Revista bilíngue difunde obra de escritores de diversos países

 

 

Lançada em formato digital, a revista Portal Literário quer se constituir numa ponte que, tendo a tradução como material constitutivo, põe em diálogo escritores de várias partes do mundo, e tem como objetivo principal difundir a produção literária de escritores lusófonos e francófonos. Idealizada pelo professor doutor Humberto Luiz Oliveira, pesquisador vinculado ao Departamento de Letras e Artes da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), a revista, bilíngue, quer contribuir para a difusão da literatura como ferramenta para o conhecimento de si mesmo, do outro e do mundo.

Neste primeiro número o Portal literário conta com narrativas (contos e novelas) de autores de vários espaços lusófonos  ( Adna Couto, Assis Freitas Filho, Humberto de Oliveira, Júlio César Martins Monteiro, Luciano Penelu e Victor Mascarenhas) e francófonos (Claire Varin, Patrick Imbert e Zakaria Lingane (Quebec) e  Sèverine Arnaud (França) cujos textos versam, diretamente ou indiretamente, sobre a errância, o exílio, a reconfiguração identitária.

Segundo Humberto Oliveira, “a tradução para o português de textos de escritores ainda desconhecidos do público lusófono se reveste de importância indiscutível, assim como a tradução para o francês de textos literários de escritores baianos e nordestinos e daqueles que estão fora dos chamados grandes centros, tem o inegável mérito de dar visibilidade a uma produção que ficaria restrita ainda a um público especializado e local”.

A primeira edição da revista pode ser acessada através do endereço eletrônico http://www.portalrevistaliteraria.com.br.

 

Greve nas Ueba chega ao fim após governo assinar acordo com a categoria

 

Diretores da Adufs assinaram o acordo

Após mais de 80 dias, chegou ao fim a greve dos docentes das quatro Universidades Estaduais da Bahia (Ueba). Com a assinatura do acordo, em reunião na quinta-feira (5), a categoria sai vitoriosa de um movimento que conseguiu arrancar do governo a garantia da autonomia político-administrativa das instituições, questões orçamentárias e direitos trabalhistas.

Foram necessárias 16 mesas de negociação para que o Movimento Docente (MD) conseguisse uma proposta concreta que contemplasse parcialmente as reivindicações da pauta protocolada em dezembro do ano passado. Para fazer a discussão avançar, a categoria teve de apresentar uma contraproposta.

O acordo apresentado pelo governo e alterado inicialmente pelo Movimento Docente (MD) apresenta soluções para 2015 ao se comprometer, em um prazo de 60 dias, a revogar a lei 7176/97, garantindo o princípio da autonomia universitária, além de liberar as promoções, progressões e mudança de regime de trabalho que estavam emperradas nas secretarias estaduais da Administração (Saeb) e da Educação (SEC), algumas desde 2012. O documento também efetiva o remanejamento do quadro de vagas por universidade, viabilizando a implementação das promoções, e mantém a integralidade do orçamento de 2015 que vinha sendo contingenciado em 20 %, nos primeiros meses deste ano.

Ainda foi garantido que os recursos necessários para a implementação das promoções, progressões e mudança de regime, mais a efetivação do remanejamento do quadro de vagas por universidade serão disponibilizados pelo Estado, sem prejuízo aos demais direitos trabalhistas e sem comprometer as despesas com custeio, investimento e manutenção das Ueba.

Apesar do final da greve, as mobilizações continuam. As denúncias sobre os ataques que o governo vem fazendo aos direitos trabalhistas e todo processo de sucateamento que as Ueba enfrentam, tornadas públicas através das mobilizações dos docentes, evidenciam a necessidade de permanência das ações. A crise orçamentária que ameaça o funcionamento das universidades é uma luta que professores, estudantes e técnico-administrativos persistirão, já que o cenário que se avizinha é de aumento da precariedade nas instituições.

 

Termo de Compromisso

Ainda durante a reunião com governo, na quinta (6), o Fórum das ADs entregou um ofício com agendamento de reuniões. Inicialmente, isso estaria resolvido, se o governo tivesse assinado o Termo de Compromisso. O documento seria discutido no dia 31 de julho, mas a negociação não avançou porque os gestores públicos não apresentaram a proposta.

Responsável e comprometido com as Ueba, o Movimento Docente protocolou ofício junto à Governadoria, secretarias estaduais da Educação (SEC), Administração (Saeb) e Relações Institucionais (Serin). Nele, reivindica a criação de uma agenda de trabalho para tratar das questões pertinentes a 2016, como o novo quadro de cargos de provimento permanente do Magistério Público das Ueba e o planejamento do orçamento de pessoal, com o objetivo de garantir o fluxo contínuo das promoções na carreira, progressões, mudanças de regime de trabalho e concursos públicos. O agendamento prevê reuniões nos dias 13 de outubro, 18 de novembro e 10 de dezembro de 2015 com o objetivo de discutir a pauta.

Segundo Elson Moura, diretor da Adufs e coordenador do Fórum das ADs, é necessário que a categoria se mobilize ainda mais para combater a política de austeridade dos governos, que prevê cortes no orçamento destinado à educação. “Tivemos êxito com a greve. Através da nossa pressão e força, conseguimos colocar no acordo itens inicialmente negados. No entanto, ainda existem demandas para o próximo ano e que ficaram fora do documento por uma indisposição do governo de negociar”, explicou o professor.

Nas Ueba, a mobilização segue com debates, aulas públicas e tentativas de reunião com o governo. A proposta é forçar os gestores públicos a discutirem o orçamento para o próximo ano, com a perspectiva de resolver a grave crise financeira das instituições, garantir o funcionamento das atividades de ensino, pesquisa e extensão, bem como os direitos garantidos por lei ao trabalhador.

 

Greve na Uefs teve início em 11 de maio

Somente em abril, após um Ato Público que reuniu mais de 500 membros da comunidade acadêmica em protesto no Centro Administrativo da Bahia (CAB), o MD arrancou a primeira reunião de negociação com o governo. Após horas de discussão, ficou evidente que os próximos meses seriam de grande enfrentamento, já que os representantes das secretarias não revelaram sequer conhecer as reivindicações, numa clara demonstração de descaso com o pleito docente.

Em maio, uma rodada de assembleias nas quatro Ueba deliberou o início da greve nas instituições. Na Uefs, a deflagração do movimento paredista aconteceu no dia 11 de maio. A decisão pela intensificação do movimento que já vinha realizando mobilizações, quando protocolou a pauta de reivindicações exigindo o início imediato das negociações, foi a última saída encontrada pelo MD para barrar os ataques que o governador do estado Rui Costa (PT) deu continuidade após assumir o lugar de Jacques Wagner (PT), ambos responsáveis pelo sucateamento das Ueba.

Desde então, outros atos foram realizados dentro e fora da capital baiana. Na tentativa de forçar o diálogo, o MD fez panfletagem, denunciou os ataques à imprensa, dialogou com a população, fechou BR em todo o estado e chegou a ocupar a Secretaria Estadual de Educação entre os dias 15 e 18 de julho. Para reprimir os docentes, o governo Rui Costa (PT) teve a mais clara demonstração de inabilidade e autoritarismo ao chamar um tenente da Rondesp (Rondas Especiais da Polícia Militar) para pressionar os professores e estudantes a saírem do prédio. Somente após 8 horas de negociação, a desocupação aconteceu.

As reuniões continuaram e em 4 de agosto, em assembleia, os professores condicionaram o fim da greve à assinatura do Termo de Acordo, o que aconteceu na quinta-feira (6).

 

SUSPENSÃO DE PAGAMENTO

Reitoria aguarda posição da Saeb sobre corte do adicional de insalubridade

Na última sexta-feira (31/07), alguns docentes e técnico-administrativos da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) foram surpreendidos ao receberem o salário equivalente ao mês de julho sem o adicional de insalubridade previsto por lei. Segundo o Pró-reitor da Administração e Finanças (Proad), Carlos Eduardo Cardoso, a Secretaria da Administração do Estado da Bahia (Saeb) ainda não informou qual o motivo para a suspensão do pagamento.

Informalmente, o pró-reitor foi informado que os critérios utilizados para não realizar o pagamento foi a identificação de laudos antigos e pessoas em atividades administrativas, o que segundo ele, não procede já que algumas pessoas em iguais condições receberam o adicional enquanto outras não. A Proad encaminhou um ofício à Saeb solicitando explicações sobre os critérios para a suspensão do pagamento.

O adicional de insalubridade tem como objetivo compensar o servidor pelo exercício das atividades que podem causar danos à saúde. De acordo com o a constituição: Serão consideradas atividades ou operações insalubres aquelas que, por sua natureza, condições ou métodos de trabalho, exponham os empregados a agentes nocivos à saúde, acima dos limites de tolerância fixados em razão da natureza e da intensidade do agente e do tempo de exposição aos seus efeitos.

Segundo Danilo Ribeiro, assessor jurídico da Adufs, o adicional de insalubridade não pode ser suspenso, a não ser que haja um processo em andamento em que o servidor seja notificado anteriormente a respeito do indeferimento ou suspensão do pagamento. Do contrário, a ação é ilegal. Caso seja constatada alguma irregularidade em relação aos docentes, medidas legais serão adotadas. Para tanto, será necessária cópia do processo administrativo, se houver, que resultou na suspensão do pagamento e o motivo informado pela Saeb.

 

 

 

 

Festival de Sanfoneiros e Caminhada do Folclore

 

Situação orçamentária faz Uefs cancelar eventos culturais

Dois eventos culturais do calendário da Universidade Estadual de Feira de Santana, o Festival de Sanfoneiros e a Caminhada do Folclore, não serão realizados esse ano. O motivo é a atual situação orçamentária da Instituição, que enfrenta dificuldades financeiras para o exercício de 2015. Outros dois importantes eventos foram mantidos: o Bando Anunciador e o Aberto.

De acordo com Rosa Eugênia Vilas Boas, diretora do Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca), unidade responsável pela execução dos eventos, a realização do Festival e da Caminhada demandaria um custo estimado de R$ 171 mil, valor que a Administração Central da Uefs não tem como disponibilizar nesse momento, já que teve seu orçamento reduzido em R$ 1,8 milhão em relação ao ano de 2014. Em comparação ao exercício de 2013, a redução é ainda maior: cerca de R$ 6 milhões.

Tradicionalmente realizado no mês de maio, o Festival de Sanfoneiros, que esse ano estaria em sua 8ª edição, chegou a mobilizar um público de mais de 1.500 pessoas em 2014. As últimas edições do evento registraram a presença de sanfoneiros de diversos estados, que disputaram premiações em dinheiro em duas categorias: até oito baixos e acima de oito baixos. E já contou também com a participação de músicos renomados, como Targino Godim, Celo Costa e Carlos Capinan, no corpo de jurados, e de Xangai, que encerrou o Festival do ano passado.

Realizada há 15 anos ininterruptamente, a Caminhada do Folclore, por sua vez, chegou a ter a participação de mais de 100 grupos folclóricos de Feira de Santana e de mais dez municípios circunvizinhos, tendo se tornado um importante espaço para as mais diversas manifestações da cultura de raiz.

Oficinas

Segundo a professora Rosa Eugênia, nem o apoio de alguns parceiros, que anualmente colaboram para a realização dos eventos, seria suficiente para cobrir os custos. “Foi uma decisão difícil. Lamentamos muito, mas seria irresponsabilidade manter os eventos. Não tivemos verbas sequer para empreender a logística que o Festival e a Caminhada demandam nos meses que antecedem a realização dos mesmos, a exemplo das viagens para a divulgação da abertura de inscrições em outros municípios”, ressaltou, lembrando que os eventos não poderiam ser redimensionados sem um estudo prévio.

Sobre a continuidade no próximo ano, Rosa Eugênia salientou que ainda não há uma perspectiva, mas que a Instituição, reconhecendo a importância dos eventos para a cidade, espera ter condições de voltar a realizá-los em 2016. “Nosso esforço será em prol da continuidade, ainda que, futuramente, precisemos adequá-los à realidade orçamentária. Para esse ano, vamos manter dois outros eventos importantes do calendário municipal: o Bando Anunciador, que desfila pelas ruas da cidade em 19 de julho, e o Aberto, a ser realizado no dia 18 de setembro”, informou.

Conforme o professor Aldo José Morais Silva, assessor do Cuca, a Instituição também está realizando ajustes nos custos de manutenção das 89 oficinas e cursos básicos nas áreas de artes visuais, música, teatro, dança e atividades corporais. “O objetivo é tentar mantê-los em funcionamento sem nenhum prejuízo para comunidade feirense, principal público-alvo dessas atividades. A oferta desses cursos tem grande relevância, já que se trata de um projeto de inclusão social, que visa o acesso à arte e à cultura por parte de pessoas que normalmente não têm essa oportunidade”, destacou.

Na opinião da vice-reitora da Uefs, professora Norma Lúcia Almeida, essa medida, ainda que temporária, “representa um duro golpe para a cultura popular regional, diminuindo a visibilidade de grupos tradicionais e interditando a apresentação de jovens sanfoneiros”. Aponta, também, conforme salienta, “para um encolhimento do importante papel da Uefs na fomentação de atividades culturais”.

.

Observação: Simplesmente lamentável!.

Bahia recebe exposição da ONU sobre tráfico de escravos

Valongo (Debret)

Valongo (Debret)

A exposição “Forever Free-Livres para sempre”, sobre a história do tráfico de escravos no mundo, foi inaugurada, nesta segunda-feira (15), em Feira de Santana (BA), terceiro destino da mostra no Brasil, onde já foi montada no Rio de Janeiro e em Niterói.

Uma iniciativa conjunta da Central Única das Favelas Bahia (CUFA-BA) e do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio), como parte das atividades da Década Internacional de Afrodescendentes (2015-2024), a mostra – com entrada gratuita – ficará aberta, até o final de julho de 2015, no Centro Universitário de Cultura e Arte (CUCA), da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). O espaço funciona das 9 às 12 horas e das 14h às 17h.

A inauguração contou com a presença de diversas autoridades, entre as quais os secretários municipais de Cultura e de Educação, o reitor da UEFS, representantes dos movimentos negros e de entidades da área jurídica, o presidente da Associação de Blocos Afros e Afoxés, o presidente da Câmara de Vereadores de Feira de Santana, deputados estaduais e o assessor de comunicação do UNIC Rio, entre outros.

A mostra, composta por painéis que retratam – e explicam – a história do comércio transatlântico de escravos, foi criada pelas Nações Unidas para lembrar os 400 anos nos quais mais de 15 milhões de pessoas foram vítimas de um dos capítulos mais nefastos da história da humanidade que não deve ser esquecido.

 

Serviço

Exposição “Forever Free-Livres para sempre”

Centro Universitário de Cultura e Arte (CUCA)

Universidade Federal de Feira de Santana (UEFS)

Rua Conselheiro Franco, 66

Centro – Feira de Santana (BA)

Horário: 9 às 12 horas e das 14h às 17h

 

 

UEFS Editora lança novos livros na próxima quinta-feira

 

A convite_uefs_editora_14-5-15

A UEFS Editora lança, na próxima quinta-feira (14), a partir das 16h, oito novos títulos de diversas áreas do conhecimento. A solenidade de lançamento, aberta ao público, será realizada no hall do prédio da Reitoria da Universidade Estadual de Feira de Santana.

As obras focalizam a etnografia do candomblé, a história do protestantismo brasileiro, as artes sacras católicas, a antropoentomofagia, a ecologia humana, a herpetologia, a historiografia da cultura, da sociedade e da política e a competividade territorial no polo de desenvolvimento de Petrolina, em Pernambuco, e Juazeiro, na Bahia.

Julio Braga, em “Candomblé: a cidade das mulheres e dos homens”, mostra porque, no universo das religiões afrobaianas, a presença masculina, como a do babalaô Martiniano Eliseu do Bomfim, é tão relevante quanto a feminina, a exemplo das ialorixás Mãe Aninha e Mãe Menininha do Gantois. O ponto de partida da obra é o estudo “A cidade das mulheres”, da etnóloga norte-americana Ruth Landes, publicado em 1947.

“Fiel é a Palavra: leituras históricas dos evangélicos protestantes no Brasil”, organizado por Elizete da Silva, Lyndon de Araújo Santos e Vasni Almeida, está em sua 2ª edição e recupera a memória de anglicanos, luteranos, presbiterianos, congregacionais, batistas e metodistas no país, do século XIX até a atualidade.

Em “Imagens de roca: uma coleção singular da Ordem Terceira do Carmo de Cachoeira”, Selma Soares de Oliveira estuda a importância das imagens sacras que se destinam a procissões e são vestidas com trajes de tecido. Em sua pesquisa nos acervos católicos da Bahia, a autora encontrou nessa igreja histórica de Cachoeira, no Recôncavo, a coleção de peças que mais lhe chamou a atenção.

“Antropoentomofagia: insetos na alimentação humana”, 2ª edição, é organizado por Eraldo Medeiros Costa Neto e reúne textos de diversos pesquisadores. Os trabalhos ressaltam o fato de que os insetos são o grupo mais rico e diverso do reino animal, porém ainda muito pouco estudado do ponto de vista da etnoecologia e da cozinha entomofágica.

“Os anfíbios e répteis da Reserva Madeira, Estado de Alagoas, Nordeste do Brasil”, organizado por Geraldo Jorge Barbosa de Moura, Eliana Maria de Souza Nogueira e Eraldo Medeiros Costa Neto, reúne trabalhos de pesquisadores de várias universidades nordestinas. O livro se destina a herpetólogos e ao público interessado em conhecer mais sobre a fauna de anfíbios e répteis dos remanescentes de Mata Atlântica brasileira.

“Ecologia Humana: uma visão global”, organizado por Ronaldo Gomes Alvim, Ajibola Isau Badiru e Juracy Marques, é uma coletânea de artigos sobre o surgimento e a abrangência dessa nova ciência, que, como área de formação e pesquisa em sua perspectiva pluridisciplinar, estuda as complexas relações entre o ser humano e seu entorno.

“Cultura, sociedade e política: ideias, métodos e fontes na investigação histórica”, organizado por Elizete da Silva e Erivaldo Fagundes Neves, é uma antologia de ensaios que abordam a produção contemporânea em ciências humanas do ponto de vista historiográfico. Os trabalhos tematizam história e política, história e literatura, história e religião e metodologias da pesquisa em história agrária e história regional.

“Competividade territorial e federalismo na Região Integrada de Desenvolvimento Econômico (RIDE) Petrolina-Juazeiro”, de Reinaldo Santos Andrade, é um estudo analítico e interpretativo do espaço geográfico, no sentido de território usado, e sua relação com o capitalismo global contemporâneo, o ordenamento territorial-regional, os diferentes federalismos, a dinâmica do polo de desenvolvimento em Petrolina (PE) e Juazeiro (BA) e o problema das desigualdades socioeconômicas e territoriais.

.

Reinauguração do Museu Regional de Arte de Feira de Santana

 

A cuca_area_interna_mra

Após dois anos fechado para reforma, o imponente prédio de estilo eclético que abriga o Museu Regional de Arte de Feira de Santana (MRA) será reinaugurado na segunda metade de abril. Além da restauração do prédio, o acervo passou por um processo de conservação e restauro, de acordo com a museóloga Selma Oliveira, diretora do Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca), entidade vinculada à Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs).

A análise técnica para conservação das obras foi realizada em 2014 pelo Instituto Cátedra, de Salvador, através do conservador-restaurador Orlando Ramos Filho, com experiência em entidades públicas e privadas de diversos estados brasileiros. Ele atuou em parceria com o Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac), órgão responsável pela salvaguarda de bens culturais tangíveis e intangíveis e pela política pública estadual voltada ao patrimônio cultural.

A Cuca Orlando Ramos Filho - ao fundo, obra A Mulata, Di Cavalcanti, acervo MRA

Fundado em 26 de março de 1967, por Assis Chateaubriand, o MRA funcionou, inicialmente, no prédio onde hoje está instalado o Museu de Arte Contemporânea (MAC). Em 1995, foi incorporado ao Cuca.

Primeira instituição museológica do município, o Museu Regional destaca-se exatamente pela importância de seu acervo, constituído por obras de renomados artistas brasileiros e estrangeiros. Com a reinauguração, cujo projeto expográfico ficou a cargo do museólogo e diretor do MRA, Cristiano Silva Cardoso e equipe, com supervisão de Selma Soares de Oliveira, o público poderá voltar a contemplar, por exemplo, o valioso conjunto de obras assinadas por Di Cavalcanti e Vicente do Rego Monteiro, percussores do Movimento Modernista Brasileiro, além das coleções Inglesa, de arte Naïf e Nipo-Brasileira.

Segundo Selma, a ideia é montar a exposição através de um recorte do acervo histórico. “Vamos comemorar 48 anos de atuação institucional e contribuição para o imaginário cultural feirense. A noite de reinauguração contará com uma vasta programação, com a realização de performances, intervenções artísticas e recital do Grupo de Câmara do Cuca”, destaca.

A Cuca Orlando Ramos Filho e o diretor do Museu, museólogo Cristiano Silva Cardoso

 

UEFS Editora lançou 12 novos títulos

 

UEFS Editora lançou 12 novos títulos

A UEFS Editora lançou 12 novos títulos na última quinta-feira (4), no hall do prédio da Reitoria da Universidade Estadual de Feira de Santana. O lançamento, aberto ao público, contou com a presença dos respectivos autores. As obras são da área de cinema, literatura, antropologia, linguística, educação, saúde, bioética, economia, urbanização, estatística e informática.

Como nos lançamentos realizados desde 2010, os livros resultam de trabalhos de pesquisa, mas nem todos se baseiam em teses ou dissertações. Três deles focalizam aspectos distintos da história de Feira de Santana, como o comércio de feijão, o drama das favelas e a presença de religiões afro-brasileiras.

As obras a lançadas são: O Realismo Pós-metafísico: uma Sociedade de Exclusão no Cinema e na Literatura (autora: Licia Soares de Sousa); Doação e Transplante de Órgãos Segundo a Visão dos Batistas (Liliane Lins); Variação Linguística no Semiárido Baiano (Norma Lucia Fernandes de Almeida e Zenaide de Oliveira Novais Carneiro); Acesso aos Serviços e Tecnologias no Sistema Único de Saúde: abordagens teóricas e práticas (Marluce Maria Araújo Assis e Márlon Vinícius Gama Almeida); Desempenho de Médias e Grandes Empresas do Setor Alimentício do Nordeste Brasileiro: uma influência das medidas econômicas na competitividade industrial (Jorge Aliomar Barreiros Dantas); Agribusiness: Políticas Públicas para Commodity Café — análise das implicações da cafeicultura no Brasil e no Estado da Bahia 1993-2002 (Joselito Viana); Educação e Gestão Lusófonas: diferentes olhares, diferentes caminhos (Maria de Lourdes Haywanon Santos Araújo e Robinson Moreira Tenório); Redes e Centralidades em Feira de Santana (BA): o centro de abastecimento e o comércio de feijão (Alessandra Oliveira Araújo); Modelagem Multinível: uma abordagem aplicável em contextos de estudos longitudinais e de agregados (Carlos Teles); Cálculo Numérico com Aplicações em VBA Excel (Magnus Pereira); Feira de Encantados: uma panorâmica da presença afro-brasileira em Feira de Santana: construções simbólicas e ressignificações (Ronaldo Senna), e Feira de Santana no contexto da urbanização brasileira e a questão da moradia na favela (Maria Leny Souza Oliveira).

Nos últimos quatro anos, a UEFS Editora publicou mais de cem livros em todas as áreas do conhecimento. Com os já lançados em julho e os que serão lançados em novembro deste ano, o total de livros publicados chegará a 130.

Criada em 2002 pelo Conselho Administrativo da Uefs como um órgão suplementar da Reitoria, só a partir de 2010 a UEFS Editora começou de fato a funcionar e ser conhecida no âmbito das editoras universitárias brasileiras. “Esse crescimento da produção editorial, por ser inédito na história da Uefs, é um estímulo muito significativo para professores, pesquisadores e estudantes”, disse o reitor José Carlos Barreto de Santana.

 

 

Caminhada do Folclore volta às ruas de Feira de Santana em 24 de agosto

 

Angelo Pinto

A Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) realiza no dia 24 de agosto a 15ª Caminhada do Folclore. O evento tem como objetivo valorizar e preservar as manifestações culturais do povo nordestino.

O cortejo, com previsão de participação de quase 5 mil pessoas, sai do Centro de Cultura Amélio Amorim, no  bairro Capuchinos, e segue pela avenida Getúlio Vargas até o local de dispersão na avenida Professor Fernando Pessoa, no bairro Ponto Central.

O trajeto tem aproximadamente dois quilômetros. Mais de 50 grupos de Feira de Santana e outras cidades baianas já estão inscritos para a Caminhada com o propósito de divulgar a cultura de raiz. Eles vão apresentar capoeira regional e de angola, quadrilha, literatura de cordel, samba de roda, bumba meu boi, afoxé, samba e reisado.

A Caminhada do Folclore de Feira de Santana está inserida no Guia de Bens Culturais do Brasil e marca também o encerramento das comemorações da Semana do Folclore. O evento é promovido pelo Centro Universitário de Cultura e Arte e está previsto para começar às 8h do dia 24.

As Secretarias Municipais de Cultura, Esporte e Lazer, Educação e Transporte e Trânsito também apoiam o evento.

Mais informações através dos telefones (75) 3221-9744 ou 3221-9766 ou da página do Cuca na internet (www.uefs.br/cuca).

Foto divulgação - Cuca

.

 

Participação popular consolida o retorno do Bando Anunciador

 

 

A bando_anunciador_fotos_dan_souza_uefs_1 (1)

Demonstrando estar, de fato, ainda presente e forte no imaginário da população de Feira de Santana e de municípios da região, o Bando Anunciador da Festa de Senhora Santana, padroeira da região, voltou às ruas na manhã desse domingo (13), em mais uma edição da festa, resgatada pela Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) em 2007.

A bando_anunciador_fotos_dan_souza_uefs_1 (5)

Extinta por determinação de alguns segmentos do poder público e da Igreja em 1987, as manifestações populares em louvor a Senhora Santana voltaram a fazer parte do calendário de eventos do município, com a participação de moradores de diversos bairros de Feira de Santana e de comunidades de outras cidades.

SONY DSC

Foi um desfile de cores, animação, criatividade, folia, bandas, charangas e muito mais. Muitas pessoas, emocionadas, disseram ter encontrado amigos que há anos não via, o que foi possível graças ao Bando Anunciador.

A bando_anunciador_fotos_dan_souza_uefs_1 (8)

A bando_anunciador_fotos_dan_souza_uefs_1 (11)

SONY DSC

SONY DSC

 SONY DSC

.Fotos: Dan Souza

Bando Anunciador escolhe rainha na quinta-feira

 

Será realizada quinta-feira (10), a partir de 19h, no Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca), a festa de escolha da rainha da oitava edição do Bando Anunciador da Festa de Senhora Santana. Vinte e uma candidatas concorrem ao título. No dia do evento também será realizada uma exposição fotográfica com a participação de George Lima, Beto Souza, Aldo Lima e Juraci Dórea, sobre o Bando Anunciador.

A programação ainda inclui uma mesa redonda com o tema “Memória e Identidade Cultural: O Bando anunciador da Festa de Santana”, com palestra dos professores Gilmário Moreira Brito (Universidade do Estado da Bahia – Uneb), e Diego Carvalho Correa (Universidade Estadual de Feira de Santana – Uefs).

O Bando Anunciador da Festa de Santana é organizado desde 2007 pela Uefs, através do Cuca, e resgata a tradição popular das homenagens à padroeira de Feira de Santana, Senhora Santana, extinta pela Igreja Católica em 1987. O desfile acontece no dia 13 de julho, um domingo, a partir das 7h.

Qualquer pessoa pode participar e muitas delas vão fantasiadas, representando bairros, povoados e até grupos de outros municípios. A saída é na rua Conselheiro Franco, em frente o Cuca. O cortejo passa pela praça da Bandeira, rua Marechal Deodoro e Beco do Mocó. O desfile termina na praça da Matriz.

Mais informações através dos telefones (75) 3221-9744 ou 3221-9766 ou da página do Cuca na internet (www.uefs.br/cuca). O Cuca funciona na rua Conselheiro Franco, nº 66, Centro, Feira de Santana.

 

Confira a programação:

10 de julho

Mesa redonda

Escolha da Rainha do Bando Anunciador

Exposição fotográfica

Horário: 19h

Local: Cuca

 

13 de julho

Desfile do Bando Anunciador

Horário: 7h

Local de saída: Cuca

 

Cuca faz inscrição online para oficinas de artes

 

Cuca faz inscrição online para oficinas de artes

O Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca) inscreve até quarta-feira (9) para oficinas de teatro, dança, desenho, pintura, fotografia, ioga e karatê. As inscrições para novos alunos devem ser feitas através do site do Cuca (www.uefs.br/cuca). Os horários das oficinas estão disponíveis também no site do Cuca.

O cadastro não garante a efetivação da matricula. Um sorteio eletrônico vai definir os candidatos contemplados para as oficinas. Para a inscrição online o aluno deve informar dados pessoais, endereço, telefone e e-mail para contato. O sistema vai fornecer login e senha.

A lista com os alunos sorteados para os cursos do semestre 2014.2 será divulgada no dia 15 de julho. Aos alunos contemplados será cobrada uma taxa única de matrícula no valor de R$ 80. Para confirmar a matrícula, que é presencial, também é preciso apresentar original de comprovante de residência e de documento de identificação com foto ou certidão de nascimento e original e cópia do comprovante de depósito da taxa de matrícula.

O Cuca funciona na rua Conselheiro Franco, nº 66, Centro. Mais informações através dos telefones (75) 3221-9766 ou (75) 3221-9744.

 

 

Cuca convida para a final do 7º Festival de Sanfoneiros

 

 

A TVE Bahia transmite a final do 7º Festival de Sanfoneiros

A TVE Bahia, órgão de comunicação vinculado ao Instituto de Radiodifusão Educativa do Estado da Bahia (Irdeb), confirmou a transmissão ao vivo da grande final do 7º Festival de Sanfoneiros, evento executado pela Universidade Estadual de Feira de Santana e que será realizado nesta quinta-feira (22), a partir das 19h, no Auditório Central, campus universitário. A diretora do Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca), Selma Oliveira, revelou que o interesse pela transmissão partiu da própria TVE Bahia, o que, conforme salienta, demonstra a importância do evento para a cultura popular nordestina.

Artistas de diversos municípios baianos e de outros estados brasileiros participam do 7º Festival de Sanfoneiros, evento que tem o objetivo de incentivar e manter vivo um dos mais tradicionais símbolos da cultura nordestina, a sanfona. A expectativa de público é de mil pessoas.

Bernardo Bezerra

Foto: Bernardo Bezerra

Além de assistir e vibrar com a apresentação dos finalistas e de outras atrações artísticas, os presentes poderão se deliciar com bebidas e comidas típicas nos estandes e barracas instalados no entorno do Auditório Central. Haverá exibição de filmes com temas relacionados à cultura e artistas nordestinos, como Luiz Gonzaga e Dominguinhos, e show do músico Xangai.

“O objetivo é fazer com que as pessoas se sintam nos tracionais ambientes nordestinos de festejos juninos, ou seja, nas roças, fazendas, vilarejos, fazendo com que os de mais idade revivam momentos felizes e os mais jovens aprendem a valorizar estes costumes”, afirma Selma Soares, diretora do Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca), entidade vinculada à Uefs e responsável pela organização e execução do Festival de Sanfoneiros.

Foto: Bernardo Bezerra

Foto: Bernardo Bezerra

 Premiação

Depois de uma seleção preliminar, 16 artistas participam desta grande final, oito na categoria 1 (até oito baixos) e mais oito na categoria 2 (acima de oito baixos). Os primeiros colocados em cada categoria ganham R$ 4.770; os segundos colocados, R$ 3.710 e os terceiros, R$ 2.650. Haverá, ainda, o prêmio Júri Popular, também para cada categoria, no valor de R$ 1.590. A relação dos artistas está disponível no portal www.uefs.br, na seção Notícias, e também no site do Cuca (www.uefs.br/cuca).

O primeiro Festival de Sanfoneiros de Feira de Santana foi realizado pela Uefs em 2008. Inicialmente, as apresentações foram no Teatro do Cuca, mas o espaço se tornou pequeno diante do grande público atraído pelas apresentações artísticas. O evento, então, foi transferido para o Centro de Cultura Amélio Amorim e, desde 2012, é realizado no Auditório Central, localizado no campus da Uefs, com capacidade para aproximadamente mil pessoas e espaço para estacionamento.

A Festival de Sanfoneiros Thiago Mendes Souza Foto Bernardo Bezerra 2013

 

Uefs divulga os finalistas do 7º Festival de Sanfoneiros

 

O Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca), entidade vinculada à Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), divulgou os finalistas do 7º Festival de Sanfoneiros. A relação está disponível no portal www.uefs.br.

A grande final será realizada no dia 22 de maio, uma quinta-feira, a partir das 18h30, no Auditório Central da Uefs, campus universitário, com entrada franca.

Os candidatos disputam nas categorias até oito baixos e acima de oito baixos. Os primeiros colocados em cada categoria ganham R$ 4.770; os segundos colocados, R$ 3.710 e os terceiros, R$ 2.650. Haverá, ainda, o prêmio Júri Popular, também para cada categoria, no valor de R$ 1.590.

  O evento valoriza, incentiva e ajuda a difundir a sanfona, um dos principais símbolos da cultura nordestina, e também promove o trabalho de artistas de diversos estados.

Relação dos selecionados para a final do VII Festival de Sanfoneiros de Feira de Santana

 CATEGORIA I (ATÉ OITO BAIXOS)

1. Agnaldo Moreira Bastos – Baixa Grande

2. Antônio Mendes Soares – Coração de Maria

3. Deusdeth Ezequiel dos Santos – Euclides da Cunha

4. Godealdo de Jesus – Riachão do Jacuípe

5. Hermes Pereira Silva – Ipirá

6. Kaike Jhone Gonzaga dos Santos – Euclides da Cunha

7. Luiz Gonçalves de Andrade – Feira de Santana

8. Pedro Pinheiro dos Santos – Feira de Santana

 

CATEGORIA II (ACIMA DE OITO BAIXOS)

1. Cícero Paulo Ferreira Feitosa – Juazeiro do Norte-CE

2. Ivan Nascimento – Euclides da Cunha

3. Joais Viana da Silva – Maracanaú-CE

4. Kenned Romário Gonçalves Rodrigues – Uauá

5. Leandro Conceição Aquino – Sapeaçu

6. Pedro Paulo Delmondes – Iguatu – CE

7. Tiago Balbino Campos – Candeal

8. Wagner Barros dos Santos – Fortaleza- CE

Prazo de inscrição no vestibular da Uefs termina quinta-feira

 

Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) inscreve até quinta-feira (8) para o vestibular 2014.2 (ProSel), com a oferta de 920 vagas em 25 cursos. Os candidatos devem acessar o portal www.uefs.br e, na seção ProSel, preencher os dados solicitados nos respectivos campos.

É imprescindível a leitura completa do Edital, também disponibilizado na internet. Após preencher o formulário de inscrição, o candidato deve imprimir o comprovante e efetuar o pagamento da taxa de R$ 90 até o dia 9 de maio, na rede bancária. Neste vestibular, a Uefs ofereceu 3.500 isenções para estudantes egressos da rede pública.

Cinquenta das 920 vagas disponibilizadas, duas por curso, são destinadas a membros de comunidades indígenas e quilombolas. A política de ações afirmativas da Uefs prevê, ainda, a oferta de 50% das vagas para candidatos que tenham cursado, na rede pública, todo o ensino médio e pelo menos dois anos do ensino fundamental (5ª a 8ª série ou 6º ao 9º ano). Destas vagas, 80% são destinadas a candidatos que se declararem afrodescendentes.

O cartão de convocação será disponibilizado online no período de 8 a 19 de julho. As provas serão aplicadas de 20 a 22 de julho de 2014.