscos de um “superaquecimento”. Nos artigos de sociedade, o fenômeno dos evangélicos divide espaço com uma análise madura – e nada sensacionalista – das nossas preocupações com uma violência endêmica.

Aos já cansados álbuns de paisagens, o portfolio escolhido para a revista mostra o cotidiano de um grupo que trabalha em uma favela. E na rubrica sociedade, telenovelas e futebol, que é abordado em seu potencial de ascenção social.

Seguindo a tradição francesa de uma imprensa que não se furta e flertar com a sociologia, a revista coloca a questão do que restou das raízes africanas de nosso povo e dedica algumas páginas às mais importantes regiões brasileiras. Há espaço até para a nova literatura brasileira, retratada em Milton Hatoum– ainda tão pouco conhecido no Brasil.

Para terminar, a alegria de viver brasileira – sem dúvida alguma, a parte do nosso país que o francês mais admira – em uma matéria que foge do óbvio, revelando nossa inventividade na arte.

Pelo nosso tamanho continental e por todas as contradições com as quais nos acostumamos a conviver, eu acho dificílimo definir o Brasil. Mas, sinceramente, o Monde não fez feio, não. Pas mal du tout.

 

PS: Esta coluna foi fortemente encorajada pela Gisele, das Cartas de Buenos Aires, que está de passeio por aqui. Obrigada pela “pauta”!

*Carolina Nogueira é jornalista e mora há dois anos em Paris, de onde mantém o blog Le Croissant

Fonte: Blog do Noblat

Aberto 2010 marca as comemorações dos 15 anos do Cuca

 

Quinze  horas seguidas de arte e cultura. Esta é a proposta do Aberto 2010,  que será realizado no dia 17 deste mês. O evento marca as comemorações dos 15 anos do Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca), órgão responsável pela execução da política cultural da Universidade Estadual de Feira e Santana (Uefs).

O objetivo é trazer o grande público para o Cuca durante todo o dia para participar, gratuitamente, das mais variadas manifestações artísticas. Serão oferecidas atividades nas diferentes modalidades, como pintura, escultura música, dança, performance, teatro, literatura, literatura de cordel, vídeo, documentários, filmes, fotografia, artesanato, cultura popular e outras.

Selma Oliveira, diretora do Cuca, ressalta que a proposta é abrir o espaço para as pessoas que trabalham com arte e cultura nas mais diferentes linguagens, além de sinalizar para a comunidade que o Cuca/Uefs é totalmente aberto para todas as manifestações de cunho artístico e cultural

O evento será aberto oficialmente às 8h, com a intervenção  cortejo teatral, que sairá do Coreto da Matriz em direção ao Cuca. Conta com a participação especial da Cia Cuca de Teatro, Núcleo de Dramaturgia Corporal, alunos das oficinas de teatro e artistas feirenses. A coordenação é de Jacy Queiroz, Geovane Mascarenhas e Elizete Destéffani.

Mas o Aberto 2010 vai mostrar muito mais, a exemplo do workshop de Lutheria (construção de violões) e laboratório de construção, com o professor Gilberto Guimarães. Exposição de Esculturas, com a participação dos artistas Pithon, Jorge Galeano, Nailson Chaves, Sonia Pedreira, Ronaldo Lima, Jaquisson Batista, Almandrade e Juraci Dórea.

O show “Minha Vida Minha Música”, com a participação da cantora feirense Dilma Ferreira, encerra o evento às 23 horas.

Ferreira Gullar faz 80 anos

 

            Traduzir-se 

                    Uma parte de mim
                    é todo mundo:
                    outra parte é ninguém:
                    fundo sem fundo. 

                    Uma parte de mim
                    é multidão:
                    outra parte estranheza
                    e solidão. 

                    Uma parte de mim
                    pesa, pondera:
                    outra parte
                    delira. 

                    Uma parte de mim
                    almoça e janta:
                    outra parte
                    se espanta. 

                    Uma parte de mim
                    é permanente:
                    outra parte
                    se sabe de repente. 

                    Uma parte de mim
                    é só vertigem:
                    outra parte,
                    linguagem. 

                    Traduzir uma parte
                    na outra parte
                    – que é uma questão
                       de vida ou morte -
                       será  arte?                                                                 

 

Poema obsceno 

Façam a festa
          cantem e dancem
que eu faço o poema duro
                                  o poema-murro
                                  sujo
                                  como a miséria brasileira 

       Não se detenham:
       façam a festa
                             Bethânia Martinho
                             Clementina
       Estação Primeira de Mangueira Salgueiro
       gente de Vila Isabel e Madureira
                                                           todos
                                                           façam
                     a nossa festa
enquanto eu soco este pilão
                            este surdo
                                  poema
que não toca no rádio
que o povo não cantará
(mas que nasce dele)
Não se prestará a análises estruturalistas
Não entrará nas antologias oficiais
                      Obsceno
como o salário de um trabalhador aposentado
                      o poema
terá o destino dos que habitam o lado escuro do país
                      – e espreitam.

                        In Na vertigem do dia (1975 – 1980)

 

Subversiva 

A poesia
quando chega
                       não respeita nada.
Nem pai nem mãe.
                               Quando ela chega
de qualquer de seus abismos
desconhece o Estado e a Sociedade Civil
infringe o Código de Águas
                                             relincha
como puta          
          nova
          em frente ao Palácio da Alvorada. 

E só depois
reconsidera: beija
                     nos olhos os que ganham mal
                     embala no colo
                     os que têm sede de felicidade
                     e de justiça 

E promete incendiar o país

                              In Na vertigem do dia (1975-1980)

 

Poema obsceno

Façam a festa
          cantem e dancem
que eu faço o poema duro
                                  o poema-murro
                                  sujo
                                  como a miséria brasileira 

       Não se detenham:
       façam a festa
                             Bethânia Martinho
                             Clementina
       Estação Primeira de Mangueira Salgueiro
       gente de Vila Isabel e Madureira
                                                           todos
                                                           façam
                     a nossa festa
enquanto eu soco este pilão
                            este surdo
                                  poema
que não toca no rádio
que o povo não cantará
(mas que nasce dele)
Não se prestará a análises estruturalistas
Não entrará nas antologias oficiais
                      Obsceno
como o salário de um trabalhador aposentado
                      o poema
terá o destino dos que habitam o lado escuro do país
                      – e espreitam.

                                   Na vertigem do dia (

 

Barulhos (1980-1987)

Todo poema é feito de ar
apenas:
            a mão do poeta
            não rasga a madeira
            não fere
                         o metal
                         a pedra
            não tinge de azul
            os dedos
            quando escreve manhã
            ou brisa
            ou blusa
                         de mulher. 

O poema
é sem matéria palpável
           tudo
           o que há nele
           é barulho
                      quando rumoreja
                       ao sopro da leitura.

 

Um instante

Aqui me tenho
como não me conheço
          nem me quis

sem começo
nem fim

          aqui me tenho
          sem mim

nada lembro
nem sei

à luz presente
sou apenas um bicho
           transparente

 

Poema brasileiro

No Piauí de cada 100 crianças que nascem
78 morrem antes de completar 8 anos de idade 

No Piauí
de cada 100 crianças que nascem
78 morrem antes de completar 8 anos de idade 

No Piauí
de cada 100 crianças
que nascem
78 morrem
antes
de completar
8 anos de idade 

antes de completar 8 anos de idade
antes de completar 8 anos de idade
antes de completar 8 anos de idade

                                          Ferreira Gullar

               In Dentro da noite veloz 1962-1975

Obra de Antônio Torres é tema de seminário na Uefs

 

Começa nesta quarta e prossegue até quinta-feira (9) o Seminário “Narrativas e Viagens do Junco ao mundo: 70 anos de Antonio Torres” promovido pelo Programa de Pós-graduação em Literatura e Diversidade Cultural (PpgLDC) da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs). As atividades serão abertas às 8h30, no auditório 1, módulo 1º do campus, com Homenagem a Antônio Torres. Haverá apresentação do Grupo de Câmera do Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca).

Às 9 horas será realizada a mesa redonda A Trajetória do Escritor – Diálogo com Antônio Torres, coordenada pelo professor Aleilton Fonseca com a participação dos professores Maria Lenilda Carneiro David e Carlos Mascarenhas. 

Antônio Torres é um romancista baiano com obras de características regionalistas, cujos principais temas são o desarraigamento do homem e o retorno ao lugar de origem. Autor de vários livros, entre eles ‘Um Cão Uivando para a Lua’, publicado em 1972, e ‘Meu Querido Canibal’, em 2000, Antonio Torres relata as condições subumanas em que vive uma parte da população brasileira, o êxodo dos retirantes para a grande cidade, o conflito entre valores urbanos e rurais, as tensões entre o arcaico e o moderno e, sobretudo, os impasses do mundo contemporâneo.

O objetivo do Seminário é criar um espaço para estudantes e professores da pós-graduação em Literatura e graduandos em Letras da Uefs, apresentarem suas pesquisas, concluídas ou em andamento sobre diversos aspectos da obra de Antônio Torres.

Marly Caldas – Ascom/Uefs 

As atividades são abertas também à comunidade. Confira a programação no portal da UEFS.

Promessas de políticos

 

ANTES DA POSSE

Nosso partido cumpre o que promete,

Só os tolos e idiotas podem crer que

não lutaremos contra a corrupção.

Porque, se há algo certo para nós, é que

a honestidade e a transparência são fundamentais

para alcançar nossos ideais.

Mostraremos que é grande estupidez crer que

as máfias continuarão no governo, como sempre.

Asseguramos sem dúvida que

a justiça social será alvo de nossa ação.

Apesar disso, há idiotas que imaginam que

se possa governar com as manchas da velha política.

Quando assumirmos o poder, faremos tudo para que

se termine com os marajás e as negociatas.

Não permitiremos de nenhum modo que

nossas crianças morram de fome.

Cumpriremos nossos propósitos mesmo que

os recursos econômicos do país se esgotem.

Exerceremos o poder até que

Compreendam que

Somos a nova política.

 APÓS A POSSE (LEIA DE BAIXO PARA CIMA).

Colaboração enviada por Alana. Muito obrigada, amiga!