Parte 1: Exílio

Por Simone

Para Mainha,
Leninho, Lene, Leny,

Minha mãe era uma mulher maravilha. Era uma mulher de numerosos talentos. Excelente professora, irmã dedicada, uma mãe amante que nos ensinou a não ter medo e alcançar nossos sonhos.

Foi junto com ela que fui pela primeira vez à universidade pois ela me carregava no seu ventre em 1976.

Difícil descrevê-la, com simples palavras. Não tendo a habilidade que ela tinha para manipular a Língua Portuguesa.

Durante muitos anos pensava que minhas decisões eram próprias, mas a minha educação, cultura, e simplesmente meu jeito de ser foi, sem me dar conta, constituído por tudo que ela me ensinou.

Talvez consiga descrevê-la com algumas músicas que nos acompanharam esses últimos 42 anos.

Em 1981, quando tinha 5 anos, cantávamos juntas “Pégaso” de Morais Moreira. Lembro que era minha preferida.

“Era uma vez, vejam vocês,

um passarinho feio, que não sabia o que era,

nem de onde veio…”

Simone_1982Simone aos 6 anos

Chegamos na França em 1982, eu tinha 6 anos. Nas noites de muita saudade, Mainha me contava que durante o meu sono, eu viajava para o Brasil. Acreditava então, que passava minhas noites brincando na casa de minha Vó Hilda com meus primos. Corria pela varanda, que parecia verdadeiro labirinto para uma criança da minha idade, inventava brincadeiras entre as inúmeras plantas, flores e arbustos daquele lindo jardim.

Minha mãe viveu um exílio e acabou não se sentindo em casa, em lugar nenhum.

Em 1983 nos mudamos para a Torre Tokyo no bairro chinês de Paris. Inocente, pois não entendia a gravidade da situação, eu roubava os salgadinhos que minha Mãe preparava para vender a uma cooperativa. Era sua fonte de renda enquanto seu salário do Brasil não chegava. Mainha estava sozinha num país estrangeiro com suas três filhas.

Leni_chegada em Paris-reduzidaLene em Paris (1983)

Próximo

2 ideias sobre “Parte 1: Exílio

  1. “Aqueles que amamos nunca morrem, apenas partem antes de nos! “ Saudade sem fim! Lindo texto minha prima Querida! Te amo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.