Um poema e uma tarde azul

Canção

Antônio Brasileiro

A alegria mora no olhar.

O ser das coisas não tem sentido.

Felicidade, por que não vives

  sem perguntar?

A lua descendo tão devagar

e o manso gado pascendo ali:

por que, poeta, por que não vives

  sem perguntar?

A tarde é tudo. Búzios do mar

ecoam em suas conchas o ido.

Só tu, inquietude, não vives

  sem perguntar.

In Antônio Brasileiro. Desta Varanda (Alguns poemas), Salvador: P55 Edições, Coleção Cartas Bahianas, 2011, p. 39

 

Uma ideia sobre “Um poema e uma tarde azul

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.