Homenagem a Dorival Caymmi

 

Dorival Caymmi, nascido em Salvador em 30 de abril de 1914, completaria hoje, dia 30 de abril, 97 anos de idade. Sua morte aconteceu em 16-08-2008.Caymmi que embarcou para o Rio de Janeiro nos anos 30, onde deveria trabalhar como jornalista e ilustrador, pegou um « Ita » (o navio Itapé) chegando à então capital do Brasil em 1938. Nessa época publicou  alguns desenhos na revista « O Cruzeiro » e apresentou-se na Rádio Transmissora. Seus primeiros sucessos, ao lado de Carmem Miranda, foram as canções A Preta do Acarajé e O Que é que a Baiana Tem…

Mas Caymmi consagrou-se no cenário musical nacional cantando canções sobre a Bahia, seus bairros, a vida simples do povo, principalmente dos pescadores. Sua obra está impregnada de temas populares, ainda vivos na memória do povo. O certo é que apesar de vários dos seus sucessos musicais terem sido lançados numa fase ufanista da música brtasileira, Caymmi continuou compondo e cantando canções com temas baianos que têm, inclusive,  um valor documental, o que  consolida a sua reputação como o mais importante compositor e cantor baiano no período e criador de um estilo singular.

Em 60 anos de carreira, Dorival Caymmi gravou cerca de 20 discos, mas o número de versões de suas músicas feitas por outros intérpretes é praticamente incalculável. Sua obra, considerada pequena em quantidade, compensa essa falsa impressão com a inigualável qualidade de algumas obras-primas. Entre as canções de grande sucesso pode-se citar: A preta do acarajé, O que é que a baiana tem, A Lenda do Abaeté, Promessa de Pescador, É Doce Morrer no Mar, Marina, Não Tem Solução, João Valentão, Maracangalha, Saudade de Itapoã, Doralice, Samba da Minha Terra, Lá Vem a Baiana, Sábado em Copacabana, Nem Eu, Nunca Mais, Saudades da Bahia, Oração pra Mãe Menininha, “Rosa Morena”, “Eu Não Tenho Onde Morar”, “Promessa de Pescador”, “Das Rosas, Saudades da Bahia, Cantiga pra Gabriela,Vou ver Juliana, etc. Em 1994, a Editora Lumiar lançou o songbook com suas obras, acompanhado por três CDs.

Aqui fica a minha homenagem ao inesquecível cantor da Bahia.

Uma crônica de Hilda Hilst

A crônica que publico abaixo foi escrita por Hilda Hilst em 1959, ou seja, há 52 anos. Gosto muito dela e esse gostar tem algumas razões; gosto, em primeiro lugar, pela irreverência que ela aparenta; segundo, porque ela me diverte, como se abrisse um espaço para escapadas nada convencionais. Hilda Hilst, na realidade, em vez de citar explicitamente os anseios, revoltas e desejos que cada um guarda dentro de si, muitas vezes de maneira velada, ela os explicita de forma divertida, como se fossem sonhos de um personagem não muito equilibrado e que usa uma linguagem coloquial bem próxima do que estamos acostumados a ouvir em nosso cotidiano.

Quem não gostaria de fazer (ou receber) o carinho de um cafuné, de sonhar com viagens e coisas que parecem sonhos quase incessíveis a pessoas comuns? Quem não gostaria de sonhar com um Brasil que deu certo, um Brasil solidário e justo?

Melhor ainda, quem não gostaria de sonhar com dias de paz, “asas e barcos”, envolvidos pela “poesia que viceja e grassa como grama”, aconchegados num ninho de poesia e de amor? Diante da impossibilidade, a autora sugere brincar de autista, como aquele que se ausenta do mundo e de tudo que se passa ao seu redor… Para brincar de ilha: só, embora rodeada de gente por todos os lados.

Tô Só


Hilda Hilst

Vamo brincá de ficá bestando e fazê um cafuné no outro e sonhá que a gente enricô e fomos todos morar nos Alpes Suíços e tamo lá só enchendo a cara e só zoiando? Vamo brincá que o Brasil deu certo e que todo mundo tá mijando a céu aberto, num festival de povão e dotô? Vamo brincá que a peste passô, e que tá todo mundo de novo namorando? Vamo brincá de morrê, porque a gente não morre mais e tamo sentindo saudade até de adoecê? E há escola e comida pra todos e há dentes na boca das gentes e dentes a mais, até nos pentes? E que os humanos não comem mais os animais, e há leões lambendo os pés dos bebês e leoas babás? E que a alma é de uma terceira matéria, uma quântica  quimera, e alguém lá no céu descobriu que a gente não vai mais pro beleléu? E que não há mais carros, só asas e barcos, e que a poesia viceja e grassa como grama (como diz o abade), e é porreta ser poeta no Planeta? Vamo brincá e teta de azul
de berimbau de doutora em letras?

E de luar? Que é aquilo de vestir um véu todo irisado e rodar, rodar… Vamo brincá de pinel? Que é isso de ficá loco e cortá a garganta dos otro? Vamo brincá de ninho? E de poesia de amor?

nave
ave
moinho
e tudo mais serei
para que seja leve
meu passo
em vosso caminho.*
Vamo brincá de autista? Que é isso de se fechá no mundão de gente e nunca mais ser cronista? Bom-dia, leitor. Tô brincando de ilha.

Crônica escrita por Hilda Hilst para o “Correio Popular” de Campinas-SP
* Trovas de muito amor para um amado senhor – SP: Anhambi, 1959.

Luís Pimentel para crianças

Cachorro de dois rabos

 

Luís Pimentel

Algumas pessoas riam,

outras até sentiam pena.

Todos prestavam atenção

no cachorro malucão,

que exibia dois  rabos.

Mas ele não fazia cena.

Ao invés de ficar triste,

macambúzio, esquisitão,

foi atrás da solução

para as duas vassourinhas:

uma espantava as moscas,

outra acenava  para as cadelinhas.

 

Samba saravah

 “Samba Saravah” é  a versão francesa do “Samba da Bênção”, de Baden Powell e Vinicius de Moraes. A música faz parte da trilha  sonora do filme “Um Homem, Uma Mulher”, de Claude Lelouch. Na voz de Pierre Barouh, que aparece nesse clip, fez muito sucesso na França. E fez muito sucesso, também no Brasil, onde muitos intérpretes da MPB a gravaram. Neste vídeo  Pierre Barroh canta o “Samba Saravah” com Stacey Kent.

Estou de volta!

Após uma ausência involuntária (9 dias sem telefone e sem internet) devido a problemas com a OI/Velox, péssima prestadora de serviços, finalmente estou de volta! Estou com um novo servidor e espero que funcione a contento.
Peço desculpas e prometo novos posts a partir de amanhã. Muito obrigada pela atenção, um forte  abraço!
LD

Um grande lançamento: Poesia Reunida e Inéditos

A obra Poesia Reunida e Inéditos concretiza uma antiga aspiração dos admiradores de Florisvaldo Mattos: ver reunida, no seu conjunto, sua poesia, dos anos 1950 até os nossos dias. O livro, editado pela Escrituras, de São Paulo, foi  lançado na Livraria Cultura, do Salvador Shopping, ontem,  dia 14.

Como diz Alexei Bueno, no texto das orelhas, o livro representa “meio século de expressão lírica de um grande poeta grapiúna, soteropolitano, baiano brasileiro e universal, um dos poetas com mais requintado senso da terra, da coisa rural, dos mais ligados a seu momento histórico”.

Entre os poetas brasileiros surgidos na década de 1960 – fase extremamente criadora, aqui e no mundo — um dos altos postos pertence a Florisvaldo Mattos. Sua obra poética, dominada por uma dicção fortemente pessoal, é, ao mesmo tempo, de uma abrangência e de uma variedade que desconcertam qualquer crítico.

Um dos polos essenciais da criação de Florisvaldo Mattos, como destaca JC Teixeira Gomes no prefácio do livro, “é o cultivo de um lirismo sempre comedido, trabalhado com extrema propriedade de recursos, sendo certamente o único na sua geração que transita do lírico para o épico com absoluta naturalidade, mestre nos dois caminhos poéticos, consciente do poder que tem sobre as palavras”.

O vasto conjunto lírico que encontramos nesta Poesia reunida e inéditos representa, portanto, um monumento da poesia brasileira de entre a segunda metade do século passado e a primeira década do presente, erguido por um espírito agudamente atento ao tempo e dele liberto, como sempre é, paradoxalmente, o dos grandes poetas.

Sobre o autor

Florisvaldo Moreira de Mattos é natural de Uruçuca, no sul do Estado da Bahia. Fez os estudos primários na cidade natal e os secundários em Itabuna e Ilhéus, completando-os em Salvador, onde se diplomou em Direito pela Universidade Federal da Bahia (1958); mas optou pelo exercício do jornalismo profissional, ocupando cargos em vários jornais, como repórter, chefe de reportagem, redator, editor e editor-chefe. Integrou o grupo nuclear da Geração Mapa, que atuou na Bahia nos anos 1960 sob a liderança do cineasta Glauber Rocha.

Escritor e poeta, atuou nas revistas Ângulos e Mapa, ambas editadas em Salvador. De 1990 a 2003, foi editor do suplemento Cultural, publicado semanalmente pelo jornal A Tarde, premiado em 1995 pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA). Desde 1995, ocupa a Cadeira 31 da Academia de Letras da Bahia. Ex-professor da Faculdade de Comunicação da UFBA, também exerceu, entre 1987-89, a presidência da Fundação Cultural do Estado. Obras publicadas: Reverdor (1965); Fábula Civil (1975); A Caligrafia do Soluço & Poesia Anterior (1996), pelo qual recebeu o Prêmio Ribeiro Couto de Poesia, da União Brasileira de Escritores; Mares Anoitecidos (2000) e Galope Amarelo e Outros Poemas (2001) (todos de poesia); Estação de Prosa & Diversos (coletânea de ensaios, ficção e teatro, 1997); A Comunicação Social na Revolução dos Alfaiates (1998) e Travessia de oásis – A sensualidade na poesia de Sosígenes Costa (2004), ambos de ensaios. Como poeta e ensaísta, publicou textos em jornais e revistas de literatura e ciências humanas, estaduais e nacionais, e tem poemas publicados em antologias do Brasil, Portugal e Espanha (Galícia).

Fonte: plugcultura

 

Manifestações da cultura negra na mostra de Gabriel Ferreira


A Capoeira de Angola e o Candomblé estão presentes nos trabalhos do artista visual Gabriel Ferreira, que poderão ser vistos na Galeria de Arte Carlo Barbosa, no Cuca, a partir das 20h da próxima terça-feira (19). A mostra, com a temática “Brinquedo dos Angolas e Orixás: Aloísio Resende e Bel Pires”, ficará aberta à visitação pública até 15 de maio.

Para colar estas duas manifestações, o artista se debruçou sobre o trabalho de pesquisa historiográfica do mestre de capoeira e professor Bel Pires, o qual entrelaçou com a poesia de Aloísio Resende, poeta feirense que viveu entre 1900 e 1941, aliado à admiração pessoal que tem pelo Candomblé.

“Como o texto poético embala muitas das minhas ilustrações, fascinei-me com a possibilidade de colocar tudo num mesmo prato de barro e despachar numa Galeria”, afirma Gabriel, que seguiu inspirado pela poesia de Aloísio, conhecido como o Poeta dos Candomblés; por Bel Pires em alguns dos seus artigos científicos, “para poder apresentar ao público mais uma das minhas aventuras pictóricas lastreadas em elementos textuais”, completa.

O artista explica que a mostra não é um apanhado geral a respeito da capoeiragem e do candomblé, não se trata de uma reedição acerca dos temas e sim uma abordagem bem particular através de pinturas, com um discurso que versa, tece e aproxima as duas linguagens.

Segundo ele, o Grupo Malungo, sob a coordenação do mestre Bel Pires, é grande incentivador do seu trabalho com a capoeiragem, pois além de emprestar o nome “Brinquedo  dos Angolas”, disponibiliza acervo fotográfico e bibliográfico para subsidiar a sua produção.

Além de artista visual, Gabriel Ferreira também é músico, filho da percussão, como ele próprio se define, com aprendizado e passagem pelas filarmônicas Maria Quitéria e 14 de Agosto. Natural da vizinha cidade de Tanquinho, mas residente em Feira de Santana, o artista participou de mostras individuais e coletivas em salões e bienais no Brasil e exterior.

 

Mulheres homenageadas no Quinta Autoral Caiubi


Uma homenagem às mulheres marcou a primeira edição do ano do Quinta Autoral Caiubi, que aconteceu nesta quinta-feira,  no teatro do Cuca, com entrada franca. A cantora Dilma Ferreira foi uma das atrações, ao lado do grupo Meninas da Feira, com o mesmo show montado no mês passado, adiado por conta de alguns imprevistos.O cantor e compositor Dionorina recepcionou as artistas convidadas. A noite começou com a apresentação do grupo Meninas da Feira, formado pelas cantoras Céliah Zaiin, Josy Ramyller, Kelly Ventura e Carla Janaina.

Na sequência, apresentou-se uma das mais consagradas intérpretes feirenses, Dilma Ferreira. Cantora desde os 14 anos de idade foi destaque em programas de calouros de emissoras de rádio locais. Até chegar ao primeiro lugar como caloura do programa Buzina do Chacrinha, em 1969. Em turnês pelo Brasil, atuou como crooner da Orquestra Los Mariachs.

O Quinta Autoral Caiubi conta com o apoio cultural da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), por meio do Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca), e dos sites Viva Feira e Infocultural. Reúne mensalmente associados e convidados do Clube Caiubi de Compositores, maior rede social do mundo, com produção e apresentação do jornalista Geraldo Lima.

Texto: Geraldo Lima / Assessoria Cuca/Uefs


Cidade Portinho

Educação para o Trânsito no SESC


 

O Serviço Social do Comércio (SESC) em parceria com o Rotary Club Subaé e a seguradora Porto Seguro trazem para Feira de Santana a Cidade Portinho, mini-cidade em que crianças de 5 a 11 anos se divertem aprendendo regras de trânsito e cuidados com o meio ambiente.  

Este espaço lúdico e educativo criado pela Porto Seguro para propagar o bom exemplo no trânsito é formado por uma estrutura inflável, com design diferenciado e elementos comuns às ruas e avenidas “de verdade”. A Cidade Portinho Seguro Auto ficará no SESC Feira de Santana, localizado à Rua Guaratatuba, 345, nos dias 17, 18 e 19 de abril, sendo que no dia 17 de abril, domingo, estará aberto a comunidade que freqüenta o SESC e no dia 18 e 19 de abril para as escolas cadastradas antecipadamente para participar do evento.

Na ocasião, os menores aprendem, na prática, como se portar à direção, utilizando bicicletas num circuito com cruzamentos, semáforos e outros elementos presentes nas ruas e avenidas. No circuito, a garotada recebe “multas” fictícias, quando não cumpre a lei, e incentivos, ao corrigir o erro. Também assistem a um vídeo educativo, que une personagens reais e desenhos animados em cenários coloridos para explicar, didaticamente, as principais regras de trânsito. E para complementar, as crianças ainda aprendem noções sobre educação ambiental através de oficinas com materiais recicláveis.

Desde 2002, a Cidade Portinho Seguro Auto percorre diversas cidades do País e oferece às crianças um contato direto com elementos do trânsito. Em 2010, foram realizados 62 eventos, reunindo mais de 30 mil crianças.

“Além de conscientizar os futuros motoristas de forma bem divertida e agradável, a programação faz com que as crianças incentivem seus pais a respeitarem as leis de trânsito”, afirma Marcelo Sebastião, diretor de Auto da Porto Seguro.

CIDADE  PORTINHO SEGURO AUTO

Onde: SESC Feira de Santana

Endereço: Rua Guaratatuba, 345 – Feira de Santana (BA)

Datas: dias 17(domingo), 18 de abril (segunda-feira) e 19 de abril (terça-feira)

Horário: das 9h às 17h

Idade: de 5 a 11 anos

Duração da programação: aproximadamente 1h

Evento gratuito


Usina nuclear na Bahia

 

O governador Jaques Wagner quer uma usina no Estado; porém…

 

Fonte: Blog de Simanca

A charge de Simanca é antiga, mas continua atualíssima! Você concorda com a construção de uma usina nuclear no Vale do Rio São Francisco?  Eu sou contra! Dê a sua opinião!

 

Osmani Simanca. Santa Clara, Cuba, 1960. Licenciado em artes plásticas no Instituto Superior de Arte em Havana. Seus desenhos têm sido publicados em The Best Political Cartoons of the Year, 2006, 2007, 2008. Cagle Edition, USA. Dentre seus premios destacam-se o The United Nations Correspondents Association, Ranan Lurie Political Cartoon Award for the Year 2004. New York, USA e o Greekartoon. Ministério Helénico de Cultura. Atenas, Grécia. Primeiro  prêmio World Press Cartoon 2009, Sintra, Portugal. Desde 1995 mora no Brasil onde se naturalizou brasileiro. Chargista do Jornal A Tarde.

 

Simplesmente Capinan

 

Balança mas Hai-Kai

José Carlos Capinan

CHAPLIN

Um vagabundo

Tira do bolso imundo

Um mapa-mundi

TEMPO

Tempos kamikases

As bombas de Oklahoma

São karmas de Nagasaki

 

POIESIS

A flor sustenta o caule

Eu não sei como fazer

(Quem sabe se a flor sabe?)

DESEJO

Plenilúnio

Plenamente nua

Cantas aleluias

INTERVALO

Entre nós existiria

O precipício de uma ponte

Ou somente travessia?

RELÂMPAGOS

Aves que não voam

Lá se vão os trovões

Pássaros que soam

In: Poemas – Antologia e inéditos. Fundação Casa de Jorge Amado, Salvador, 1996, p. 109.

Soy loco por ti América – Capinan / Torquato Neto

José Carlos Capinan – Filho de Osmundo Capinan e Judite Bahiana Capinan, nasceu na Fazenda Gavião, município de Esplanada – Bahia. Diplomou-se em pedagogia e medicina. Em 1960, mudou-se para Salvador e estudou teatro no Centro Popular de Cultura, ligado à UNE; conheceu Caetano Veloso e Gilberto Gil, ambos cursando as faculdades de Filosofia e Administração de Empresas, respectivamente.

No ano de 1963, escreveu e estreou a peça “Bumba-meu-boi”, musicada por Tom Zé. Em 1964 transferiu-se para São Paulo e trabalhou como redator publicitário na agência Alcântara Machado. Por essa época, conheceu Geraldo Vandré (que fazia jingles para a agência), além de Gianfrancesco Guarnieri e Augusto Boal (do Teatro de Arena) que o levaram para o meio musical. Logo depois foi apresentado a Edu Lobo.

Participou ativamente dos movimentos culturais da década de 1960: Centro Popular de Cultura (CPC), Feira da Música (Teatro Jovem, ao lado de Paulinho da Viola, Caetano Veloso, Torquato Neto e Gilberto Gil) e Tropicalismo, com Caetano Veloso, Gilberto Gil, Tom Zé, Os Mutantes, Nara Leão, Torquato Neto, Rogério Duarte, Rogério Duprat e Gal Costa.

Em 1965, foi co-autor, com Caetano Veloso e Torquato Neto, da peça “Pois É”, interpretada por Gilberto Gil, Maria Bethânia e Vinicius de Moraes, no teatro Opinião, no Rio de Janeiro. Compôs com Caetano Veloso a trilha sonora do filme “Viramundo”, de Geraldo Sarno, que contou também com a música-título “Viramundo”, esta, composta em parceria com Gilberto Gil.

No ano de 1966, publicou o livro de poemas “Inquisitorial”. Em seguida, voltou a Salvador, onde cursou Medicina, profissão que chegou a exercer por algum tempo.

Na década de 1970, foi co-editor ao lado de Abel Silva da “Revista Anima”. Em 1973, dirigiu e produziu o show de Gal Costa e Jards Macalé, no teatro Oficina, em São Paulo, e o espetáculo “Luiz Gonzaga, o Rei do Baião”, no teatro Teresa Raquel, no Rio de Janeiro.  Em 1976, publicou poemas na antologia “26 poetas hoje”, organizada por Heloísa Buarque de Hollanda. No ano seguinte, lançou pela editora Macunaíma “Ciclo de navegação Bahia e gente”.

Em 1982 formou-se em Medicina, pela UFBA. Dois anos depois, estruturou a TV Educativa da Bahia, criando diversos programas para seu lançamento e em 1985 atuou como diretor da emissora.  Em 1986 foi nomeado Secretário Municipal da Cultura, de Camaçari (BA), passando a integrar o Conselho Nacional de Direito Autoral, do Ministério da Cultura (MinC). De 1987 a 1989, atuou como Secretário da Cultura do Estado da Bahia, e como presidente dos Fóruns Nacional de Secretários da Cultura e Estadual de Cultura. Neste mesmo ano editou três livros: “Inquisitorial” (reedição, o original é de 1967) e “Confissões de Narciso”, pela editora Civilização Brasileira, além de “Balança Mas Hai Kai”, pela editora BDA.

Em 1990, fez o show “Poeta, mostra a tua cara”, tendo como convidados especiais Gilberto Gil, Paulinho da Viola e Geraldo Azevedo, no Jazz Club, no Rio de Janeiro. No ano de 1995, relançou do pela Editora Civilização Brasileira, “Inquisitorial”, seu livro de poemas, contou com ensaio crítico de José Guilherme Merquior, escrito em 1968 e publicado no livro “A astúcia da mímese” em 1969. No ano seguinte, em 1996, publicou “Uma canção de amor às árvores desesperadas”, livro de poemas. Neste mesmo ano apresentou-se no projeto “Fala, poeta”, acompanhado pelo grupo Confraria da Bazófia, em Salvador, Bahia. Publicou também “Signo de Navegação Bahia e Gente” e “Estrela do Norte, Adeus”.