A serenata de Cecília Meireles

 

Serenata

 

Permite que feche os meus olhos

pois é muito longe e tão tarde!

Pensei que era apenas demora

e contando pus-me a esperar-te.

 

Permite-me que agora emudeça:

que me conforme em ser sozinha.

Há uma doce luz no silêncio

e a dor é de origem divina

 

Permite que volte o meu rosto

para um céu maior que este mundo

e aprende a ser dócil no sonho

como as estrelas no seu rumo.

(MEIRELES, Cecília. Obra poética. Rio de Janeiro, Cia. José Aguilar Ed., 1967, p. 139).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.