Quando o carnaval chegar…

 

Chico Buarque

Quem me vê sempre parado,
Distante garante que eu não sei sambar…
Tô me guardando pra quando o carnaval chegar

Eu tô só vendo, sabendo,
Sentindo, escutando e não posso falar…
Tô me guardando pra quando o carnaval chegar

Eu vejo as pernas de louça
Da moça que passa e não posso pegar…
Tô me guardando pra quando o carnaval chegar

Há quanto tempo desejo seu beijo
Molhado de maracujá…
Tô me guardando pra quando o carnaval chegar

E quem me ofende, humilhando, pisando,
Pensando que eu vou aturar…
Tô me guardando pra quando o carnaval chegar

E quem me vê apanhando da vida,
Duvida que eu vá revidar…
Tô me guardando pra quando o carnaval chegar

Eu vejo a barra do dia surgindo,
Pedindo pra gente cantar…
Tô me guardando pra quando o carnaval chegar

Eu tenho tanta alegria, adiada,
Abafada, quem dera gritar…
Tô me guardando pra quando o carnaval chegar

Tô me guardando pra quando o carnaval chegar
Tô me guardando pra quando o carnaval chegar
Tô me guardando pra quando o carnaval chegar…

 

 

Caetano parabeniza Chico Buarque

 

ACaetanoChico 10366255_533700370067733_7665421091496712327_n

Foto: Facebook de Caetano Veloso

Chico chega aos setenta (e até agosto sou apenas um ano mais velho do que ele, prazer de dois meses a cada ano). O Brasil é capaz de produzir um Chico Buarque: todas as nossas fantasias de autodesqualificação se anulam. Seu talento, seu rigor, sua elegância, sua discrição são tesouro nosso. Amo-o como amo a cor das águas de Fernando de Noronha, o canto do sotaque gaúcho, os cabelos crespos, a língua portuguesa, as movimentações do mundo em busca de saúde social. Amo-o como amo o mundo, o nosso mundo real e único, com a complicada verdade das pessoas. Os arranha-céus de Chicago, os azeites italianos, as formas-cores de Miró, as polifonias pigmeias. Suas canções impõem exigências prosódicas que comandam mesmo o valor dos erros criativos. Quem disse que sofremos de incompetência cósmica estava certo: disparava a inevitabilidade da virada. O samba nos cinejornais de futebol do Canal 100, Antônio Brasileiro, o Bruxo de Juazeiro, Vinicius, Clarice, Oscar, Rosa, Pelé, Tostão, Cabral, tudo o que representou reviravolta para nossa geração foi captado por Chico e transformado em coloquialismo sem esforço. Vimos melhor e com mais calma o quanto já tínhamos Noel, Haroldo Barbosa, Caymmi, Wilson Batista, Ary, Sinhô, Herivelto. A Revolução Cubana, as pontes de Paris, o cosmopolitismo de Berlim, o requinte e a brutalidade de diversas zonas do continente africano, as consequências de Mao. Chico está em tudo. Tudo está na dicção límpida de Chico. Quando o mundo se apaixonar totalmente pelo que ele faz, terá finalmente visto o Brasil. Sem o amor que eu e alguns alardeamos à nossa raiz lusitana, ele faz muito mais por ela (e pelo que a ela se agrega) do que todos nós juntos.”

Caetano Veloso, via Facebook

.

 

Nara Leão canta Soneto

Soneto

 Chico Buarque

 

Por que me descobriste no abandono?

Com que tortura me arrancaste um beijo?

Por que me incendiaste de desejo

Quando eu estava bem morta de sono?

 

Com que mentira abriste meu segredo?

De que romance antigo me roubaste?

Com que raio de luz me iluminaste?

Quando eu estava bem morta de medo?

 

Por que não me deixaste adormecida

e me indicaste o mar, com que navio

e me deixaste só, com que saída

 

Por que desceste ao meu porão sombrio

com que direito a mim ensinaste a vida

quando eu estava bem, morta de frio

 

 

.

Um novo conceito de envelhecimento

 

Caiu na rede!

Um tempo sem nome

Rosiska Darcy de Oliveira

Com seu cabelo cinza, rugas novas e os mesmos olhos verdes, cantando madrigais para a moça do cabelo cor de abóbora, Chico Buarque de Holanda vai bater de frente com as patrulhas do senso comum. Elas torcem o nariz para mais essa audácia do trovador. O casal cinza e cor de abóbora segue seu caminho e tomara que ele continue cantando “eu sou tão feliz com ela” sem encontrar resposta ao “que será que dá dentro da gente que não devia”.

Afinal, é o olhar estrangeiro que nos faz estrangeiros a nós mesmos e cria os interditos que balizam o que supostamente é ou deixa de ser adequado a uma faixa etária. O olhar alheio é mais cruel que a decadência das formas. É ele que mina a autoimagem, que nos constitui como velhos, desconhece e, de certa forma, proíbe a verdade de um corpo sujeito à impiedade dos anos sem que envelheça o alumbramento diante da vida .

Proust, que de gente entendia como ninguém, descreve o envelhecer como o mais abstrato dos sentimentos humanos. O príncipe Fabrizio Salinas, o Leopardo criado por Tommasi di Lampedusa, não ouvia o barulho dos grãos de areia que escorrem na ampulheta. Não fora o entorno e seus espelhos, netos que nascem, amigos que morrem, não fosse o tempo “um senhor tão bonito quanto a cara do meu filho“, segundo Caetano, quem, por si mesmo, se perceberia envelhecer? Morreríamos nos acreditando jovens como sempre fomos.

A vida sobrepõe uma série de experiências que não se anulam, ao contrário, se mesclam e compõem uma identidade. O idoso não anula dentro de si a criança e o adolescente, todos reais e atuais, fantasmas saudosos de um corpo que os acolhia, hoje inquilinos de uma pele em que não se reconhecem. E, se é verdade que o envelhecer é um fato e uma foto, é também verdade que quem não se reconhece na foto, se reconhece na memória e no frescor das emoções que persistem. É assim que, vulcânica, a adolescência pode brotar em um homem ou uma mulher de meia-idade, fazendo projetos que mal cabem em uma vida inteira.

Essa doce liberdade de se reinventar a cada dia poderia prescindir do esforço patético de camuflar com cirurgias e botoxes — obras na casa demolida — a inexorável escultura do tempo. O medo pânico de envelhecer, que fez da cirurgia estética um próspero campo da medicina e de uma vendedora de cosméticos a mulher mais rica do mundo, se explica justamente pela depreciação cultural e social que o avançar na idade provoca.

Ninguém quer parecer idoso, já que ser idoso está associado a uma sequência de perdas que começam com a da beleza e a da saúde. Verdadeira até então, essa depreciação vai sendo desmentida por uma saudável evolução das mentalidades: a velhice não é mais o que era antes. Nem é mais quando era antes. Os dois ritos de passagem que a anunciavam, o fim do trabalho e da libido, estão, ambos, perdendo autoridade. Quem se aposenta continua a viver em um mundo irreconhecível que propõe novos interesses e atividades. A curiosidade se aguça na medida em que se é desafiado por bem mais que o tradicional choque de gerações com seus conflitos e desentendimentos. Uma verdadeira mudança de era nos leva de roldão, oferecendo-nos ao mesmo tempo o privilégio e o susto de dela participar.

A libido, seja por uma maior liberalização dos costumes, seja por progressos da medicina, reclama seus direitos na terceira idade com uma naturalidade que em outros tempos já foi chamada de despudor. Esmaece a fronteira entre as fases da vida. É o conceito de velhice que envelhece. Envelhecer como sinônimo de decadência deixou de ser uma profecia que se autorrealiza. Sem, no entanto, impedir a lucidez sobre o desfecho.

”Meu tempo é curto e o tempo dela sobra”, lamenta-se o trovador, que não ignora a traição que nosso corpo nos reserva. Nosso melhor amigo, que conhecemos melhor que nossa própria alma, companheiro dos maiores prazeres, um dia nos trairá, adverte o imperador Adriano em suas memórias escritas por Marguerite Yourcenar.

Todos os corpos são traidores. Essa traição, incontornável, que não é segredo para ninguém, não justifica transformar nossos dias em sala de espera, espectadores conformados e passivos da degradação das células e dos projetos de futuro, aguardando o dia da traição.Chico, à beira dos setenta anos, criando com brilho, ora literatura , ora música, cantando um novo amor, é a quintessência desse fenômeno, um tempo da vida que não se parece em nada com o que um dia se chamou de velhice. Esse tempo ainda não encontrou seu nome. Por enquanto podemos chamá-lo apenas de vida.

Publicada em  O Globo, 21/01/2012

 

 

Essa Pequena

Chico Buarque

Meu tempo é curto, o tempo dela sobra

Meu cabelo é cinza, o dela é cor de abóbora

Temo que não dure muito a nossa novela, mas

Eu sou tão feliz com ela

Meu dia voa e ela não acorda

Vou até a esquina, ela quer ir para a Flórida

Acho que nem sei direito o que é que ela fala, mas

Não canso de contemplá-la

Feito avarento, conto os meus minutos

Cada segundo que se esvai

Cuidando dela, que anda noutro mundo

Ela que esbanja suas horas ao vento, ai

Às vezes ela pinta a boca e sai

Fique à vontade, eu digo, take your time

Sinto que ainda vou penar com essa pequena, mas

O blues já valeu a pena

 

A ciranda da bailarina

 

 

A ciranda da Bailarina, de Chico e Edu Lobo, foi lançada nos anos 80 no disco O Grande Circo Místico. Comprei para minhas filhas, mas  ouvi muito, talvez até mais do que elas, principalmente essa faixa.

Recentemente ouvi a interpretação da Ciranda por Mônica Salmaso e amei.  Hoje descobri um clip onde se ouve o canto de Monica, enquanto o texto é recitado pela atriz Fabíola Nascimento.  Um show!

A Ciranda da Bailarina sempre despertou em mim um quê de pirraça e sempre me fez sorrir. Quando ouço essa canção não posso me impedir de lembrar o quanto idealizamos as coisas e o quanto fantasiamos as personagens dos nossos sonhos, sem esquecer que meninos (e homens) também sonham com bailarinas. A letra da Ciranda, um poema, diz isso de uma forma divertida e o que soa como brincadeira se materializa em ironia, fina, da boa.

A bailarina é um ícone. Toda menina  sonha em ser bailarina e no sonho a bailarina é perfeita. Ela não tem pereba, lombriga, remela, coceira, piolho e casca de ferida… Será?

Eu sou fã de bailarinas; entro em êxtase quando as vejo dançar, rodopiar, flutuar. Também sonhei em ser bailarina (e trapezista). A sua imagem é perfeita, sublime. Mas quem garante que a menina bailarina nunca teve lombriga, frieira e um irmão meio zarolho?

Isso vale para todos aqueles  que admiramos; atores e atrizes, bailarinas, cantores, escritores e poetas. Amar, apreciar e admirar, sim; idolatrar, não, porque todo  mundo tem imperfeições, medos e defeitos. Ah, e tem mais: todo mundo tem problema na família,  medo de cair, arrota e faz xixi.

Ciranda da Bailarina

(Chico Buarque/Edu Lobo)

Procurando bem

Todo mundo tem pereba

Marca de bexiga ou vacina

E tem piriri, tem lombriga, tem ameba

Só a bailarina que não tem

E não tem coceira

Verruga nem frieira

Nem falta de maneira

Ela não tem

Futucando bem

Todo mundo tem piolho

Ou tem cheiro de creolina

Todo mundo tem um irmão meio zarolho

Só a bailarina que não tem

Nem unha encardida

Nem dente com comida

Nem casca de ferida

Ela não tem

Não livra ninguém

Todo mundo tem remela

Quando acorda às seis da matina

Teve escarlatina

Ou tem febre amarela

Só a bailarina que não tem

Medo de cair, gente

Medo de subir, gente

Medo de vertigem

Quem não tem?

Confessando bem

Todo mundo faz pecado

Logo assim que a missa termina

Todo mundo tem um primeiro namorado

Só a bailarina que não  tem

Sujo atrás da orelha

Bigode de groselha

Calcinha um pouco velha

Ela não tem

O padre também

Pode até ficar vermelho

Se o vento levanta a batina

Reparando bem, todo mundo tem pentelho

Só a bailarina que não tem

Sala sem mobília

Goteira na vasilha

Problema na família

Quem não tem?

Procurando bem

Todo mundo tem…

Quando Chico Buarque pedia voto para FHC

 

Na homenagem que o PSDB lhe presta, desde às 10h de hoje, em uma das dependências do Senado, por seus 80 anos de idade, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso está sendo reapresentado a jingles de suas campanhas políticas. Uma delas foi para a prefeitura de São Paulo em 1985, quando FHC acabou derrotado por Jânio Quadros, o ex-presidente da República que em 1961 renunciou ao cargo antes de completar um ano nele. A estrela do jingle é Chico Buarque de Holanda, que compôs a música e a cantou.

Fonte: Blog do Noblat

Chico Buarque e Nara Leão

 

 

 Serás o meu amor

                           Chico Buarque

Consta nos astros, nos signos, nos búzios
eu li num anúncio, eu vi no espelho,

tá lá no evangelho, garantem os orixás
serás o meu amor, serás a minha paz
consta nos autos, nas bulas, nos dogmas
eu fiz uma tese, eu li num tratado,

está computado nos dados oficiais
serás o meu amor, serás a minha paz
mas se a ciência provar o contrário,

e se o calendário nos contrariar
mas se o destino insistir em nos separar
danem-se os astros, os autos, os signos,

os dogmas os búzios, as bulas, anúncios,

tratados, ciganas, projetos profetas,

sinopses, espelhos, conselhos
se dane o evangelho e todos os orixás
serás o meu amor, serás, amor, a minha paz
consta na pauta, no Kkarma, na carne,

passou na novela
está no seguro, pixaram no muro,

mandei fazer um cartaz:
Serás o meu amor, serás a minha paz.
Consta nos mapas, nos lábios, nos lápis
consta nos Ovnis, no Pravda, na Vodca