Um poema de Manoel de Barros

 

O apanhador de desperdícios

                                               Manoel de Barros*

Uso a palavra para compor meus silêncios.

 Não gosto das palavras

 fatigadas de informar.

 Dou mais respeito

 às que vivem de barriga no chão

 tipo água pedra sapo.

 Entendo bem o sotaque das águas

 Dou respeito às coisas desimportantes

 e aos seres desimportantes.

 Prezo insetos mais que aviões.

 Prezo a velocidade

 das tartarugas mais que a dos mísseis.

 Tenho em mim um atraso de nascença.

 Eu fui aparelhado

 para gostar de passarinhos.

 Tenho abundância de ser feliz por isso.

 Meu quintal é maior do que o mundo.

 Sou um apanhador de desperdícios:

 Amo os restos

 como as boas moscas.

 Queria que a minha voz tivesse um formato

 de canto.

 Porque eu não sou da informática:

 eu sou da invencionática.

 Só uso a palavra para compor meus silêncios.

 

* Manoel de Barros nasceu em Cuiabá em 1916 e morreu em 13 de novembro de 2014. Ele estreou em 1937 com o livro “Poemas Concebidos sem Pecado”. Sua obra mais conhecida é o “Livro sobre Nada”, publicado em 1996.

.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.