Ferreira Gullar faz 80 anos

 

            Traduzir-se 

                    Uma parte de mim
                    é todo mundo:
                    outra parte é ninguém:
                    fundo sem fundo. 

                    Uma parte de mim
                    é multidão:
                    outra parte estranheza
                    e solidão. 

                    Uma parte de mim
                    pesa, pondera:
                    outra parte
                    delira. 

                    Uma parte de mim
                    almoça e janta:
                    outra parte
                    se espanta. 

                    Uma parte de mim
                    é permanente:
                    outra parte
                    se sabe de repente. 

                    Uma parte de mim
                    é só vertigem:
                    outra parte,
                    linguagem. 

                    Traduzir uma parte
                    na outra parte
                    – que é uma questão
                       de vida ou morte –
                       será  arte?                                                                 

 

Poema obsceno 

Façam a festa
          cantem e dancem
que eu faço o poema duro
                                  o poema-murro
                                  sujo
                                  como a miséria brasileira 

       Não se detenham:
       façam a festa
                             Bethânia Martinho
                             Clementina
       Estação Primeira de Mangueira Salgueiro
       gente de Vila Isabel e Madureira
                                                           todos
                                                           façam
                     a nossa festa
enquanto eu soco este pilão
                            este surdo
                                  poema
que não toca no rádio
que o povo não cantará
(mas que nasce dele)
Não se prestará a análises estruturalistas
Não entrará nas antologias oficiais
                      Obsceno
como o salário de um trabalhador aposentado
                      o poema
terá o destino dos que habitam o lado escuro do país
                      – e espreitam.

                        In Na vertigem do dia (1975 – 1980)

 

Subversiva 

A poesia
quando chega
                       não respeita nada.
Nem pai nem mãe.
                               Quando ela chega
de qualquer de seus abismos
desconhece o Estado e a Sociedade Civil
infringe o Código de Águas
                                             relincha
como puta          
          nova
          em frente ao Palácio da Alvorada. 

E só depois
reconsidera: beija
                     nos olhos os que ganham mal
                     embala no colo
                     os que têm sede de felicidade
                     e de justiça 

E promete incendiar o país

                              In Na vertigem do dia (1975-1980)

 

Poema obsceno

Façam a festa
          cantem e dancem
que eu faço o poema duro
                                  o poema-murro
                                  sujo
                                  como a miséria brasileira 

       Não se detenham:
       façam a festa
                             Bethânia Martinho
                             Clementina
       Estação Primeira de Mangueira Salgueiro
       gente de Vila Isabel e Madureira
                                                           todos
                                                           façam
                     a nossa festa
enquanto eu soco este pilão
                            este surdo
                                  poema
que não toca no rádio
que o povo não cantará
(mas que nasce dele)
Não se prestará a análises estruturalistas
Não entrará nas antologias oficiais
                      Obsceno
como o salário de um trabalhador aposentado
                      o poema
terá o destino dos que habitam o lado escuro do país
                      – e espreitam.

                                   Na vertigem do dia (

 

Barulhos (1980-1987)

Todo poema é feito de ar
apenas:
            a mão do poeta
            não rasga a madeira
            não fere
                         o metal
                         a pedra
            não tinge de azul
            os dedos
            quando escreve manhã
            ou brisa
            ou blusa
                         de mulher. 

O poema
é sem matéria palpável
           tudo
           o que há nele
           é barulho
                      quando rumoreja
                       ao sopro da leitura.

 

Um instante

Aqui me tenho
como não me conheço
          nem me quis

sem começo
nem fim

          aqui me tenho
          sem mim

nada lembro
nem sei

à luz presente
sou apenas um bicho
           transparente

 

Poema brasileiro

No Piauí de cada 100 crianças que nascem
78 morrem antes de completar 8 anos de idade 

No Piauí
de cada 100 crianças que nascem
78 morrem antes de completar 8 anos de idade 

No Piauí
de cada 100 crianças
que nascem
78 morrem
antes
de completar
8 anos de idade 

antes de completar 8 anos de idade
antes de completar 8 anos de idade
antes de completar 8 anos de idade

                                          Ferreira Gullar

               In Dentro da noite veloz 1962-1975

2 ideias sobre “Ferreira Gullar faz 80 anos

  1. Esse é o poeta!!! Traduzir-se é uma das suas poesias que me encantam… nunca perco a oportunidade de reler… Bela homenagem, Leni!
    Parabéns!

  2. Minha querida leni, obrigado por juntar um pouquinho das maravilhas do Gullart…
    Ando sumido por conta do Murphy ( aquele fdp da lei ) mas nunca me esqueço das pessoas que me são especiais.
    Um beijo, saúde e vida longa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.