O som nosso de cada um

 

JornalHermeto&Aline 128 - RUDI BODANESE aap

Caixa Cultural Salvador apresenta “O som nosso de cada um”

 

Espetáculo musical de Hermeto Pascoal e Aline Morena não segue roteiro, tornando cada apresentação única

A CAIXA Cultural Salvador apresenta, de 2 a 6 de setembro, o espetáculo “O Som Nosso de Cada Um”. A dupla de músicos, formada por Hermeto Pascoal e sua pupila, Aline Morena, busca mostrar o quanto as diferentes sonoridades instrumentais podem interferir e modificar o resultado final de uma execução musical.

Fazem parte do repertório do evento, canções como “Casa di Xaquer”, “Galope”, “Capivara”, “Canguruzando”, “Fruticando na Rua”, “Anos de Soledad”, “Klein Wort” e diversas outras.

 JornalHermeto&Aline 071 - RUDI BODANESE

.

 

Feira de Santana sedia o Festival de Fotografia do Sertão

 

aprovado_festsertao

O Clube de Fotografia de Feira de Santana realizará em Feira de Santana o Festival de Fotografia do Sertão, evento de âmbito nacional, de 21 a 24 de agosto de 2014, com o apoio institucional do Centro Universitário de Cultura e Arte – CUCA e evento filiado à Rede de Produtores Culturais da Fotografia no Brasil, com Curadoria do fotógrafo mineiro Tibério França. Serão realizadas palestras, workshops, exposições, projeções, lançamentos de livros, convocatórias, bate-papo com fotógrafos, escambo fotográfico e apresentações artísticas e culturais que farão parte da programação.

O Festival é gratuito, voltado para Fotógrafos Profissionais e Amadores, Fotoclubistas, Coletivos Fotográficos, Galeristas, Lojistas, Decoradores, Impressores, Professores e Estudantes de Cursos de Fotografia, Comunicação e Arte, Críticos de Arte e a população em geral, oportunizando atualização, difusão de conhecimentos da arte fotográfica, descoberta de novos talentos, interação entre participantes e convidados, formação de público, elém de efetivar no calendário da cidade anualmente este importante evento.

Estão confirmadas as presenças de renomados fotógrafos para palestas e workshops: Adilson Machado-SE, Alberto Melo Viana-PR, Gui Mohallem-SP, João Machado-SP, Juciara Nogueira-BA. Leo Drumond-MG, Renato Soares-MG, Tibério França-MG, Tiago Santana-CE, Hans Georg-RJ e Valdemir Cunha-SP, além das Exposições Convidadas de Rogério Ferrari e Paula Geórgia Fernandes.

As exposições convidadas ficarão em cartaz de 21 de agosto a 21 de setembro no Museu Parque do Saber e a Exposição Coletiva dos 15 selecionados no Centro de Cultura Amélio Amorim.

O evento será realizado em cinco espaços: Centro Universitário de Cultura e Arte – CUCA, Centro de Cultura Amélio Amorim – CCAA, Museu Parque do Saber Dival Pitombo, Praça da Matriz, Praça João Pedreira e Praça da Bandeira.

Acesse o site oficial do Festival em www.festivaldefotografia.com e fique por dentro da programação completa.

 .

Exposição – Panorama 2014

Panorama 10599339_800430746644731_2231070428648674803_n

Hoje, no Museu de Arte Contemporânea de Feira de Santana (MAC), às 21h, acontece a abertura da Mostra de Fotografias “PANORAMA 2014″. O evento conta com a participação de vários artistas feirenses que se expressam através da linguagem fotográfica, dentre eles: José Arcanjo, Juraci Dórea, Maristela Ribeiro, George Lima, Mateus Oliveira, Heloisa França, Rafael Moreira, Marcelo Vinícius, Maiara Angels, Hortência Sant´Ana, Pedro Henrique.

7ª Feira do Livro tem expectativa de público de 50 mil pessoas

Idealizada com o intuito de despertar a comunidade feirense para o incentivo, promoção e ampliação das possibilidades de acesso à leitura, a 7ª edição da “Feira do Livro – Festival Literário e Cultural”, de acordo com a Comissão Organizadora, espera um público estimado em 50 mil pessoas.

O lançamento do evento ocorreu na noite da quinta-feira (14), às 19 horas, no Casarão Fróes da Motta, no Centro de Feira de Santana, onde houve uma mostra fotográfica relembrando as edições anteriores da Feira. Na programação ainda estão previstas apresentações musicais e um coquetel de confraternização.

Entre os dias 23 e 28 de setembro, período de realização da Feira, o público contará com exposições, lançamento e venda de livros, palestras, oficinas, exibição de filmes, recitais, além de shows musicais com renomados artistas, a exemplo de Xangai, Timbaúba, Cescé e Marizélia. Mais uma vez o evento ocorrerá na Praça João Barbosa de Carvalho (Praça do Fórum).

A novidade para esta edição será a “Arena Jovem”, destinada aos adolescentes, onde irão acontecer apresentações de street dance, grafitagem e atividades da oficina de quadrinhos, agendada para a tarde do dia 27 de setembro. Também participará dessa edição o escritor contemporâneo Luiz Ruffato, responsável pela abertura da Feira do Livro de Frankfurt. Durante todo o dia 24, o público leitor poderá conhecer mais sobre sua obra e participar de conversas interativas com o escritor.

A Feira do Livro é organizada pela Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), em parceria com a Secretaria Estadual de Educação, através da Direc 02, Arquidiocese de Feira de Santana, Serviço Social do Comércio (Sesc) e Secretarias Municipais da Educação e de Cultura, Esporte e Lazer.

SONY DSC

.

 

E como dizia Cora Coralina…

 

“Nas palmas de tuas mãos leio as linhas da minha vida.

 Linhas cruzadas, sinuosas, interferindo no teu destino.

 Não te procurei, não me procurastes – íamos sozinhos por estradas diferentes.

 Indiferentes, cruzamos.

 Passavas com o fardo da vida…

 Corri ao teu encontro.

 Sorri. Falamos.

 Esse dia foi marcado com a pedra branca da cabeça de um peixe.

 E, desde então, caminhamos juntos pela vida…”

 Cora Coralina

.

Caminhada do Folclore volta às ruas de Feira de Santana em 24 de agosto

 

Angelo Pinto

A Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) realiza no dia 24 de agosto a 15ª Caminhada do Folclore. O evento tem como objetivo valorizar e preservar as manifestações culturais do povo nordestino.

O cortejo, com previsão de participação de quase 5 mil pessoas, sai do Centro de Cultura Amélio Amorim, no  bairro Capuchinos, e segue pela avenida Getúlio Vargas até o local de dispersão na avenida Professor Fernando Pessoa, no bairro Ponto Central.

O trajeto tem aproximadamente dois quilômetros. Mais de 50 grupos de Feira de Santana e outras cidades baianas já estão inscritos para a Caminhada com o propósito de divulgar a cultura de raiz. Eles vão apresentar capoeira regional e de angola, quadrilha, literatura de cordel, samba de roda, bumba meu boi, afoxé, samba e reisado.

A Caminhada do Folclore de Feira de Santana está inserida no Guia de Bens Culturais do Brasil e marca também o encerramento das comemorações da Semana do Folclore. O evento é promovido pelo Centro Universitário de Cultura e Arte e está previsto para começar às 8h do dia 24.

As Secretarias Municipais de Cultura, Esporte e Lazer, Educação e Transporte e Trânsito também apoiam o evento.

Mais informações através dos telefones (75) 3221-9744 ou 3221-9766 ou da página do Cuca na internet (www.uefs.br/cuca).

Foto divulgação - Cuca

.

 

Paris – Peso de cadeados danifica a Pont des Arts

 

Aos casais apaixonados que decidirem aproveitar as ruas e pontes de Paris para declarar seu amor, a prefeitura da ‘cidade-luz’ pede: troquem cadeados por ‘selfies’.

A campanha foi lançada nesta segunda-feira (11) com o objetivo de resguardar as antigas pontes da cidade, nas quais se transformou uma tradição colocar cadeados simbolizando a passagem enamorada por ali.  A ideia é que os casais façam fotos e depois as publiquem na internet, em vez de usar os cadeados, já que eles “pesam muito sobre as pontes parisienses”, segundo a prefeitura.

No dia 8 de junho, uma parte do alambrado da Pont des Arts desabou, sem causar vítimas, possivelmente por conta do peso das dezenas de milhares de ‘cadeados do amor’ presos a ela. Sobre o rio Sena, a Pont des Arts fica na altura do Museu do Louvre e é muito procurada pelos casais.

A mania começou em 2008 e virou moda entre milhares de turistas. O cadeado com o nome do casal é trancado preso à estrutura da ponte e a chave é jogada nas águas do rio.

A partir de hoje, pedestres encontram adesivos em algumas das pontes mais conhecidas da cidade sugerindo a adesão à campanha, que tem um site dedicado à postagem das fotografias. Pelo Twitter, a proposta é usar a hashtag #lovewithoutlocks (amor sem cadeados) junto com os ‘selfies’.

“É o primeiro passo em um plano mais amplo, uma tentativa inicial de comunicação para dizer às pessoas que os cadeados não são bons para o patrimônio cultural de Paris e que não são, na realidade, uma maneira ideal de simbolizar o amor”, informou a prefeitura. (Com agências internacionais)

Fonte: UOL

pont-des-arts-localizada-na-capital-francesa-desabou-por-causa-do-peso-dos-cadeados-que-sao-presos-as-suas-grades-neste

.

 

Luís Pimentel presenteia o Baú

 

Espinhoso e delicado ofício de escrever

                                                                       Luís Pimentel

Brindando o acontecimento recente de mais uma Flip, a festa literária que anualmente transforma a nossa linda Paraty em capital mundial da cultura, ofereço esta crônica a todos aqueles que têm o hábito de escrever. Seja por obrigação (jornalistas), devoção (escritores) ou curtição (amadores e diletantes).

Pincei e ofereço graciosamente três dicas primorosas, de três mestres da palavra (em prosa e em verso): o patrício e mestre absoluto Graciliano Ramos, o mexicano Juan Rulfo e o nosso poeta João Cabral de Melo Neto.

Vamos primeiro ao bom e velho Graça, que disse assim:

“Quem escreve deve ter cuidado para a coisa não sair molhada. Quero dizer que da página que foi escrita não deve pingar nenhuma palavra, a não ser as desnecessárias. É como pano lavado que se estira no varal. Naquela maneira como as lavadeiras lá de Alagoas fazem seu ofício. Elas começam com uma primeira lava. Molham a roupa suja na beira da lagoa ou do riacho, torcem o pano, molham-no novamente, voltam a torcer. Depois colocam o anil, ensaboam e torcem uma, duas vezes. Depois enxáguam, dão mais uma molhada, agora jogando a água com a mão. Depois batem o pano na laje ou na pedra limpa e dão mais uma torcida e mais outra, torcem até não pingar do pano uma só gota. Somente depois de feito tudo isso é que elas dependuram a roupa lavada na corda ou varal, para secar. Pois quem se mete a escrever devia fazer a mesma coisa. A palavra não foi feita para enfeitar, brilhar com ouro falso, a palavra foi feita para dizer.”

E a dica de Rulfo, o autor do fundamental romance “Pedro Páramo” e do volume de contos “Chão em chamas”, ambos traduzidos divinamente por Eric Nepomuceno:

“No começo, você deve escrever levado pelo vento, até sentir que está voando. A partir daí, o ritmo e a atmosfera se desenham sozinhos. É só seguir o voo. Quando você achar que chegou aonde queria chegar, é que começa o verdadeiro trabalho: cortar, cortar muito.”

É só isso. Parece fácil, não é?

E vamos à receita deliciosa de João Cabral, para fechar a crônica e abrir o dia com poesia:

“Catar feijão se limita com escrever:

joga-se os grãos na água do alguidar
e as palavras na folha de papel;
e depois, joga-se fora o que boiar.
Certo, toda palavra boiará no papel,
água congelada, por chumbo seu verbo:
pois para catar feijão, soprar nele,
e jogar fora o leve e oco, palha e eco.”

Então, é isso. Fica combinado que o leve, o oco, a palha e o eco não servem para nada mesmo; nem na panela nem no papel.

 

Lançamento de livros

 

convite_agosto_2014_karina_sara

Sara Victoria - foto - arquivo pessoal

karina-rabinovitz - estudio minilab

.

A P55 Edições, dando prosseguimento à coleção Cartas Bahianas, lança dia 12 de agosto, na Confraria do França, das 19h às 22h, a poesia de Karina Rabinovitz no livro “mas é que eu não sabia que se pode tudo, meu Deus!”.

E, estreando na literatura, Sara Victoria, mais conhecida pela sua trajetória nas artes plásticas, com o livro de contos “CaralhoA4″.

 

 

Porque hoje é sábado…

 

Dia da Criação

 

Hoje é sábado, amanhã é domingo

A vida vem em ondas, como o mar

Os bondes andam em cima dos trilhos

E Nosso Senhor Jesus Cristo morreu na Cruz para nos salvar.

Hoje é sábado, amanhã é domingo

Não há nada como o tempo para passar

Foi muita bondade de Nosso Senhor Jesus Cristo

Mas por via das dúvidas livrai-nos meu Deus de todo mal.

Hoje é sábado, amanhã é domingo

Amanhã não gosta de ver ninguém bem

Hoje é que é o dia do presente

O dia é sábado.

Impossível fugir a essa dura realidade

Neste momento todos os bares estão repletos de homens vazios

Todos os namorados estão de mãos entrelaçadas

Todos os maridos estão funcionando regularmente

Todas as mulheres estão atentas

Porque hoje é sábado.

II

Neste momento há um casamento

Porque hoje é sábado.

Há um divórcio e um violamento

Porque hoje é sábado.

Há um homem rico que se mata

Porque hoje é sábado.

Há um incesto e uma regata

Porque hoje é sábado.

Há um espetáculo de gala

Porque hoje é sábado.

Há uma mulher que apanha e cala

Porque hoje é sábado.

Há um renovar-se de esperanças

Porque hoje é sábado.

Há uma profunda discordância

Porque hoje é sábado.

Há um sedutor que tomba morto

Porque hoje é sábado.

Há um grande espírito de porco

Porque hoje é sábado.

Há uma mulher que vira homem

Porque hoje é sábado.

Há criancinhas que não comem

Porque hoje é sábado.

Há um piquenique de políticos

Porque hoje é sábado.

Há um grande acréscimo de sífilis

Porque hoje é sábado.

Há um ariano e uma mulata

Porque hoje é sábado.

Há um tensão inusitada

Porque hoje é sábado.

Há adolescências seminuas

Porque hoje é sábado.

Há um vampiro pelas ruas

Porque hoje é sábado.

Há um grande aumento no consumo

Porque hoje é sábado.

Há um noivo louco de ciúmes

Porque hoje é sábado.

Há um garden-party na cadeia

Porque hoje é sábado.

Há uma impassível lua cheia

Porque hoje é sábado.

Há damas de todas as classes

Porque hoje é sábado.

Umas difíceis, outras fáceis

Porque hoje é sábado.

Há um beber e um dar sem conta

Porque hoje é sábado.

Há uma infeliz que vai de tonta

Porque hoje é sábado.

Há um padre passeando à paisana

Porque hoje é sábado.

Há um frenesi de dar banana

Porque hoje é sábado.

Há a sensação angustiante

Porque hoje é sábado.

De uma mulher dentro de um homem

Porque hoje é sábado.

Há a comemoração fantástica

Porque hoje é sábado.

Da primeira cirurgia plástica

Porque hoje é sábado.

E dando os trâmites por findos

Porque hoje é sábado.

Há a perspectiva do domingo

Porque hoje é sábado.

III

Por todas essas razões deverias ter sido riscado do Livro das Origens, ó Sexto Dia da Criação.

De fato, depois da Ouverture do Fiat e da divisão de luzes e trevas

E depois, da separação das águas, e depois, da fecundação da terra

E depois, da gênese dos peixes e das aves e dos animais da terra

Melhor fora que o Senhor das Esferas tivesse descansado.

Na verdade, o homem não era necessário

Nem tu, mulher, ser vegetal dona do abismo, que queres como as plantas, imovelmente e nunca saciada

Tu que carregas no meio de ti o vórtice supremo da paixão.

Mal procedeu o Senhor em não descansar durante os dois últimos dias

Trinta séculos lutou a humanidade pela semana inglesa

Descansasse o Senhor e simplesmente não existiríamos

Seríamos talvez polos infinitamente pequenos de partículas cósmicas em queda invisível na terra.

Não viveríamos da degola dos animais e da asfixia dos peixes

Não seríamos paridos em dor nem suaríamos o pão nosso de cada dia

Não sofreríamos males de amor nem desejaríamos a mulher do próximo

Não teríamos escola, serviço militar, casamento civil, imposto sobre a renda e missa de sétimo dia,

Seria a indizível beleza e harmonia do plano verde das terras e das águas em núpcias

A paz e o poder maior das plantas e dos astros em colóquio

A pureza maior do instinto dos peixes, das aves e dos animais em cópula.

Ao revés, precisamos ser lógicos, frequentemente dogmáticos

Precisamos encarar o problema das colocações morais e estéticas

Ser sociais, cultivar hábitos, rir sem vontade e até praticar amor sem vontade

Tudo isso porque o Senhor cismou em não descansar no Sexto Dia e sim no Sétimo

E para não ficar com as vastas mãos abanando

Resolveu fazer o homem à sua imagem e semelhança

Possivelmente, isto é, muito provavelmente

Porque era sábado.

Vinicius de Moraes


.