Um poema de Drummond

 

Quadrilha 

João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili

que não amava ninguém.
João foi para os Estados Unidos,
Teresa para o convento,
Raimundo morreu de desastre,
Maria ficou pra tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes
que não tinha entrado na história.

 

Viva São João!

 

O São João chegou. Muita alegria, música, fogos, licores e comidas gostosas: canjica, arroz doce, bolo de milho, puba e aipim (macaxeira). O São João é a minha festa preferida, a mais alegre e a mais colorida do ano. 

Infelizmente, nesse São João, a casa não está cheia. Mesmo assim a tradição será mantida e à noite estarei ao pé da fogueira. Para dar água na boca publico as fotos dos meus pratos juninos preferidos.

São João passou por aqui? Passou!

Amendoins cozidos

Pamonhas de milho verde

Bolo de aipim

Licores de genipapo, maracujá e pitanga; bolo de puba e balinhas de genipapo

Cocadinhas de leite

Bolo de milho

Autoridade e prepotência

 

Um oficial do DEA (Drug Enforcement Administration) vai a uma fazenda no Texas e diz ao dono, um velho fazendeiro:

- Preciso inspecionar sua fazenda por plantação ilegal de maconha!

O fazendeiro diz:  Ok, mas não vá naquele campo ali. E aponta para uma certa área.

O oficial indignado responde: – O senhor sabe que tenho o poder do governo federal comigo?  E  tira do bolso um crachá mostrando ao fazendeiro: – Este crachá me dá a autoridade de ir onde quero… e de entrar em qualquer propriedade. Não preciso pedir ou responder a nenhuma  pergunta. Está claro? Me fiz entender?

O fazendeiro, todo educado, pede desculpas e volta para os seus afazeres. Poucos minutos depois ouve-se uma gritaria medonha e o fazendeiro vê o oficial do  governo federal correndo para salvar sua própria vida, perseguido pelo Santa Gertrudes,  o maior touro da fazenda.

A cada passo o touro chegava mais perto do oficial, que seria chifrado antes de conseguir alcançar um lugar seguro. O homem estava  apavorado. O fazendeiro largou suas ferramentas, correu para a cerca e gritou com todas as forças de seus pulmões:

- Seu Crachá, mostra o seu crachá!

 

Observação: recebi por e-mail

 

Por que Eva comeu a maçã?

 

Não foi assim tão fácil não!!!

No início, Eva não queria comer a fruta.

- Come, boba! – disse a serpente astuta! – e serás como os anjos!

- Não! – respondeu Eva. Virando a cara para o lado!

- Terás o conhecimento do Bem e do Mal – insistiu a víbora.

- Eva cruzou os braços, olhou bem na cara da serpente e respondeu firme: NÃO!

- Serás imortal.

- Não! Já disse!

- Serás como Deus!

- NÃO, e NÃO! Já disse que NÃO!

Irritadíssima, e quase desesperada, a serpente não sabia mais o que fazer para que aquela mulher, de princípios tão rígidos e personalidade tão forte comesse a fruta. Até que teve uma idéia, já que nenhum dos argumentos haviam funcionado…

Ofereceu novamente a fruta e disse com um sorrisinho maroto:

- Come, boba!!! EMAGRECE!!!!

Foi tiro e queda. Ela comeu!!!!

Mais um post que chegou por e-mail, enviado por amigos; desconheço a autoria.

Vem aí o Bando Anunciador da Festa de Santana

 

Vem aí o Bando Anunciador da Festa de Santana, padroeira da cidade. O evento que será realizado pelo Cuca pelo quinto ano consecutivo, está agendado para o dia 3 de julho, domingo, uma semana antes da data inicialmente prevista. Os interessados em participar do cortejo já podem começar a se organizar, providenciando a confecção das fantasias e adereços. A direção do Cuca espera contar com a participação dos grupos de bairros como Olhos D’Água, Queimadinha, Tomba e outros, que tradicionalmente participam do evento.

O desfile reúne mascarados, baianas com suas indumentárias típicas, cabeçorras, bloco dos sujos e um grande número de populares que percorrem as ruas centrais da cidade, ao som de zabumba e do espocar de foguetes e fogos de artifício, tendo como característica maior a irreverência, além de muita alegria e animação.

Antecedendo o Bando, o Cuca realiza, em 30 de junho, mesa redonda, reunindo jornalistas e pessoas da comunidade para falar de suas experiências e as características originais do festejo, além da escolha da rainha do Bando e exposição de fotografias. Essa é também a oportunidade de discutir sobre questões que envolvem a cidade, seus valores e identidade cultural.

Socorro Pitombo – Assessoria Cuca/Uefs

 

 

Eternos namorados

Paz do meu amor

                         Luiz Vieira

Você é isso,

uma beleza imensa

toda recompensa

de um amor sem fim.

Você é isso,

uma nuvem calma

no céu de minh’alma

é ternura em mim.

Você é isso,

estrela matutina,

luz que descortina

um mundo encantador.

Você é isso,

É parto de ternura,

lágrima que é pura,

paz do meu amor!

Recado para Jô Soares: Todos os caminhos levam a Feira de Santana

 

Hoje encontrei  um clip sobre Feira de Santana, que durante algum tempo foi  mostrado pela TV Subaé. A letra da canção é de Carlos Pitta, um feirense apaixonado e um amigo querido: “Todos os caminhos levam a Feira de Santana”.

Mas o melhor é que lembrei de Jô Soares, que sempre implica com o Bira no seu programa; para ele, todas as cidades da Bahia “ficam próximas de Feira de Santana”. Na realidade, Jô, todos os caminhos levam a Feira de Santana!

Tudo que vicia começa com C

 

Ricardo Mallet

Há momentos na vida de um ser humano em que ele se vê sem nada realmente interessante pra fazer.

Assim, sem companhia, computador ou iPod e com celular fora de serviço, numa viagem de ônibus para Cruz Alta, fui obrigado a me divertir com os meus próprios pensamentos. 

Por alguma razão que ainda desconheço, minha mente foi tomada por uma ideia um tanto sinistra: vícios.

Refleti sobre todos os vícios que corrompem a humanidade. Pensei, pensei e, de repente, um insight: tudo que vicia começa com a letra C!

De drogas leves a pesadas, bebidas, comidas ou diversões, percebi que todo vício curiosamente iniciava com cê.

Inicialmente, lembrei do cigarro que causa mais dependência que muita droga pesada. Cigarro vicia e começa com a letra c. Depois, lembrei das drogas pesadas: cocaína, crack e maconha. Vale lembrar que maconha é apenas o apelido da cannabis sativa que também começa com cê.

Entre as bebidas super populares há a cachaça, a cerveja e o café. Os gaúchos até abrem mão do vício matinal do café mas não deixam de tomar seu chimarrão que também – adivinha – começa com a letra c.

Refletindo sobre este padrão, cheguei à resposta da questão que por anos atormentou minha vida: por que a Coca-Cola vicia e a Pepsi não? Tendo fórmulas e sabores praticamente idênticos, deveria haver alguma explicação para este fenômeno. Naquele dia, meu insight finalmente revelara a resposta. É que a Coca tem dois cês no nome enquanto a Pepsi não tem nenhum. Impressionante, hein?

E o chocolate? Este dispensa comentários. Vícios alimentares conhecemos aos montes, principalmente daqueles alimentos carregados com sal e açúcar. Sal é cloreto de sódio. E o açúcar que vicia é aquele extraído da cana.

Algumas músicas também causam dependência. Recentemente, testemunhei a popularização de uma droga musical chamada “créeeeeeu”. Ficou todo o mundo viciadinho, principalmente quando o ritmo atingia a velocidade… cinco.

Nesta altura, você pode estar pensando: sexo vicia e não começa com a letra C. Pois você está redondamente enganado. Sexo não tem esta qualidade porque denota simplesmente a conformação orgânica que permite distinguir o homem da mulher. O que vicia é o “ato sexual”, e este é denominado coito.

Pois é. Coincidências ou não, tudo que vicia começa com cê. Mas atenção: nem tudo que começa com cê vicia. Se fosse assim, estaríamos salvos pois a humanidade seria viciada em Cultura.

Colaboração enviada por Lete. Muito obrigada, amiga!

 

Fonte: Blog do Ricardo Mallet

O governo federal cogita proibir fotografias em parques e unidades de conservação ambiental

 

Do Clube de Fotografia Gerson Bullos para conhecimento de toda a sociedade brasileira

Com tantos problemas a serem resolvidos no Brasil, o governo federal cogita  proibir fotografias em Parques e Unidades de Conservação Ambiental

O Digiforum recebeu solicitação do fotógrafo Luis Claudio Marigo, no sentido de divulgar amplamente ato em que o ICMBio, autarquia vinculada ao Ministério do Meio Ambiente, propõe estabelecer uma instrução normativa que vai restringir drasticamente a possibilidade de se fotografar em Parques e Unidades de Conservação Ambiental da União.

O artigo que ameaça a atividade dos fotógrafos e até a liberdade de imprensa é o seguinte:

Art. 4º – A atividade de captação de imagens associada a matérias jornalísticas sobre ocorrências ou fatos eventuais na região da Unidade de Conservação deverá ser objeto de autorização direta pela chefia da Unidade de Conservação.”

Ou seja, quando estivermos em um Parque Nacional, numa Unidade de Conservação, não poderemos simplesmente sacar nossas câmaras e fotografar. Se virmos um belo pássaro, uma bela paisagem, um desmatamento ou uma queimada, teremos de nos submeter a um procedimento burocrático para acionarmos o obturador e  sabe-se lá quando isso será desembaraçado.

Se não nos mobilizarmos e essa instrução normativa for aprovada, dificilmente teremos a satisfação de apreciarmos ou fazermos fotos como essa acima que o fotógrafo Marigo fez no Parque Nacional do Itatiaia – Agulhas Negras.

Abaixo transcrição do e-mail encaminhado pelo Luis Claudio Marigo ao Digiforum:

“Prezados colegas fotógrafos,

Estamos num momento importantíssimo para resolver o impasse que o ICMBio provocou com a exigência de autorização para fotografar nas unidades de conservação federais e sua tentativa de controlar nossas fotografias. Por favor, leiam essa mensagem com atenção, respondam à consulta pública que o ICMBio está fazendo através de seu site institucional.

Participem!

Divulguem através de suas redes sociais, através de foto-clubes, através do WIKIAVES, através de qualquer meio. Quanto mais fotógrafos participarem e responderem à consulta pública, maiores serão nossas chances de o ICMBio refazer favoravelmente essa instrução normativa.

Escrevi um documento sobre essa questão e a AFNatura ­ Associação de Fotógrafos de Natureza publicou-o em seu website .

Por favor, leiam-no. Ele contém reflexões importantes para se pensar sobre essa questão e responder à consulta pública.

No dia 1º deste mês, o ICMBio ­ Instituto Chico Mendes para a conservação da Biodiversidade, colocou sua minuta da instrução normativa para regulamentar o “uso de imagens de unidades de conservação federais” em consulta pública e essa instrução normativa é uma loucura. Atenta até contra a liberdade de imprensa, o direito autoral, e sei lá mais o que!

 Vejam o artigo que ameaça a liberdade de imprensa:

Art. 4š A atividade de captação de imagens associada a matérias jornalísticas sobre ocorrências ou fatos eventuais na região da Unidade de Conservação deverá ser objeto de autorização direta pela chefia da Unidade de Conservação.”

Já pensaram? Um fotógrafo ter que pedir autorização para fotografar, durante uma matéria? E se o gestor não der a autorização, ou demorar para dá-la?

Um abraço,

LC Marigo”