Sobre Bluetooth, woofle, brufle, teclado touchpad…

Caiu na rede!

Estorinha bem bolada, mostrando a rapidez da modernidade, difícil, quase impossível de ser acompanhada pelos “velhinhos”!

Seu Pendrive tem Bluetufe?

Oswaldo tirou o papel do bolso, conferiu a anotação e perguntou à balconista: – Moça, vocês têm pendrive?

Temos, sim, respondeu a balconista.

- O que é pendrive? Pode me esclarecer? Meu filho me pediu para comprar um…

- Bom, pendrive é um aparelho em que o senhor salva tudo o que tem no computador.

- Ah, É como um disquete…

- Não. No pendrive o senhor pode salvar textos, imagens e filmes. O disquete, que nem existe mais, só salva texto.

- Ah, tá bom. Vou querer.

- Quantos gigas?

- Hein?

- De quantos gigas o senhor quer o seu pendrive?

- O que é giga?

- É o tamanho do pen.

- Ah, tá.Eu queria um pequeno, que dê para levar no bolso sem fazer muito volume.

- Todos são pequenos, senhor. O tamanho, aí, é a quantidade de coisas que ele pode arquivar.

- Ah, tá. E quantos tamanhos têm?

- Dois, quatro, oito, dezesseis gigas…

- Hmmmm, meu filho não falou quantos gigas queria. Neste caso, o melhor é levar o maior. Quanto custa?

- Bem, o preço varia conforme o tamanho. A sua entrada é USB?

- Como?

- É que para acoplar o pen no computador, tem que ter uma entrada compatível.

- USB não é a potência do ar condicionado?

- Não, aquilo é BTU.

- Ah! É isso mesmo. Confundi as iniciais. Bom, sei lá se a minha entrada é USB !!!!!!!

- USB é assim ó: com dentinhos que se encaixam nos buraquinhos do computador. O outro tipo é este, o P2, mais tradicional, o senhor só tem que enfiar o pino no buraco redondo. O seu computador é novo ou velho? Se for novo é USB, se for velho é P2.

- Acho que o meu tem uns dois anos. O anterior ainda era com disquete. Lembra do disquete? Quadradinho, preto, fácil de carregar, quase não tinha peso. O meu primeiro computador funcionava com aqueles disquetes do tipo bolacha, grandões e quadrados. Era bem mais simples, não acha?Os de hoje nem têm mais entrada para disquete. Ou é CD ou pendrive.

- Que coisa! Bem, não sei o que fazer. Acho melhor perguntar ao meu filho.

- Quem sabe o senhor liga pra ele?

- Bem que eu gostaria, mas meu celular é novo, tem tanta coisa nele que ainda nem aprendi a discar…

- Deixa eu ver. Poxa, um Smarthphone! Este é bom mesmo! Tem Bluetooth, woofle, brufle, trifle, banda larga, teclado touchpad, câmera fotográfica, flash, filmadora, radio AM/FM, TV digital, dá pra mandar e receber e-mail, torpedo direcional, micro-ondas e conexão wireless….

Blu… Blu… Blutufe? E micro-ondas? Dá prá cozinhar com ele?

- Não senhor. Assim o senhor me faz rir. É que ele funciona no sub-padrão, por isso é muito mais rápido.

- Pra que serve esse tal de blutufe? ??????

- É para um celular comunicar com outro, sem fio.

- Que maravilha! Essa é uma grande novidade! Mas os celulares já não se comunicam com os outros sem usar fio? Nunca precisei fio para ligar para outro celular. Fio em celular, que eu saiba, é apenas para carregar a bateria…

- Não, já vi que o senhor não entende nada, mesmo. Com o Bluetooth o senhor passa os dados do seu celular para outro, sem usar fio. Lista de telefones, por exemplo.

- Ah, e antes precisava fio?

- Não, tinha que trocar o chip.

- Hein? Ah, sim, o chip. E hoje não precisa mais chip…

- Precisa, sim, mas o Bluetooth é bem melhor.

- Legal esse negócio do chip. O meu celular tem chip?

- Momentinho… Deixa eu ver… Sim, tem chip.

- E faço o quê, com o chip?

- Se o senhor quiser trocar de operadora, portabilidade, o senhor sabe.

- Sei, sim, portabilidade, não é? Claro que sei. Não ia saber uma coisa dessas, tão simples? Imagino, então que para ligar tudo isso, no meu celular, depois de fazer um curso de dois meses, eu só preciso clicar nuns duzentos botões…

- Nããão! É tudo muito simples, o senhor logo apreende. Quer ligar para o seu filho? Anote aqui o número dele. Isso. Agora é só teclar, um momentinho, e apertar no botão verde… pronto, está chamando.

Oswaldo segura o celular com a ponta dos dedos, temendo ser levado pelos ares, para um outro planeta:

- Oi filhão, é o papai. Sim. Me diz, filho, o seu pen drive é de quantos… Como é mesmo o nome? Ah, obrigado, quantos gigas? Quatro gigas está bom? Ótimo. E tem outra coisa, o que era mesmo? Nossa conexão é USB? É? Que loucura. Então tá, filho, papai está comprando o teu pen drive. De noite eu levo para casa.

- Que idade tem seu filho?

- Vai fazer dez em março.

- Que gracinha…

- É isso moça, vou levar um de quatro gigas, com conexão USB.

- Certo, senhor. Quer para presente?

Mais tarde, no escritório, examinou o pendrive, um minúsculo objeto, menor do que um isqueiro, capaz de gravar filmes! !!!!!!!!Onde iremos parar?

Olha, com receio, para o celular sobre a mesa. “Máquina infernal”, pensa. Tudo o que ele quer é um telefone, para discar e receber chamadas. E tem, nas mãos, um equipamento sofisticado, tão complexo que ninguém que não seja especialista ou tenha a infelicidade de ter mais de quarenta, saberá compreender.

Em casa, ele entrega o pen drive ao filho e pede para ver como funciona. O garoto insere o aparelho e na tela abre-se uma janela. Em seguida, com o mouse, abre uma página da internet, em inglês. Seleciona umas palavras e um ‘havy metal’ infernal invade o quarto e os ouvidos de Oswaldo……… Um outro clique e, quando a música termina, o garoto diz:

- Pronto, pai, baixei a música. Agora eu levo o pendrive para qualquer lugar e onde tiver uma entrada USB eu posso ouvir a música. No meu celular, por exemplo.

- Teu celular tem entrada USB?

- É lógico. O teu também tem.

- É? Quer dizer que eu posso gravar músicas num pen drive e ouvir pelo celular?

- Se o senhor não quiser baixar direto da internet…

Naquela noite, antes de dormir, deu um beijo em Clarinha e disse: – Sabe que eu tenho Blutufe?

- Como é que é?

- Bluetufe. Não vai me dizer que não sabe o que é?

- Não enche, Oswaldo, deixa eu dormir.

- Meu bem, lembra como era boa a vida, quando telefone era telefone, gravador era gravador, toca-discos tocava discos e a gente só tinha que apertar um botão, para as coisas funcionarem?

- Claro que lembro, Oswaldo. Hoje é bem melhor, né?

- Várias coisas numa só, até Bluetufe você tem. E conexão USB também.

- Que ótimo, Oswaldo, meus parabéns.

- Clarinha, com tanta tecnologia a gente envelhece cada vez mais rápido. Fico doente de pensar em quanta coisa existe, por aí, que nunca vou usar.

- Ué? Por quê?

- Porque eu recém tinha aprendido a usar computador e celular e tudo o que sei já está superado. Por falar nisso temos que trocar nossa televisão.

- Ué? A nossa estragou?

- Não. Mas a nossa não tem HD, tecla SAP, slowmotion e reset.

- Tudo isso?

- Tudo.

- A nova vai ter blutufe? Boa noite, Oswaldo, vai dormir que eu não aguento mais!

(o autor é desconhecido, mas pode ser qualquer um de nós, ou seja, alguém que nasceu nos anos 40, 50, 60, 70 e até nos 80.)

Amigos…

Um texto de Martha Medeiros, que dedico aos meus queridos amigos com um pedido de desculpas, pela falta de manutenção. Depois da leitura entende-se a explicação.

AMIZADE SEM TRATO

 Martha Medeiros

Dei pra me emocionar cada vez que falo dos amigos. Deve ser a idade, dizem que a gente fica mais sentimental. Mas é fato: quando penso no que tenho de mais valioso, os amigos aparecem em pé de igualdade com o resto da família. E quando ouço pessoas dizendo que amigo, mas amigo meeeesmo, a gente só tem dois ou três, empino o peito e fico até meio besta de tanto orgulho: eu tenho muito mais do que dois ou três. São uma cambada. Não é privilégio meu, qualquer pessoa poderia ter tantos assim, mas quem se dedica?

Fulano é meu amigo, Sicrana é minha amiga. É nada. São conhecidos. Gente que cumprimentamos na rua, falamos rapidamente numa festa, de repente sabemos até de uma fofoca pesada sobre eles, mas amigos? Nem perto. Alguns até chegaram a ser, mas não são mais por absoluta falta de cuidado de ambas as partes.

Amizade não é só empatia, é cultivo. Exige tempo, disposição. E o mais importante: o carinho não precisa – nem deve – vir acompanhado de um motivo.

As pessoas se falam basicamente nos aniversários, no Natal ou para pedir um favor – tem que haver alguma razão prática ou festiva para fazer contato. Pois para saber a diferença entre um amigo ocasional e um amigo de verdade, basta tirar a razão de cena. Você não precisa de uma razão, basta sentir a falta da pessoa. E, estando juntos, tratarem-se bem.

Difícil exemplificar o que é tratar bem. Se são amigos mesmo, não precisam nem falar, podem caminhar lado a lado em silêncio. Não é preciso troca de elogios constantes, podem até pegar no pé um do outro, delicadamente. Não é preciso manifestações constantes de carinho, podem dizer verdades duras, às vezes elas são necessárias. Mas há sempre algo sublime no ar entre dois amigos de verdade. Talvez respeito seja a palavra. Afeto, certamente. Cumplicidade? Mais do que cumplicidade. Sintonia?

Acho que é amor.

Oh, céus! Santa pieguice, Batman! Amor? Esta lengalenga de novo?

Sério, só mesmo amando um amigo para permitir que ele se atire no seu sofá e chore todas as dores dele sem que você se incomode nem um pingo com isso. Só mesmo amando para você confiar a ele o seu próprio inferno. E para não invejarem as vitórias um do outro. Por amor, você empresta suas coisas, dá o seu tempo, é honesto nas suas respostas, cuida para não ofender, abraça causas que não são suas, entra numas roubadas, compreende alguns sumiços – mas liga quando o sumiço é exagerado. Tudo isso é amizade com trato. Se amigos assim entraram na sua vida, não deixe que sumam.

Porém, a maioria das pessoas não só deixa como contribui para que os amigos evaporem. Ignora os mecanismos de manutenção. Acha que amizade é algo que vem pronto e que é da sua natureza ser constante, sem precisar que a gente dê uma mãozinha. E aí um dia abrimos a mãozinha e não conseguimos contar nos dedos nem dois amigos pra valer. E ainda argumentamos que a solidão é um sintoma destes dias de hoje, tão emergenciais, tão individualistas. Nada disso. A solidão é apenas um sintoma do nosso descaso.

A maioria das pessoas não só deixa como contribui para que os amigos evaporem. Ignora os mecanismos de manutenção.

Porto Alegre, 17 de setembro de 2006  – Zero Hora, Edição nº 14999

 

Uefs comemora com debate o Dia Internacional da Mulher

Tendo em vista o Dia Internacional da Mulher, comemorado em 8 de março, a Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) promove no dia 7 (quarta-feira), o seminário “A Violência Contra a Mulher sob a Ótica da Saúde e da Justiça”.  O evento é organizado pelo Departamento de Saúde e pelo Coletivo de Mulheres, movimento social da Instituição. As atividades serão desenvolvidas no auditório do módulo 7,  a partir das 14 horas.

O objetivo é articular políticas públicas de combate à violência contra a mulher, entre elas o Observatório da Lei Maria da Penha, desenvolver ações de proteção e fortalecer a rede de atenção à mulher em Feira de Santana.

Segundo a professora Ana Rita da Costa, o movimento Coletivo de Mulheres quer aproveitar o Dia Internacional da Mulher para chamar a atenção da sociedade para o problema da violência contra a mulher, muitas vezes no ambiente familiar.

Está prevista a participação de representes de entidades que militam na área de gênero, movimentos sociais, agentes de promoção da justiça e da saúde, estudantes e comunidade universitária.

 Vívian Servo Leite – Ascom/Uefs

O afoxé Filhos de Gandhy comemora 63 anos de tradição

Os Filhos de Gandhy abriram na tarde desta segunda-feira (20) o Circuito Dodô (Barra-Ondina). Na comemoração dos 63 anos do mais antigo afoxé do país, pais e filhos cumprem a tradição de integrar o tapete branco e de trocar colares entre si e com as mulheres que seguem a corda do bloco.

Tenho 30 anos de bloco e todo ano eu choro antes mesmo de começar. É  uma emoção muito forte ver este bloco desfilar. Nao tem nada mais bonito”, diz José Amorim, 67 anos. Já para o desginer gráfico, Eduardo Reis, o principal é  estar atento aos detalhes que o afoxé traz a cada ano. “Eu gosto de apreciar a dança dos orixás, o padê, de ouvir as músicas, de curtir a energia do Gandhy,  que uma coisa única”, conta

Composto só por homens, os Filhos de Gandhy prima pela tradição. Na roupa, no perfume Alfazema, nas guias, nos turbantes e nas danças, por todos os lados, o  afoxé parece hipnotizar a multidão.

Com mais de seis décadas de existência e resistência, o que não falta no afoxé é o encontro de gerações. A tradição e o amor pelo bloco vai passando de pai para filho e a família inteira se envolve com o bloco. É o caso de Xavier dos Prazeres, pai de Sindarta e avô de Max. “Aqui é o encontro. E nestas décadas que desfilo aqui venho afirmando meu amor pelos Filhos de Gandhy. Primeiro eu, depois meu filho e agora meu  neto. São os nossos valores que estão na Avenida”, finaliza.

Fonte: Correio da Bahia – Mayra Lopes e Gilvan Reis

 

Bahia – Banda Didá homenageia o Recôncavo no Campo Grande

 

Baianas, crianças, dançarinas e percussionistas fizeram bonito no desfile

 Com o tema “Dona Canô conta a história das mulheres do Recôncavo”, a Banda Didá deu o som em um desfile cheio de alas na passagem pelo Campo Grande, na tarde desta segunda (20). Na comissão de frente da homenagem a ala das baianas lembrou as mulheres das feiras do Recôncavo.

As crianças, devidamente fantasiadas, homenagearam o carnaval de Maragojipe. As percussionistas se vestiram para lembrar a festa da Boa Morte, enquanto as dançarinas espalharam marisqueiras e sambistas de roda pela Avenida.

Fonte:

Fonte: Correio da Bahia – Eudes Benício

 

Deus e o Diabo: um frevo atualíssimo!

 

Deus e o Diabo, o frevo: Carnaval e Política

                                                                    Vítor Hugo Soares

Antenado e polêmico que só ele, Caetano Veloso compôs para tomar conta das ruas de Salvador, Rio de Janeiro e do País, no Carnaval de 1973, um frevo chamado “Deus e Diabo”.

Canto de resistência, através da música e da poesia, em tempos temerários – assim eram os daquela folia – mas de uma atualidade “estarrecedora”, para usar expressão da presidente Dilma, em visita às obras de transposição das águas do Rio São Francisco, durante as greves de PMs na Bahia e no Rio de Janeiro.

Um frevo daqueles de rachar, como é típico dos frevos de verdade, mas sem o tom dogmático e incendiário tão freqüente nas cantigas de protesto daquela década, de choro e ranger de dentes.

Muitas delas, diga-se a bem da verdade, entoadas a plenos pulmões pelo autor destas linhas nas ruas, becos e ladeiras da capital baiana em outros carnavais.

Além de antenado e provocador, Caetano Veloso é também um visionário. Este dom do artista é o que mais impressiona agora quando escuto, quase 40 anos depois – agora em CD – Deus e o Diabo, gravado no disco antológico “Muitos Carnavais”, que guardo como uma de minhas preciosidades musicais preferidas.

Escutemos com atenção o filho de dona Canô. Olhos e ouvidos ligados principalmente na letra, apesar da zoada ensurdecedora em explosões de decibéis que faz lá fora, na rápida substituição da barulheira dos helicópteros da Força Nacional de Segurança sobrevoando Salvador, em voos rasantes nos dias da greve dos policiais militares.

Movimento tão estranho em seu começo quanto no final surpreendente.

“Você tenha ou não tenha medo/ nego, nega, o carnaval chegou/Mais cedo ou mais tarde acabo / de cabo a rabo com essa transação de pavor/ o carnaval é invenção do diabo/ Que Deus abençoou/ Deus e o Diabo no Rio de Janeiro/ Cidade de São Salvador.”

Fantástica antevisão de Caetano neste frevo de encher as medidas. Leiam as notícias destes últimos dias nos jornais impressos, mas principalmente nos sites e blogs. Vejam as imagens na televisão em cores e ao vivo – no horários mais nobres na Band, na TVS, na Rede TV, na Globo – e confiram com seus próprios olhos, para depois não dizer que eu estou inventando.

“Você queira ou não queira, nego, nega, o carnaval chegou”, canta Caetano no vídeo do You Tube que escuto enquanto batuco estas linhas, sobre os insondáveis segredos da política e do extraordinário poder do carnaval, principalmente no eixo Rio-Bahia.

Nos principais circuitos está instalada a folia de sempre, depois de andar ameaçada pelas estratégias do medo disseminadas nas duas pontas da corda esticada ao extremo.

Nas ruas das duas capitais carnavalescas por excelência e no resto do País o tempo parece ter mudado da água para o vinho. Salvo pelos policiais que lideraram a greve, presos em Bangu 1 e na Cadeia Pública de Salvador, somado ao desassossego de seus familiares, advogados e raros políticos que cobram informações mais transparentes sobre o estranho desfecho do movimento, é quase como se nada tivesse acontecido.

Agora é o que se vê e se ouve nas duas maiores folias do País: por falha na estratégia dos PMs em greve que ocuparam a Assembléia Legislativa da Bahia e de lá ameaçaram acabar o carnaval em Salvador e no Rio – um erro fatal; ou talvez pelos ameaçados interesses grandiosos abrigados na organização e promoção da maior festa brasileira – políticos,empresariais, culturais e governamentais.

Tudo junto contribuiu, cada um à sua maneira, para golpear a greve (transformada em “motim” ), com incrível eficácia e rapidez incomum em ações de governo e de estado. A tempo de limpar e preparar as ruas para o carnaval de 2012 passar e transmitir imagens bem mais agradáveis para o mundo, sobretudo aos olhos do poder.

“Não se grile/ a Rua Chile sempre chega pra quem quer/ Qual é!, Qual é!, Qual é!/ Quem pode, pode/ Quem não pode vira bode/ Foge pra Praça da Sé./ Cidades Maravilhosas/ Cheias de encantos mil/ Cidades maravilhosas/ dos pulmões do meu Brasil”.

Em tempo: O governador petista Jaques Wagner passa metade do carnaval em Salvador e a outra metade no Rio de Janeiro, sua terra natal. Vai ao Sambódromo para, ao lado do colega peemedebista Sérgio Cabral, ver o desfile da Portela e de mais duas Escolas que neste Carnaval cantam “as maravilhas da Bahia”.

Os PMs e Bombeiros, depois da greve (ou motim?) cuidam da segurança dos foliões e dos muitos negócios envolvidos na festa. Até a presidente Dilma decidiu passar o Carnaval na Bahia.

Na Base Naval de Aratu, é verdade, mas tão próxima dos camarotes e dos trios, que pode não resistir à tentação de aparecer em uma destas grandes locomotivas atuais da folia baiana. A conferir.

Grande Caetano Veloso!

Obs. Vitor Hugo Soares é jornalista. E-mail: vito­r_soares1@terra.com.br

Fonte: Blog do Noblat

A poeta e a festa

Carnaval

                    Cecília Meireles

Com os teus dedos feitos de tempo silencioso,
Modela a minha máscara, modela-a…
E veste-me essas roupas encantadas
Com que tu mesmo te escondes, ó oculto!

Põe nos meus lábios essa voz
Que só constrói perguntas,
E, à aparência com que me encobrires,
Dá um nome rápido, que se possa logo esquecer…

Eu irei pelas tuas ruas,
Cantando e dançando…
E lá, onde ninguém se reconhece,
Ninguém saberá quem sou,
À luz do teu Carnaval…

Modela a minha máscara!
Veste-me essas roupas!

Mas deixa na minha voz a eternidade
Dos teus dedos de silencioso tempo…
Mas deixa nas minhas roupas a saudade da tua forma…
E põe na minha dança o teu ritmo,
Para me conduzir…

 

Alegria é para ser vivida devagarinho

“Miguilim, Miguilim, vou ensinar o que agorinha eu sei, demais: é que a gente pode ficar sempre alegre, alegre, mesmo com toda coisa ruim que acontece acontecendo. A gente deve de poder ficar então mais alegre, mais alegre por dentro! [...]

O Dito dizia que o certo era a gente estar sempre brabo de alegre, alegre por dentro, mesmo com tudo de ruim que acontecesse, alegre nas profundas. Podia? alegre era a gente viver devagarinho, miudinho, não se importando demais com coisa nenhuma.”

(Guimarães Rosa)

UEFS – Aviso de interrupção das atividades

 

A Reitoria da UEFS, considerando o atual momento vivido pela população baiana, além da decisão de assembleia dos servidores técnicos de paralisar as atividades da categoria e da solicitação formal do Diretório Central dos Estudantes que pede a interrupção das aulas, resolve suspender as atividades da Universidade Estadual de Feira de Santana até que nova avaliação considere pertinente o retorno à normalidade.

A Reitoria esclarece, ainda, que as atividades consideradas inadiáveis devem ser imediatamente comunicadas à Administração da UEFS para que sejam adotadas as providências cabíveis para suas realizações.

 FSA, 9/2/12