Um poema de Roberval Pereyr

 

                          Canção

“Habito a mansão dos tristes, dos inconciliáveis”.

                                  T. S. Rausto

 

Não tenho muitas vontades:

contemplo a brisa;

às vezes me dói (à tarde) a vida.

 

São poucos meus companheiros,

eles estão perdidos –

e eu perdido com eles. Comigo.

 

São poucos e nunca os tive

nem os conheci –

apenas nos reunimos: para existir.”

 

                                   Roberval Pereyr

 

 

 

 

Prêmio Portugal Telecom de Literatura em Língua Portuguesa

 

Prêmio Portugal Telecom 2013 anuncia semifinalistas

(Entre eles, dois poetas baianos: Ruy Espinheira Filho e Roberval Pereyr)

O Prêmio Portugal Telecom de Literatura em Língua Portuguesa divulgou nesta segunda-feira (3) os semifinalistas da edição 2013, além do júri que irá escolher os finalistas, em setembro, e os vencedores, em novembro. Nesta primeira etapa, um júri de 280 profissionais da literatura em língua portuguesa indicados pela curadoria selecionou por meio de votação online 63 semifinalistas, dentre 450 livros inscritos, todos publicados no Brasil no ano de 2012.

Devido ao empate na categoria poesia e dois empates entre os romances, 63 livros (e não 60) classificaram-se para a próxima fase. Estão na disputa 21 obras na categoria poesia, 22 na categoria romance e 20 na categoria conto/crônica. Entre os romances, estão contemplados três autores portugueses, um angolano, um moçambicano e 17 brasileiros.

O corpo de jurados que irá selecionar os finalistas e, por fim, os vencedores em novembro é composto por: André Seffrin, Cristóvão Tezza, Italo Moriconi, João Cezar de Castro Rocha, José Castello e Leyla Perrone Moisés.

Confira abaixo a lista completa de semifinalistas:

CONTO/CRÔNICA

A caneta e o anzol – Domingos Pellegrini
A última madrugada – João Paulo Cuenca (leia o Paiol Literário com o escritor)
A verdadeira história do alfabeto – Noemi Jaffe
Ai meu Deus, ai meu Jesus – Fabrício Carpinejar (leia o Paiol Literário com o escritor)
Aquela água toda – João Anzanello Carrascoza
As verdades que ela não diz – Marcelo Rubens Paiva
Cheiro de chocolate e outras histórias – Ronivalter Jatobá
Como andar no labirinto – Affonso Romano de Sant’Anna
Contos inefáveis – Carlos Nejar (leia resenha do livro)
Copacabana Dreams – Natércia Pontes (leia resenha do livro)
Crônicas para ler na escola – Zuenir Ventura
Diálogos impossíveis – Luis Fernando Veríssimo
Essa coisa brilhante que é a chuva – Cíntia Moscovich (leia resenha do livro e Inquérito com a escritora)
Jogo de varetas – Manoel Ricardo de Lima (leia resenha do livro)
Livro das horas – Nélida Piñon (leia o Paiol Literário com a escritora)
Manhãs adiadas – Eltânia André
Mistura fina – Vera Casa Nova
O tempo em estado sólido – Tércia Montenegro
Páginas sem glória – Sérgio Sant’Anna (leia resenha do livro e o Paiol Literário com o escritor)
Shazam! – Jorge Viveiros de Castro (leia resenha do livro)

POESIA

A casa dos nove pinheiros – Ruy Espinheira Filho
A cicatriz de Marilyn Monroe – Contador Borges
A praça azul e Tempo de vidro – Samarone Lima
A voz do ventríloquo – Ademir Assunção
As maçãs de antes – Lila Maia
Caderno inquieto – Tarso de Melo
Ciclo do amante substituível – Ricardo Domeneck
Deste lugar – Paulo Elias Franchetti
Engano geográfico – Marília Garcia
Formas do nada – Paulo Henriques Britto (leia resenha do livro)
Meio seio – Nicolas Behr
Mirantes – Roberval Pereyr
O amor e depois – Mariana Ianelli (leia resenha do livro)
Ouro Preto – Mário Alex Rosa
Píer – Sérgio Alcides
Porventura – Antonio Cícero (leia resenha do livro)
Quando não estou por perto – Annita Costa Malufe
Sentimental – Eucanaã Ferraz
Totens – Sérgio Medeiros
Trato de silêncios – Luci Collin (leia o Paiol Literário com a escritora)
Um útero é do tamanho de um punho – Angélica Freitas (leia Inquérito com a escritora)

ROMANCE

A confissão da leoa – Mia Couto (leia entrevista com o escritor)
A máquina de madeira – Miguel Sanches Neto (leia resenha do livro)
A noite das mulheres cantoras – Lídia Jorge
A sul. O sombreiro – Pepetela
As visitas que hoje estamos – Antonio Geraldo Figueiredo Ferreira (leia entrevista com o escritor)
Barba ensopada de sangue – Daniel Galera (leia resenha do livro e o Paiol Literário com o escritor)
Big Jato – Xico Sá (leia resenha do livro e entrevista com o escritor)
Caderno de ruminações – Francisco Dantas (leia resenha do livro)
Desde que o samba é samba – Paulo Lins (leia resenha do livro e o Paiol Literário com o escritor)
Deus foi almoçar – Férrez (leia resenha do livro)
Era meu esse rosto – Marcia Tiburi (leia resenha do livro e o Paiol Literário com a escritora)
Estive lá fora – Ronaldo Correira de Brito (leia resenha do livro e o Paiol Literário com o escritor)
Mar azul – Paloma Vidal (leia Inquérito com a escritora)
O casarão da rua do Rosário – Menalton Braff (leia resenha do livro)
O céu dos suicidas – Ricardo Lísias (leia resenha do livro e o Paiol Literário com o escritor)
O filho de mil homens – Valter Hugo Mãe
O mendigo que sabia de cor os adágios de Erasmo de Rotterdam – Evandro Affonso Ferreira
O que deu para fazer em matéria de história de amor – Elvira Vigna (leia entrevista com a escritora)
O sonâmbulo amador – José Luiz Passos (leia resenha do livro)
Paulicéia de mil dentes – Maria José Silveira
Sôbolos rios que vão – António Lobo Antunes
Solidão continental – João Gilberto Noll (leia resenha do livro e o Paiol Literário com o escritor)

Entre o segundo e o penúltimo ato

 Roberval Pereyr

Há muito que me persigo (e deformo)

com receitas e diagnósticos

desastrados.

Por isso caí do jegue

pisei na bola, rezei padre nosso

para o vigário.

                         Por isso me aposto

e me desmereço: dou-me a um preço

irrisório.

                        E encalho.

Ante o espelho, olhos nos olhos,

me olho:

porque não me compram, dou-me

de volta.

                 Mas sou recusado.

.

Poema da tarde

 

RESPOSTA

Roberval Pereyr

 

Plantaste em mim estes sonhos

que a praga roeu.

Teu dedo magro resiste

e aponta a estrela triste

abaixo do Eu.

A tua safra perdida

gera em ti uma dívida

que me cobras, a gritos.

Mas nada te devo, eu sei.

Pois meu negócio é mesmo o infinito.

In: PEREYR, Roberval. Acordes. Ed. Tulle, Feira de Santana, 2009, p. 18.

 

Dois poemas de Roberval Pereyr

 

Órbitas

 O tempo é uma louca velha

delirando por dentro das memórias

(Mas é também um monte de vícios,

um punhado de pó

e uma festa).

CONVITE

Se vieres ao templo

me verás despido

sem nenhum sentido,

sem altar, sentado

só, comodamente,

manso como as feras

saciadas.

Poemas extraídos da obra antológica AMÁLGAMA;NAS PRAIAS DO AVESSO E POESIA ANTERIOR.  Salvador: SCT/ Fundação Cultural de Estado de Bahia, 2004.  266 p.  (Coleção Selo Editorial Letras da Bahia, 95).

Mirantes – Vencedor do prêmio Braskem

 

Será lançado nesta sexta-feira, 13 de abril, a partir das 20h, no Museu de Arte Contemporânea Raimundo de Oliveira, o livro “Mirantes” de autoria do professor de Teoria da Literatura da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), Roberval Alves Pereira, vencedor do Prêmio Braskem Academia de Letras da Bahia – Poesia 2011. O livro reúne 80 poemas escritos nos últimos cinco anos que, de acordo com o crítico e poeta Alexei Bueno, apresentam “uma notável riqueza psicológica”.

Roberval Pereyr, como o professor assina desde 1970, fez o lançamento oficial do livro em 22 de março, na sede da Academia de Letras, no bairro de Nazaré, em Salvador, marcando a reabertura dos trabalhos acadêmicos do ano de 2012.

A premiação do Braskem contemplou a publicação do livro “Mirantes” pela Editora 7 Letras, com circulação nacional. Pereyr já tem 11 livros publicados, dez de poesia e um de ensaio. “Fico feliz com a premiação. É um fruto de um trabalho que desenvolvo com prazer: transformar a palavra em poesia”, salienta o poeta.

Durante o lançamento, haverá apresentação musical com Tito Pereira, Camila Gonçalves e Luca Pereira.

O Museu de Arte Contemporânea Raimundo de Oliveira está localizado na rua Rua Geminiano Costa, 255, Centro, Feira de Santana, BA.

Ascom/Uefs

 

Um poema de Roberval Pereyr

EXERCÍCIO

O ser é um sopro?

Um eco? A contraparte

do ego

              ferido?

O ser é um não

falseado? Um passo

em vão

          no Vazio? Um rio

constelado de enigmas?

O ser é um mito

oco? Um grito

aviltado nos vãos de vinte séculos?

O ser é um erro

de cálculo, um simulacro

do si, que é, já este,

um simulacro?

O ser é um só? Um nó

que se desfaz em infinitos

nós?

Que é, afinal, o ser

além desta vontade

mórbida, imensa

                          de esquecer?

Extraído do livro Amálgama (Nas praias do avesso e Poesia anterior), 2004, p. 21.

Roberval Pereyr reside em Feira de Santana. Co-fundador da revista Hera (1972), que dirigiu, quase sempre em parceria, desde 1973. Criou ainda as coleções literárias Olho D’Água (1982) e Bocapio (1991), além da revista de poesia Duas Águas, com Pablo Simpson (Campinas – SP, 1997). Fundou e dirige as editoras alternativas Estrada e Tulle. Estudante de flauta doce e compositor (parceiros: o catarinense Márcio Pazin, além de Tito Pereira e Carol Pereyr, seus filhos). Tem poemas publicados em antologias nacionais e internacionais, entre as quais Roteiro da poesia brasileira – anos 60, da Global Editora. Entre seus livros de poesia encontram-se As roupas do nu (1981), Ocidentais (1987), O súbito cenário (1996) Concerto de ilhas (1997), Saguão de mitos (1998), Amálgama – Nas praias do avesso e poesia anterior (2004) e Acordes (2010). Publicou ainda A unidade primordial da lírica moderna (teoria da literatura, 2000). Está no prelo o livro A mão no escuro (desenho artístico). Doutor em Letras e Professor Pleno da Universidade Estadual de Feira de Santana.

Roberval Pereyr é o vencedor do Prêmio Braskem de Poesia.

O poeta feirense Roberval Pereyr é o ganhador do Prêmio Nacional de Poesia 2011, promovido pela Braskem e pela  Academia de Letras da Bahia. O livro “Mirantes” do pseudônimo Pedro P.P., que foi mantido sob sigilo, foi o escolhido pela Comissão Julgadora composta pelos acadêmicos Antonio Carlos Secchin, José Carlos Capinan e Ruy Espinheira Filho.

Logo após o anúncio do vencedor, o envelope foi aberto pelo Presidente da ALB, Dr. Aramis Ribeiro Costa, que identificou o autor da obra como o Sr. Roberval Alves Pereira, poeta feirense conhecido como “Roberval Pereyr.”

Os envelopes foram abertos no dia 12/01/2011 às 17:00h pelo Presidente da ALB, na presença da Comissão Julgadora, da Secretária e da Coordenadora da Biblioteca da ALB.

Mais de 100 inscritos concorreram ao Prêmio e os estados com maior representatividade foram Bahia, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná e Rio Grande do Sul.

A premiação será dupla. Caberá ao vencedor uma quantia em dinheiro e a publicação do livro por uma editora de projeção nacional.

Muito sucesso para Roberval Pereyr!

Hera uma vez, em Paris

 Foto: Simone Carneiro

Leni David

 

Uma foto antiga, um fragmento de uma canção qualquer, palavras rabiscadas à margem de um livro têm a força de nos transportar para outras épocas, para outros lugares, além de despertar momentos que ficariam para sempre na penumbra do inconsciente. Quantas vezes momentos únicos foram revividos graças aos guardados engavetados, por acaso, ou por querer? Quantas vezes tivemos o privilégio de (re)visitar o passado graças a um minúsculo flagrante recuperado pela audição, pelo olfato ou pela visão? Os sentidos são antenas que captam fragmentos da realidade e têm o poder de nos conduzir pelos labirintos da memória e de avivar em cores definidas, a imagem de um lugar, de um tempo adormecido, de coisas e pessoas que povoaram a nossa trajetória.

Folheando uma antiga revista Hera, (re)visitei um tempo de vôos destemidos, de esperas e expectativas, tempo em que uma jovem interiorana, tímida e ingênua, enfrentaria as armadilhas da cidade com suas luzes e mistérios. Tempo de juventude e de destemor, de angústias e aprendizados, mas, sobretudo, de buscas. A Hera viajou na bagagem, no início dos anos 80, rumo a Paris, cidade sempre pintada com as cores do arco-íris, cores de sonho e fantasia. Aqui, era tempo de ditadura e, muitas vezes, as vontades de dizer e de querer eram sufocadas; na França, Miterrand assumia o poder sob o signo da rosa vermelha. L’important c’est la rose….

Havia o desejo de voar alto, de ajudar a construir um mundo novo e justo, pleno de liberdade. As canções que escondiam mensagens nas entrelinhas, os Josés de Drummond, os Severinos de Melo Neto e os caracóis dos cabelos de Caetano ajudavam a alimentar as utopias. Os versos de Vinícius enchiam corações de amor e os outros poetas, consagrados ou não, brotavam do papel e saiam das bocas para traduzir a vida. E a Hera fazia parte do cotidiano dessa geração por traduzir sentimentos próximos da realidade. Os poetas da Hera eram visíveis, andavam pelas ruas, davam aulas, jogavam bola, trabalhavam em bancos, arquitetavam casas, faziam arte com palavras e pincéis e faziam parte da cidade; eles cantavam os anseios de uma geração através de palavras doces, às vezes brutas, às vezes afiadas como navalhas. A Hera cabia no bolso e no coração.

Os anos passaram e um dia – quase vinte anos depois – a Hera voltou ao seu lugar de origem – a Bahia – numa nova bagagem. Era tempo de recomeço, tempo de construção, tempo de assentar a poeira e fincar raízes na Terra. Os objetos, os livros, saíam das caixas para preencher novos espaços. Entre eles, a Hera n° 10 com a sua capa azul e branca amarrotada pelo tempo; entre as páginas, anotações feitas a lápis e uma data: “Paris, tarde de domingo, 1983”; e a tradução de dois poemas de Roberval Pereyr.

O tempo havia esmaecido as lembranças e a (re)leitura dos poemas trouxe de volta uma sala, uma poltrona, um endereço: 41, rue Brancion. Fazia frio e na rua, a cor cinzenta dos prédios emoldurados pela janela confundia-se com as nuvens escuras. Acho que era janeiro. Chumbo na paisagem, chumbo no coração daquela que olhava, triste, os galhos desfolhados das árvores da calçada, que se exibiam num movimento lento e compassado com seus galhos enegrecidos como garras de monstros.

O rádio tocava baixinho um noturno de Chopin. O som da melodia entorpecia desejos e impregnava a sala com suas notas; a tarde era triste e a minha alma era de chumbo como o dia lá fora. Os poemas que lia naquela tarde de inverno, talvez escritos numa noite de “tropical melancolia”, tinham o poder de traduzir-me, de revelar-me como imagem refletida em água cristalina. Era o encontro entre a professorinha interiorana de alma escancarada e a cidadã cosmopolita, com seus medos e angústias. Era a constatação de que a cidade dos sonhos – Paris – nem sempre era sinônimo de paraíso, como todos acreditavam. Os versos do poeta foram transportados para a língua de Voltaire:

Canção

“Habito a mansão dos tristes, dos inconciliáveis”

T. S. Rausto

 

 “Não tenho muitas vontades:

contemplo a brisa;

às vezes me dói (à tarde) a vida).

 

São poucos meus companheiros,

eles estão perdidos –

e eu perdido com eles. Comigo.

 

São poucos e nunca os tive

nem os conheci –

apenas nos reunimos: para existir.”

 

Chanson

“J’habite la demeure des tristes, des inconciliables”

              T. S. Rausto

Je n’ai pas beaucoup d’envies :

je contemple la brise ;

parfois elle me fait du mal (l’après-midi) la vie.

 

Mes compagnons ne sont pas nombreux,

ils sont perdus –

et moi, perdu avec eux. Avec moi.

 

Ils sont peu nombreux et jamais je ne les ai eu

je ne les ai même pas connus –

à peine nous nous rassemblons : pour exister.

 Foto: Leni David (1999)

A mão perversa da solidão apertava a garganta, calava a voz. A cidade estava ali, oferecida, com seus brilhos de lantejoulas. Mas a consciência e a impotência grotesca empurravam para o refúgio melancólico do apartamento, onde havia ausências: um mausoléu encravado no estômago da urbe. E os companheiros, onde estavam? Refestelavam-se ao sol? Os poucos companheiros talvez não estivessem como eu, perdida em mim mesma.

Naquele tempo, Canção revelou verdades a um ser ingênuo, compadecido de si, vítima do vazio. O segundo poema, no entanto, revelou dúvidas, talvez nunca antes decifradas:

 

Rigor 3

Sou infeliz e quero conhecer-me:

quero saber quem sou por estes dias

tão cheios de terror, quero saber-me.

 

Quero morrer de novo e renascer-me

e quero estar transido de agonias

e conhecer-me, quero conhecer-me.

 

este é o meu grito e, nele, quero ver-me

e comover-me em cantos, calmarias:

hei de saber-me, ah, hei de saber-me.

 

 

      Rigueur 3

Je suis malheureux et je veux me connaître :

je veux savoir qui je suis dans ces jours

si pleins de terreur, je veux me connaître.

 

Je veux mourir à nouveau et renaître

et je veux être transi d’agonies

et me connaître, je veux me connaître.

 

Ceci est mon cri et, en lui, je veux me voir

et je veux m’émouvoir dans les chants, dans les accalmies :

il faut que je me sache, ah ,  il faut que je me connaisse.

 

A criatura daquele instante iniciou sua caminhada naquela tarde de chumbo, como se morresse ao entardecer e renascesse a cada manhã; os versos do poeta se tornaram seus; os dias de chumbo perderam a sua força e o brilho da cidade não incomodava mais. A coragem reforçou-se fermentada pelo medo. O tempo passou…

Nesse instante entrego de volta, Poeta,  – agradecida, os seus versos que roubei um dia e que ajudaram a afrontar verdades; a trilhar os caminhos da cidade, a contemplar a luz sem ofuscar os olhos, malgré tout. Paris, com suas cores, luzes e mistérios, deixou marcas indeléveis na memória e uma profunda saudade.

       Feira de Santana, Bahia; março de 2005.

Obs. Os poemas Rigor 3 e Canção são da autoria do poeta Roberval Pereyr e foram extraídos da Revista Hera, n° 10, Edições Cordel, 1978, p. 35.

O poeta baiano Roberval Pereyr (1953-) é co-fundador da revista Hera, junto com o poeta Antonio Brasileiro; Roberval é doutor pela UNICAMP e professor de Teoria Literária na Universidade Estadual de Feira de Santana – UEFS, Bahia. Além de participar em diversas antologias, Roberval publicou vários livros, entre eles: As roupas do nu (1981); Ocidentais (1987); O Súbito Cenário (1996); Concerto de Ilhas (1997); Saguão de Mitos (1998); Pequenos Assombros e A unidade Primordial da Lírica Moderna (2000). Acordes (2010). Amálgama – Nas Praias do Avesso e poesia Anterior (2004).

Em sua obra o poeta nomear e avaliar os sentidos do seu percurso e da saga humana, através da linguagem e dos gestos, como se alertando a si mesmo e ao leitor de que tudo resulta da experiência e da cultura.

Observação. A crônica ”Hera era uma vez, em Paris” foi publicada originalmente na Tribuna Cultural, Ano III, n° 144, em 03 de julho de 2005, quando se comemorava o Ano França – Brasil.

Foto: Leni David